Quentin Dupieux em retrospetiva com três filmes em estreia nacional

11 Junho 2015
Share on Facebook Share on Twitter

Para além das várias competições e de programas especiais, o Curtas Vila do Conde apresentará, à semelhança das edições anteriores, um realizador In Focus. Este ano, a retrospetiva é dedicada ao francês Quentin Dupieux, com a exibição de três filmes em estreia nacional: "Reality", "Wrong" e Wrong Cops". Nesta secção será ainda apresentado "Rubber", que estrou no Festival de Cannes em 2010.


Quentin Dupieux, também conhecido no meio musical por Mr. Oizo, é autor de uma assinalável filmografia nos últimos quinze anos, com um estilo muito particular, articulando a tradição do cinema de autor europeu com o cinema de géneros americano.

 

Recorrendo ao humor negro, Dupieux concentra-se em protagonistas inadaptados que procuram encaixar-se num mundo que não os aceita. A solidão terrível destas personagens, transforma o humor sofisticado do cineasta em tragédias absurdas.


Em “Rubber” (2010), um pneu solitário parece iniciar uma vingança contra a raça humana, deixando uma comunidade à beira de um ataque de nervos. “Wrong” (2012), apresenta Dolph Springer, homem da smalltown americana, que fica sem o seu cão através de um estranho rapto, que altera a sua vida. “Wrong Cops” (2013) retrata a história absurda do quotidiano de um grupo de policias com pouca ética. Em “Reality” (2014), seguimos um operador de câmara de televisão que quer ser cineasta, mas enreda-se numa vertigem de sonhos infindável.


O cinema de Quentin Dupieux é, assim, caracterizado por um absurdo que emerge de histórias aparentemente banais e quotidianas. O humor do cineasta, às vezes sofisticado, outras simplesmente absurdo, desenvolve uma certa iconoclastia pós-moderna, baralhando as expectativas dos espectadores. A grande virtude dos filmes de Dupieux é provocar o desespero ou o riso, mostrando como o mundo contemporâneo é, na maior parte das vezes, naturalmente incompreensível. Entrar neste labirinto narrativo é, por isso, um passo ousado, mas plenamente encantador como experiência de cinema.

ETIQUETAS