Isaki Laucesta

ISAKI LACUESTA

 

Isaki Lacuesta é um cineasta do século XXI, um autor cuja obra com imagens em movimento, quer a produzida para a sala de cinema, como a destinada a espaços expositivos, explora com vitalidade as novas possibilidades expressivas, procurando ultrapassar os limites instituídos. Ao mesmo tempo, é um cineasta dos anos 20 do século XX, pelo fascínio que mantém com o movimento expressionista alemão, sobretudo a obsessão pelo cientista-feiticeiro, uma figura que se constrói de forma ambígua e contraditória, e pelo misterioso jogo entre a luz e a sombra, com toda a fantasmagoria a ele inerente. Autor In Focus da 28.ª edição, Lacuesta é um autor de difícil caraterização, com uma identidade criativa singular, que procura fugir ao seu tempo, adiantando-se ou recuando, na busca permanente pelas formas e movimentos que ainda não conhecemos ou que já esquecemos. O Curtas selecionou quatro longas metragens que desafiam o espectador a explorar e a refletir, como explica Jordi Costa no texto produzido expressamente para o Curtas, “sobre o papel fluído da identidade e do tempo na obra de um criador que lutou sempre, de forma tão natural, contra os estereótipos, e que tem mesmo brincado com a própria autodestruição do seu prestígio”. A sua obra já foi alvo de diversas retrospetivas em várias instituições de prestígio, como a National Gallery de Washington (2013, "Lacuesta: the artist's ruse"), a Cinemateca Suíça (2017), a Filmoteca Española (2018) e o Centro Georges Pompidou, tendo também publicado o livro “Le cinéma d'Isaki Lacuesta", editado por Brice Castanon e Sergi Ramos. Entre outros prémios, foi distinguido no prestigiado San Sebastián IFF, duas vezes com o prémio máximo (em 2011 com “Los pasos dobles”; em 2018 com “Entre dos aguas”), no argentino Mar del Plata IFF, com “Entre dos aguas”, e no mexicano Guadalajara IFF, com “Los pasos dobles”.