Filmes-concerto do Curtas Vila do Conde arrancam hoje com Tindersticks

13 Julho 2016
Share on Facebook Share on Twitter

Os filmes-concerto do Curtas Vila do Conde arrancam esta quarta-feira com dose dupla de Tindersticks. Até domingo, passam também pelo festival Jay-Jay Johanson, The Legendary Tigerman e The Greg Foat Group. Para os mais cinéfilos, destaque para as três sessões dedicadas ao fenómeno do Ensaio Audiovisual e a carta branca que a dupla João Pedro Rodrigues e João Rui Guerra da Mata apresenta no festival.

O Curtas Vila do Conde – Festival Internacional de Cinema recebe, esta quarta-feira, 13 de julho, os ingleses Tindersticks que vão apresentar, em estreia em Portugal, o espetáculo audiovisual “The Waiting Room”. Neste filme-concerto, a banda vai interpretar os temas do último álbum, ilustrados em simultâneo pelas curtas-metragens realizadas por cineastas como Christoph Girardet – presente no festival – Joe King, Rosie Pedlow, Pierre Vinour, Claire Denis, Gregorio Graziosi, Richard Dumas, Gabriel Sanna, entre outros. Alguns dos vídeos são assinados pelo próprio Stuart A. Staples, o vocalista. No final do filme-concerto, os Tindersticks vão relembrar alguns dos temas que marcaram os 25 anos da banda. Os dois espetáculos – para além do concerto das 22:30, foi marcado um extra às 20:00 – são dos momentos mais aguardados desta edição do festival.


Até sábado, a secção Stereo do Curtas Vila do Conde, onde a música e o cinema se encontram de forma criativa, apresenta também, com o apoio da Fnac, espetáculos de Jay-Jay Johanson, The Legendary Tigerman e The Greg Foat Group, todos à 00:00 a encerrar a programação diária do festival. Os bilhetes estão à venda na Bilheteira Online e no Teatro Municipal de Vila do Conde.


Pela primeira vez em Portugal, The Greg Foat Group trazem a Vila do Conde, na quinta-feira, 14 de julho, “Visual Music”, uma banda sonora original que o festival propôs a Greg Foat para clássicos do cinema experimental dos anos 20 realizados por Hans Richter, Marcel Duchamp, Ralph Steiner e Walter Ruttmann. Com vários trabalhos editados pela Jazzman Records, a sonoridade incomparável do grupo caracteriza-se pela atmosfera de experimentação, recorrendo a instrumentos como o cravo, o sintetizador, sinos tubulares e um coro que acompanha os registos, numa mistura de estilos e correntes musicais que primam pelo ambiente cinematográfico e psicadélico. O resultado tanto pode agradar a fãs de Pink Floyd como a colecionadores da mais obscura “library music” dos anos 1970.


Com estreia absoluta no festival, na sexta-feira, 15 de julho, “How To Become Nothing” junta o músico The Legendary Tigerman, a fotógrafa Rita Lino e o realizador Pedro Maia numa ‘road trip’ pelo deserto da Califórnia. O resultado apresentado no Curtas de 2016 é um ‘road-movie’ em formato filme-concerto, com banda sonora ao vivo de The Legendary Tigerman e manipulação de imagens em tempo real de Pedro Maia. Um falso diário em super8 e fotografia, com textos de Paulo Furtado, fruto de três visões sobre a viagem de um homem que, mais do que desaparecer, procura chegar a nada, procura ser nada.


A encerrar os filmes-concerto do Curtas Vila do Conde, no sábado, 16 de julho, Jay-Jay Johanson traz no repertório os temas do seu mais recente album “Opium” interpretados, ao vivo, num espetáculo audiovisual surpreendente. Assumidamente mais pop e rock, o 10º álbum de originais de Jay-Jay Johanson mantém toda a essência da sua música: uma facilidade inata para as melodias e uma voz e ritmos que elevam as suas canções do subtil ao sublime.

 

Até domingo, último dia do Curtas, destaque para a carta branca que João Pedro Rodrigues e João Rui Guerra da Mata apresentam no festival. De Keaton a Beckett, passando por Warhol, Tati ou Kenneth Anger, estas sessões são uma lição de um cinema subversivo. O festival dedica ainda três sessões aos Ensaios Audiovisuais. Formato popularizado pelas novas ferramentas digitais, o ensaio audiovisual olha de novo para os filmes, analisando as suas estruturas e as suas semelhanças. É uma forma nova de cinefilia, por vezes mais livre, outras vezes mais analítica e académica. No Curtas Vila do Conde, estas sessões mostram a arqueologia do género, com filmes históricos de Bruce Conner, Dara Birnbaum ou Jean-Luc Godard, entre outros. Por outro lado, serão também exibidos filmes contemporâneos de alguns dos melhores ensaístas, como Mark Rappaport (com uma sessão dedicada à sua obra), ::kogonada, Kevin B. Lee, Tony Zhou, Thomas Elsaesser ou Adrian Martin.

ETIQUETAS