Workshops no 26º Curtas Vila do Conde

16 Maio 2018
Share on Facebook Share on Twitter

Entre 14 e 22 de julho, o Curtas Vila do Conde regressa à cidade do norte litoral com o melhor do cinema mundial. Nesta edição, o Curtas aposta na formação em torno das imagens em movimento através da realização de três workshops: de Cinema, no âmbito da MAD Summer School, de Cinema Expandido e o, já habitual, de Crítica de Cinema.

Promovido pela ESMAD – Escola Superior Media, Artes e Design em parceria com o festival, o workshop de Cinema vai decorrer entre 16 e 20 de julho, no âmbito da MAD Summer School. O espectáculo final cruzará música e vídeo e terá estreia mundial durante a edição de 2018 do Curtas Vila do Conde. A ativista norte-americana Moor Mother e o músico português Jonathan Saldanha (HHY) juntam-se, em julho, para uma residência artística em conjunto com a comunidade jovem de Vila do Conde. A partir do trabalho sonoro desenvolvido pela dupla, os participantes terão a oportunidade de colaborar com os realizadores Vasco Mendes e André Tentugal na criação da componente visual. As inscrições estão abertas até 30 de maio e podem ser submetidas aqui


Com tutoria dos artistas espanhóis Adriana Vila e Luis Macías (Crater Lab), o workshop de Cinema Expandido pretende oferecer aos participantes uma base para as diferentes expressões de técnicas de intervenção em filme ao vivo através de projeções 16mm e artefactos luminosos. O foco será a manipulação de imagem e conteúdo sonoro no celulóide e no aparelho de projeção e a utilização de instrumentos de improvisação e ação cinematográfica. Cortar, colar, recompor. O resultado deverá ser um filme performativo coletivo. Este workshop decorrerá entre 18 e 20 de julho e as inscrições – limitadas a 10 participantes – podem ser submetidas através deste formulário.
 

Desde 2016, o workshop de Crítica de Cinema tem sido uma importante plataforma para a promoção do pensamento crítico em torno do cinema, resultando em textos que são divulgados quer nos canais do próprio festival, quer através de vários parceiros (Público, À Pala de Walsh, A Cuarta Parede, etc). Além da vertente prática, o workshop oferece também diversas masterclasses com cinestas e teóricos de renome. Mark Rapapport, Thomas Elsaesser, Nicole Brenez, Miguel Gomes, Jorge Mourinha ou João Tabarra foram algumas das personalidades que por ali passaram. Mais informações em breve.

Animar 13 termina com festa a 20 de maio

4 Maio 2018
Share on Facebook Share on Twitter

A Animar 13 chega ao fim com uma festa para toda a família. Além de duas curtas-metragens realizadas por alunos de Vila do Conde, será também exibido o filme de animação "A Raposa Manhosa e Outras Histórias", de Patrick Imbert e Benjamin Renner. Tudo a partir das 16h, no Teatro Municipal de Vila do Conde.

A 13ª edição da ANIMAR chega ao fim no próximo dia 20 de maio. Nos últimos três meses, a equipa da Solar – Galeria de Arte Cinemática promoveu, de forma intensiva, várias atividades dedicadas à formação dos mais novos para o cinema: sessões de cinema, ateliês de cinema, oficinas de ilustração e impressão, visitas guiadas à exposição patente, entre outras. Do ensino básico ao secundário, mais de duas centenas de alunos da região Norte puderam participar neste projeto, quer em contexto escolar, quer fora dele.


Nesta edição, Patrícia Rodrigues, Joana Nogueira e Pedro Neves foram os realizadores convidados para a orientação dos ateliês de cinema desenvolvidos ao longo de várias semanas em escolas do concelho de Vila Conde. As duas curtas-metragens produzidas em conjunto com os alunos serão exibidas, pela primeira vez, durante a Festa de Encerramento da Animar 13, no Teatro Municipal de Vila do Conde. Na cerimónia, que tem início marcado para as 16h, serão ainda atribuídos os prémios da 1ª edição do Concurso de Ilustração, destinado a estudantes de artes visuais, que visa promover as ligações entre desenho e cinema.


A longa-metragem "Raposa Manhosa e Outras Histórias", de Patrick Imbert e Benjamin Renner, marcará o fim de festa. A partir de livros do próprio Renner, os realizadores criaram uma comédia de animação repartida em três pequenas histórias e três personagens principais: a raposa, claro, um coelho e um pato. Os bilhetes custam 2 euros para menores de 16 anos e 3,5 euros para os restantes. 


Até lá ainda poderá visitar as exposições Animar 13, patente na Solar – Galeria de Arte Cinemática, que junta trabalhos de Joana Nogueira e Patrícia Rodrigues, Alexandra Ramires (Xá) e Laura Gonçalves, Pedro Neves, Paulo Patrício e Marte Monteiro, e Anatomie du Labo 10, que reúne ilustrações internacionais de filmes em competição na secção Labo da última edição do festival de Clermont-Ferrand, no Teatro Municipal de Vila do Conde.



