Ver Filmes Online

De Godard a Beauvais, as entrelinhas das histórias do cinema voltam a ser revisitadas em Vila do Conde

8 Setembro 2020
Share on Facebook Share on Twitter

Secção inaugurada na edição 2019 do Curtas, o Cinema Revisitado volta a trazer ao festival um conjunto de programas especiais compostos por raridades e cópias digitalizadas de obras que marcam os acervos históricos do cinema. Para esta 28 edição alinham-se novos olhares sobre a produção de Jean-Luc Godard, a celebração dos cem anos de “One Week”, obra maior de Buster Keaton, uma carta branca ao cineasta Frank Beauvais e a estreia da cópia restaurada de “O Recado”, primeira longa metragem de José Fonseca e Costa. Palavra especial e de proximidade para o programa de homenagem a Vicente Pinto Abreu, colaborador de longa data do Curtas Vila do Conde falecido no início deste ano.

Não raras vezes as estórias e percursos de artistas intemporais fazem-se também na incursão por aquilo a que chamamos disciplinas menores. Obras encomendadas ou projectos de início de carreira podem e devem ser vistas como uma parte integrante de um trabalho que se desenvolve numa constante dialéctica da vida com a arte. Lembremos a este propósito que uma das primeiras tarefas profissionais do jovem Jean-Luc Godard, de 1956 a 1958, foi a de secretário de imprensa da Fox, insígnia para a qual criou um precioso conjunto de materiais promocionais, kits de imprensa e vídeos que são, hoje, obras em si mesmas. Mencione-se, a título de exemplo, o espumante número especial do jornal Figaro-Pravda publicado para o lançamento de “Alphaville” (1965) ou o lendário “Livret des Sous-titres” distribuído em Cannes durante a primeira exibição de “Le Livre d´Image” (2018). Da mesma forma, os trailers, que vivem autónomos e se tornam peças de uma história de criação: o de “A Woman is a Woman” (1961), o de Duas ou três coisas que eu sei sobre ela (1967) ou o de “Mouchette” (1967). Jean-Luc Godard: Pro-Motion – bandes- annonces – publicites – clip – filmes d'entreprise é o nome do programa especial que o Curtas Vila do Conde apresenta em outubro, que contou com a curadoria de Nicole Brenez, em colaboração com a Cinemateca Francesa, e onde se integrarão curtas-metragens, trailers, vídeos, videoclipes e outras publicidades criadas e dirigidas pelo cineasta franco-suíço.


Frank Beauvais é um dos nomes que marca as quase três décadas do Curtas, onde apresentou, por diversas vezes, obras suas. Em 2020, o festival vilacondense convida-o para uma Carta Branca que propõe um diálogo com os tempos de excepção que vivemos. O programa parte da reposição da sua última obra, estreada em Berlim, “Ne croyez surtout pas que je hurles”, um filme realizado em contexto de isolamento e que relaciona a sua história pessoal com a história do cinema.

Falar-se da história do cinema é falar não só dos seus filmes, dos génios que a desenham ou dos protagonistas que lhe eternizam a cara, é falar também das suas pessoas de dia-a-dia. Pessoas cujo trabalho, dedicação e amor à sétima arte permitem que ela se replique, que se espalhe como novidade e se questione como desafio. Vicente Pinto Abreu era uma dessas pessoas, programador de longa data do festival e coordenador da equipa de júris, pertence-lhe parte do que é hoje a identidade do Curtas, tanto no contributo sempre atento e assertivo para a selecção de filmes, como na generosidade com que nos obrigou tantas vezes a dar o corpo à dança nas festas do festival. No ano em que o festival perdeu um amigo, não havia outra forma de o homenagear senão com um convite de ida à sala. A selecção do programa de homenagem ao Vicente foi feita por Daniel Ribas, Rita Barbosa e Miguel Dias e compilará filmes de diferentes épocas do cinema.

A completar a programação do Cinema Revisitado, a sessão especial em torno dos cem anos de “One Week”, o primeiro filme realizado por Buster Keaton, que será acompanhada por uma conversa-palestra do crítico de cinema João Lopes sobre a forma como o filme se relaciona com vários momentos da história do Século XX, e a estreia da cópia restaurada de “O Recado”, de José Fonseca e Costa, numa parceria com a Cinemateca Portuguesa.

ETIQUETAS