“As Mil e Uma Noites” de Miguel Gomes na abertura do Curtas Vila do Conde

28 Maio 2015
Share on Facebook Share on Twitter

“As Mil e Uma Noites”, de Miguel Gomes, será o filme de abertura da 23ª edição do Curtas Vila do Conde – Festival Internacional de Cinema. O filme, composto por três volumes, somou elogios na estreia mundial durante o Festival de Cannes e será apresentado em Vila do Conde em antestreia nacional.

 

O Curtas Vila do Conde – Festival Internacional de Cinema arranca a 4 de julho com o muito aguardado novo filme de Miguel Gomes, “As Mil e Uma Noites”, em antestreia nacional. O filme é um fresco sobre o Portugal contemporâneo e as contradições provocadas pela crise económica, através de uma estrutura épica que adapta a clássica história de Xerazade em três volumes independentes: “O Inquieto”, “O Desolado” e “O Encantado”, num total de seis horas de filme.

 

A primeira parte, “O Inquieto”, “dá conta das inquietantes maldições que se abatem sobre o país, em crise, habitado por ricos e pobres, poderosos e insignificantes, trabalhadores e desempregados, ladrões e homens honestos”. No segundo volume “Xerazade narra como a desolação invadiu os homens” e, na última parte, “O Encantado”, a narradora duvida que ainda consiga contar histórias que agradem ao rei”.

O elenco de “Mil e Uma Noites” conta com importantes nomes do cinema português como Crista Alfaiate, Luíza Cruz, Américo Silva, Adriano Luz, Gonçalo Waddington, Joana de Verona, Teresa Madruga, João Pedro Bénard, Carloto Cotta e Rogério Samora.

 

A obra teve estreia mundial na Quinzena dos Realizadores do Festival de Cannes onde foi recebida com grande entusiasmo pela imprensa internacional. O filme ocupou a primeira página do  jornal francês “Liberátion”, onde foi descrito como "épico”. Já o “Le Monde” considerou a longa-metragem "uma epopeia fantástica, uma canção de amor aos derrotados da História, que são os portugueses de uma Europa em crise".

 

Numa votação, que é habitualmente realizada durante o Festival de Cannes,  os críticos consideraram “As Mil e Uma Noites o quarto melhor filme exibido na edição de 2015 daquele que é o maior festival de cinema do mundo.

 

A longa-metragem, rodada em película, é uma coprodução entre Portugal, França, Alemanha e Suiça, e deverá estrear nos cinemas portugueses entre agosto e setembro. Com produção de Luís Urbano e Sandro Aguilar, através da produtora O Som e a Fúria, “As Mil e Uma Noites” é um dos projetos cinematográficos mais ambiciosos do cinema português dos últimos tempos. 

Miguel Gomes é um dos nomes centrais na história do Curtas Vila do Conde, que exibiu grande parte da filmografia do cineasta. A sua primeira curta-metragem, “Entretanto”, foi apresentada na edição de 1999 do Festival, onde foi distinguida com os Prémios de Melhor Realizador e de Melhor Fotografia. Mais tarde, em 2002, Miguel Gomes recebeu uma menção honrosa em Vila do Conde com a curta “31”, tendo vencido, em 2006, a competição nacional com “Cântico das Criaturas”.


Pelo Curtas Vila do Conde passaram ainda os filmes o “O Inventário de Natal”, “Kalkitos”(resultado de uma encomenda do Festival ao realizador), “Aquele Querido Mês de Agosto” e, em 2014, “Pre-Evolution Soccer’s One Minute Dance After a Golden Goal in The Master League”.

 

Nascido em Lisboa, em 1972, Miguel Gomes estudou Cinema e trabalhou como crítico para a imprensa portuguesa até ao ano 2000. O cineasta faz parte, juntamente com outros realizadores portugueses, da denominada “Geração Curtas”, um momento central da história do cinema português contemporâneo, na transição de século, que abriu as portas a uma nova geração de cineastas muito jovens e que são a cara do cinema português de hoje. O realizador desde cedo mostrou a sua iconoclastia, reinventando-se a si mesmo em cada filme novo e forjando um método de trabalho coletivo, atento às imprevisibilidades da rodagem. Esse método foi apurado e é uma das mais visíveis características de “As Mil e Uma Noites”.

 

O Curtas Vila do Conde tem o apoio da Câmara Municipal de Vila do Conde, do Secretário de Estado da Cultura, do Instituto do Cinema e Audiovisual, do programa MEDIA/Europa Criativa e de vários parceiros imprescindíveis à realização do Festival.

 

 

ETIQUETAS