PROGRAMA

Festa de Encerramento ANIMAR 13
20 de maio, 16:00
no Teatro Municipal de Vila do Conde, sala 1

Sessão solene
Curtas-metragens ANIMAR 13
Making of ANIMAR 13
Entrega dos prémios do Concurso de Ilustração ANIMAR 13
Sessão de cinema "Raposa Manhosa e Outras Histórias"

Animar 13 lança concurso de ilustração

20 Abril 2018
Share on Facebook Share on Twitter

Se és aluno de artes visuais, gostas de desenhar e de ir ao cinema, então este concurso é para ti. Ganha um free-pass para o Curtas Vila do Conde 2018, entre outros prémios. Submissões até 11 de maio.

Promovido pela Solar – Galeria de Arte, este Concurso de Ilustração dirige-se a todos os alunos do ensino secundário e superior de instituições portuguesas na área das artes visuais e visa promover a capacidade criativa da camada juvenil. Insere-se no âmbito do projeto educativo ANIMAR 13 e da exposição homónima, patente atualmente na Solar – Galeria de Arte Cinemática, em Vila do Conde.


Nesta exposição, o espectador é convidado a uma viagem pelos mundos de "Água Mole", de Alexandra Ramires (Xá) e Laura Gonçalves, "Pronto, Era Assim", de Joana Nogueira e Patrícia Rodrigues, "Surpresa", de Paulo Patrício e "Mar Bravo", de Pedro Neves, que saltam da tela para as paredes da Solar Galeria de Arte Cinemática, destacando a contaminação entre o cinema de animação e o documentário no panorama nacional.


Inspirados pelos filmes supra-mencionados e pelas obras derivadas, em exposição, os participantes deverão apresentar uma ilustração inédita com técnica e materiais à escolha. O ficheiro da ilustração deverá ter formato A2, 2 a 3 cores, jpeg ou tiff e não deverá exceder 2MB. A candidatura deverá ser submetida para o e-mail animar@curtas.pt, com título e autor, até ao dia 11 de maio.


Poderão participar todos aqueles que estejam inscritos numa instituição portuguesa de ensino secundário ou superior e que tenham entre 16 e 25 anos, à data de submissão de proposta. Cada participante só poderá submeter uma ilustração. Seleccionadas por um júri especializado, as três melhores ilustrações serão premiadas com free-passes para a edição de 2018 do festival Curtas Vila do Conde e publicações da galeria. 


A exposição dos trabalhos selecionados estará patente, de 20 de maio a 1 de junho, na Solar — Galeria de Arte Cinemática, e a Sessão de Entrega de Prémios decorrerá no dia 20 de maio, às 14:30, na Festa de Encerramento da ANIMAR 13, no Teatro Municipal de Vila do Conde. 


Ler regulamento completo

Oficina e mostra de ilustração na Animar 13, em abril

29 Março 2018
Share on Facebook Share on Twitter

Em abril, a Animar 13 apresenta uma sessão comemorativa do Festival de Curta-Metragem de Clermont-Ferrand, uma mostra de ilustração paralela e ainda uma oficina de iniciação à ilustração com Joana Estrela.

Já no próximo dia 15 de abril, o Curtas Vila do Conde apresenta uma sessão comemorativa do 40º Festival de Curta-Metragem de Clermont-Ferrand e do 10º Anatomie du Labo. Esta sessão, a decorrer no Teatro Municipal de Vila do Conde, reúne seis curtas resgatadas da secção Labo do festival francês: "Everything (Tout)", de David O'Reilly, "Reruns (Rediffusions)", de Rosto, "Proch (Poussière)", de Jakub Radej, "Black America Again", de Bradford Young, "Shadow Nettes", de Phillip Barker e "Retour", de Pang-Chuan Huang.

No mesmo dia, inaugura a mostra de ilustração Anatomie du Labo 10, que ficará patente no foyer do Teatro Municipal de Vila do Conde até ao final da Animar 13, a 19 de maio. Vila do Conde, através da associação Curtas Metragens CRL, foi uma das cidades escolhidas para receber esta mostra itinerante, que partirá da cidade francesa para uma volta à Europa. A Anatomie du Labo convida artistas internacionais – propostos por vários festivais – a ilustrarem os filmes em competição na secção Labo da programação do Festival de Clermont-Ferrand. O objetivo principal é promover o diálogo entre os realizadores dos filmes e os espectadores. Júlio Dolbeth integra esta exposição em representação do Curtas Vila do Conde. O ilustrador português tem vindo a trabalhar em parceria com o festival vilacondense e os resultados são visíveis até nas paredes da cidade. 

Já no dia 21, as ilustradoras Joana Estrela e Sofia Rocha e Silva vêm até à Solar Galeria de Arte Cinemática para orientar um workshop de iniciação à ilustração com base nas canções de intervenção da Revolução dos Cravos, destinado a crianças entre os 8 e 12 anos. As inscrições podem ser enviadas para animar@curtas.pt e têm um custo de 10 euros. No mesmo dia, será exibido o filme “L’Aventure Commence”, de Thierry Frémaux, também no Teatro Municipal, numa parceria com o Cineclube de Vila do Conde.

