25º Curtas Vila do Conde: Programa Completo

22 Junho 2017
Share on Facebook Share on Twitter

O Curtas Vila do Conde – Festival Internacional de Cinema, que decorre entre 8 e 16 de julho, anunciou esta manhã, em conferência de imprensa, o programa completo da 25ª edição, incluindo a aguardada Competição Nacional que vai apresentar, no festival, os últimos trabalhos de cineastas como João Salaviza, Gabriel Abrantes, Salomé Lamas, Carlos Conceição e João Pedro Rodrigues. 

Em 2017, a Competição Nacional do Curtas Vila do Conde volta a ser o barómetro da produção portuguesa, destacando a singularidade e a diversidade do cinema que se faz em Portugal com a estreia nacional dos últimos trabalhos de cineastas já habituais no festival, e de autores internacionalmente premiados, mas também de um conjunto de nomes promissores que se vão afirmando no campo da curta-metragem. Esta seleção inclui 16 filmes: Água Mole, de Laura Gonçalves e Xá; Altas Cidades de Ossadas, de João Salaviza; Cedrim, de Diogo Vale; Coelho Mau, de Carlos Conceição; Coup de Grâce, de Salomé Lamas; Das Gavetas Nascem Sons, de Vítor Hugo; Farpões Baldios, de Marta Mateus; Longe da Amazónia, de Francisco Carvalho; O Homem Eterno, de Luís Costa; Os Humores Artificiais, de Gabriel Abrantes; Où En Êtes-Vous João Pedro Rodrigues?, de João Pedro Rodrigues; Soltar de Jenna Hasse; A Sonolenta, de Marta Monteiro; Surpresa, de Paulo Patrício; Thursday Night de Gonçalo Almeida; e Verão Saturno de Mónica Lima.

 

Por sua vez, a Competição Internacional procura dar a conhecer o que de mais importante e cativante tem surgido no cinema contemporâneo, permitindo acompanhar as mais recentes obras de realizadores já consagrados, como Jia Zhangke, Ben Rivers, Yann Gonzalez, Hu Wei, Laura Poitras ou a dupla Caroline Poggi e Jonathan Vinel, e também descobrir novos talentos emergentes como Laura Ferrés, Jonathas de Andrade ou Toru Takano. Dedicada a desafiar as convenções cinematográficas, a Competição Experimental apresenta uma seleção de 24 curtas-metragens, em que se destacam autores como Lois Patiño, Rosa Barba (vencedora da última edição desta competição), Ken Jacobs, Christoph Girardet, Siegfried A. Fruhauf, Bill Morrison, Vivian Ostrovsky ou Jay Rosenblatt. Assinala-se também a presença dos portugueses Tânia Dinis e Miguel Ildefonso. A Competição de Vídeos Musicais continua a celebrar o formato, numa sessão com trabalhos surpreendentes de artistas e bandas portuguesas. Já a competição Take One!, voltará a dar a conhecer os talentos saídos das escolas de cinema. Esta competição premiou, em anos anteriores, os primeiros trabalhos de cineastas como João Salaviza e Leonor Teles.

 

Por último, a Competição Curtinhas prova que o cinema para crianças pode ter um modelo diferente e surpreendente. O festival dedica, inclusive, toda uma secção ao público mais jovem. Além da competição, onde o júri é composto por crianças, o Curtinhas oferece um Espaço Infantil (onde os pais podem deixar os filhos enquanto assistem às sessões de cinema) e oficinas práticas. O Curtinhas arranca no primeiro dia do festival, a 8 de julho, com a exibição de Gru - O Mal Disposto 3, um divertido regresso ao universo dos Minions


A 25ª edição do Curtas Vila do Conde abre com a antestreia nacional da mais recente obra do finlandês Aki Kaurismäki, O Outro Lado da Esperança. Estreado no último Festival de Berlim, o filme acompanha as desventuras de um jogador de póquer finlandês com um refugiado. Esta exibição está integrada na secção Da Curta À Longa, que acompanha o percurso de cineastas que passaram pelo festival, e que apresentará mais três aguardados filmes: Certain Women, o mais recente filme de Kelly Reichardt - autora In Focus em 2014 – protagonizado por Michelle Williams e Kristen Stewart; o regresso à longa-metragem de Sandro Aguilar, com Mariphasa, em estreia mundial no Curtas Vila do Conde; e um filme póstumo de Abbas Kiarostami, 24 Frames, uma coleção de 24 pequenos filmes inspirados em imagens estáticas, em antestreia nacional.


Como não podia deixar de ser, esta edição celebra o 25º aniversário e a história do festival a partir de múltiplos olhares, com uma carta branca e um livro partilhados por vinte e cinco individualidades que atuam em diversas áreas artísticas e culturais (serão nove sessões com filmes “clássicos” do festival). O Curtas regressa também ao Auditório Municipal de Vila do Conde, a casa do festival entre 1993 e 2008, com concertos, sessões de cinema abertas ao público e uma exposição fotográfica retrospetiva de realizadores portugueses: A Glória de Fazer Cinema em Portugal. Para assinalar esta data especial, o Curtas Vila do Conde promove, na noite de 13 de julho, uma festa de aniversário no Forte Sº João com um concerto dos Sensible Soccers seguido de um Dj set do coletivo Os 7 Magníficos.


A secção Stereo, onde a música se funde com o cinema, recebe espetáculos de Mão Morta, Capitão Fausto, Pega Monstro, Evols, Chassol e Atlantic Coast Orchestra.


Para celebrar o cinema e o seu futuro, o Curtas Vila do Conde apresenta também uma retrospetiva integral do realizador francês F.J. Ossang. Músico, escritor, editor e poeta, o cineasta é um radical livre, praticando, com o seu cinema, um estilo particular, partindo do mundo pós-apocalíptico de ficção científica para se aproximar do punk e do film noir. É o regresso de Ossang a Vila do Conde, por onde já passaram várias das suas curtas e onde foi premiado com Vladivostok, em 2009. O realizador estará presente no festival para apresentar a sua filmografia completa juntamente com Elvire, atriz de muitas das suas obras.


Paralelamente ao festival, a Solar - Galeria de Arte Cinemática inaugura, a 8 de julho, uma exposição que representa uma nova geração de artistas que procuram estabelecer, a partir de diversas perspetivas, uma reflexão sobre a Terra, em seis instalações site-specific. Estarão representados nesta exposição Gabriel Abrantes e Ben Rivers, Priscila Fernandes, Pedro Neves Marques, Joana Pimenta, Lúcia Prancha, Mariana Caló e Francisco Queimadela.


O Curtas Vila do Conde continuará também a promover encontros e debates com realizadores, workshops e até “ciné-conversas” - uma ideia de cinema expandido, que vai para além da sala e se mistura com o conceito de conferência -, mostrando que é possível pensar e refletir sobre o cinema.


O 25º Curtas Vila do Conde tem o apoio da Câmara Municipal de Vila do Conde, do Ministério da Cultura, do Instituto do Cinema e Audiovisual, do programa MEDIA/Europa Criativa e de vários parceiros imprescindíveis à realização do festival.


Jornal do Festival:


http://www.curtas.pt/25CVC/jornal_2017.pdf

ETIQUETAS