Santiago Alvarez

SANTIAGO ALVAREZ

 

Nascido em Havana em 1919, Santiago Alvarez entrou no Instituto Cubano de Arte e da Indústria Cinematográfica logo após a sua criação, em 1959. Comprometido com um cinema militante, realiza numerosos documentários e jornais de atualidades. A sua câmara percorre todos os continentes e filma as maiores personalidades dos movimentos comunistas, como Fidel Castro, Che Guevara, ou Ho Chi Minh. Entre outros episódios históricos, encontramos na sua filmografia a crónica da revolução cubana desde 1960 até aos nossos dias, as guerras do Vietname, Laos e Camboja, a subida ao poder e a queda de Salvador Allende, no Chile, as lutas pela independência em África. Mas Santiago Alvarez não regista apenas estas imagens excecionais, ele cria uma estratégia para as articular, ao fazer de carências técnicas e materiais um ponto de partida para uma pesquisa de soluções estéticas originais, nomeadamente ao nível da montagem.

 

Por isso, apesar de Alvarez se autodefinir como um “artista da revolução”, a originalidade dos seus filmes transcende largamente a circunstância histórica que a semeou.

 

Na edição de 1998, no âmbito da retrospetiva do Curtas Vila do Conde dedicada às cinematografias do Sul, Santiago Alvarez tinha sido convidado pelo Festival para apresentar uma escolha pessoal de documentários e curtas-metragens da América Latina, quando chegou a notícia do seu falecimento em maio desse ano. Como homenagem à sua obra, o Curtas Vila do Conde e o Instituto Cubano da Arte e da Indústria Cinematográfica decidiram organizar uma pequena retrospetiva dos seus trabalhos.