Curtas portuguesas premiadas no Monstra

18 Março 2018
Share on Facebook Share on Twitter

Curtas portuguesas distribuídas pela Agência da Curta Metragem ganharam cinco troféus no Monstra – Festival de Animação de Lisboa, revelou ontem a organização durante a Cerimónia de Encerramento, que decorreu no Cinema S. Jorge, em Lisboa.

O filme “A Sonolenta”, de Marta Monteiro, foi distinguido com o Prémio SPA/Vasco Granja para Melhor Filme Português. Ainda na mesma categoria, foi atribuída uma menção honrosa a “Água Mole”, de Laura Gonçalves e Alexandra Ramires (Xá), que arrecadou também o prémio para Melhor Curta-Metragem Portuguesa.


“Das Gavetas Nascem Sons”, de Victor Hugo, ganhou o prémio para Melhor Curta-Metragem Experimental, e “Surpresa”, de Paulo Patrício, foi considerado pelo público o Melhor Filme da Competição Portuguesa, repetindo o feito conquistado na última edição do Curtas Vila do Conde (Prémio do Público SPA na Competição Nacional).


Por fim, "Uma Manhã na Feira", produzido pela Curtas Metragens CRL e realizado por alunos da ESMAD – Escola Superior de Media, Artes e Design e do 12º ano da Escola Secundária José Régio, sob orientação de Laura Gonçalves e Alexandra Ramires (Xá), conquistou o prémio para Melhor Curtíssima Portuguesa.


Duas das curtas vencedoras – “Supresa” e “Água Mole” – podem ser reencontradas, num formato interativo, na exposição coletiva da Animar 13, patente na Solar – Galeria de Arte Cinemática, até 19 de maio.


O Monstra – Festival de Animação de Lisboa termina hoje, domingo, mas ainda haverá tempo para exibir as curtas premiadas, às 17h, no Cinema São Jorge, e às 22h, no Cinema City Alvalade, em Lisboa.

Curtas Vila do Conde no SACO, em Oviedo

7 Março 2018
Share on Facebook Share on Twitter

O Curtas Vila do Conde – Festival Internacional de Cinema preparou um programa especial com quatro curtas-metragens portuguesas para exibir no SACO – Semana del Audiovisual Contemporáneo de Oviedo, que decorre de 16 a 25 de março, naquela cidade espanhola.

A sessão, que vai decorrer no dia 24 de março no Teatro Filarmónica, é composta pelos filmes “Coup de Grâce”, de Salomé Lamas, “Água Mole”, de Alexandra Ramires (Xá) e Laura Gonçalves, “Fuligem”, de David Doutel e Vasco Sá e ainda “Coelho Mau”, de Carlos Conceição.

A apresentar os filmes estarão Miguel Dias, diretor do festival Curtas Vila do Conde, e Salette Ramalho, responsável da Agência da Curta Metragem, distribuidora das curtas-metragens selecionadas. Além disso, o Curtas Sound System (Miguel Dias e Sérgio Gomes) animará as hostes da derradeira festa do festival, a acontecer também no sábado, dia 24 de março.

CURTAS VILA DO CONDE SOUNDSYSTEM

O Curtas Vila do Conde - Festival Internacional de Cinema tem uma forte tradição em eventos musicais, para além da programação cinemática de base, o que pode ser explicado não só pelo desejo do festival de integrar outras formas artísticas relacionadas com o cinema, mas também pelos interesses musicais dos seus membros e programadores. Neste caso particular, a música proposta por Miguel Dias e Sérgio Gomes é também uma boa analogia de outra característica muito importante do festival, o diálogo entre a história e o cinema de vanguarda, cobrindo géneros desde o Soul obscuro e os clássicos de Deep Funk até aos seus contrapontos eletrónicos, como o Ghetto-Funk, Glitch-Hop e Future Beats. 


Miguel Dias é um colecionador de discos interessado em todos os tipos de musica Jazz,Funk, Latino e Africano, especialmente dos anos 60 e 70. Faz também parte d'Os Sete Magníficos, um coletivo de DJs do Porto, que roda clássicos de 7''.


Sérgio Gomes é DJ desde 1998. Mostrou sempre interesse na música eletrónica contemporânea e avant-garde. Com a sua marca BREAKS lda. é também promotor de eventos musicais eletrónicos em Portugal, tendo também um programa semanal na RUM.

1  I  2  I  3  I  4  I  5  I  6  I  7  I  8  I  9  I  10  I  11  I  12  I  13  I  14  I  15  I  16  I  17  I  18  I  19  I  20  I  21  I  22  I  23  I  24  I  25  I  26  I  27  I  28  I  29  I  30  I  31  I  32  I  33  I  34  I  35  I  36  I  37  I  38  I  39  I  40  I  41  I  42  I  43  I  44  I  45  I  46  I  47  I  48  I  49  I  50  I  51  I  52  I  53  I  54  I  55  I  56  I  57  I  58  I  59  I  60  I  61  I  62  I  63  I  64  I  65 next→
ETIQUETAS