Panorama Nacional: Valter Hugo Mãe no Curtas

5 Julho 2014
Share on Facebook Share on Twitter

Para além da competição nacional, que todos os anos constitui o prato forte do Curtas Vila do Conde, o festival inclui na sua programação o Panorama Nacional: uma seleção de curtas-metragens portuguesas que já passaram por outros festivais nacionais. É uma oportunidade para ver alguns filmes singulares que complementam a competição, mostrando o melhor que se produziu no último ano. 

Neste ano, serão exibidos filmes de Carlos Conceição e Margarida Rego (ambos estreados no Festival de Cannes), Diogo Costa Amarante (filme em competição no Festival de Berlim), Tiago Guedes, Francisco Ferreira, Laura Gonçalves e Luís Vieira Campos. Este último é o realizador do filme «Bicicleta», com argumento original de Valter Hugo Mãe. O escritor, natural de Angola mas radicado em Vila do Conde há vários anos, estará presente no festival para assistir à apresentação do filme, marcado para amanhã, domingo, pelas 23 horas.

Kelly Reichardt: um cinema minimalista

5 Julho 2014
Share on Facebook Share on Twitter

A realizadora Kelly Reichardt é um dos novíssimos nomes do cinema americano independente. Vinda da tradição de rebeldia e de produção de baixo-custo, Reichardt entronca numa linhagem que parte da Nova Hollywood dos anos 70 e que tem os seus ícones máximos, no cinema contemporâneo, em Gus Van Sant e Todd Haynes. Com uma curta mas já relevante carreira, a cineasta perscruta as histórias dos marginalizados e esquecidos pelo sistema, sobretudo na geografia simbólica do estado do Oregon, um dos estados mais a oeste da América e também um dos menos conhecidos. Essa América profunda é uma zona de cidades pequenas, de economia frágil e onde melhor se encontra a ideologia liberal do capitalismo.

Excerto da entrevista a Kelly Reichardt, realizada a propósito desta retrospetiva.

Gosto do processo de filmar, tentar perceber o que se vai passar: mudar um pneu, cozer pão ou construir uma bomba (como em “Night Moves”). Na minha opinião, um momento ideal de cinema é como uma cena de “Fugiu Um Condenado à Morte” (1956, Robert Bresson) – sabemos, por causa do título, o que se vai passar e depois vemos alguém a retirar as molas do colchão e a uni-las para fazer uma corda. Gosto disso. Interessam-me os gestos minimalistas e como podem ser, de certa forma, o símbolo de algo muito maior. Conhece o realizador chinês Jia Zhangke? Lembro-me de um documentário que ele fez sobre a China industrializada. Há uma cena que dura imenso tempo. É a de um homem que está a apanhar o autocarro. Faz frio lá fora e ele veste apenas um casaco leve, e durante vinte minutos estamos apenas a ver este fulano a tentar puxar o fecho de correr. E o fecho está avariado. É um plano apenas: uma paragem de autocarro e um homem, ao frio, a tentar consertar o fecho. Ficamos na companhia deste homem tanto tempo que temos a sensação de que o mundo todo nos está a ser entregue. É muito para além daquele homem, é acerca da luta de todos, mas só lá está este fulano e um fecho de correr. Vi o filme há muitos anos, mas estou sempre a pensar naquele fulano e no fecho de correr.

(Pode ler um excerto desta entrevista no Jornal do Curtas e a sua totalidade no Catálogo de 2014). 

«Deserto Vermelho» de Antonioni

4 Julho 2014
Share on Facebook Share on Twitter

Com uma exposição que lhe é dedicada patente ao público na Galeria Solar, Michelangelo Antonioni, cineasta italiano, e um dos fundadores do cinema moderno, está também em destaque no Curtas Vila do Conde.

No domingo, pelas 21 horas, será exibido aquele que foi o primeiro filme a cores realizado por Antonioni. Obra-prima da maturidade do cineasta italiano, “Deserto Vermelho” conta a história de Giuliana (Monica Vitti), uma jovem mulher que sofre uma crise mental e emocional, embarcando num caso amoroso. Vitti – amante e musa de Antonioni e a estrela dos seus filmes anteriores “L'avventura”, “L'eclisse” e “La notte” – tem uma performance deslumbrante. Um filme que também é um clássico do cinema.

Sessão Especial: Documentário sobre Ruy Belo

4 Julho 2014
Share on Facebook Share on Twitter

O 22º Curtas Vila do Conde reservou para o próximo domingo, a exibição de um documentário dedicado ao poeta Ruy Belo, cuja ligação a Vila do Conde acontece ainda em Lisboa, quando frequenta a Faculdade de Letras e aí conhece Maria Teresa, uma vilacondense com quem viria a casar na Igreja de Santa Clara de Vila do Conde, em 1966.

«Ruy Belo, Era uma Vez», documentário de Fernando Centeio e Nuno Costa Santos, será exibido no domingo, pelas 17 horas. O filme conta com depoimentos, conversas, leituras e locais, que muito contribuíram e inspiraram a vasta obra de Ruy Belo. De S. João da Ribeira, onde nasceu, até Paris para ouvir Chico Buarque de Hollanda ler dois poemas seus, passando por Madrid onde foi leitor de português, o filme retrata a sua obra e vida, através das pessoas que com ele conviveram e viveram amizades, sonhos e ilusões. Também quem o lê, interpreta e estuda, nos ajuda a compreender e a ir ao encontro de um dos maiores poetas da segunda metade do século XX.

Peixe:Avião abrem secção Stereo

4 Julho 2014
Share on Facebook Share on Twitter

O filme-concerto da banda peixe:avião é o primeiro de uma série de concertos da secção Stereo.

Nascidos no verão de 2007, os peixe : avião rapidamente conquistaram a atenção da imprensa nacional e a sua carreira tem sido pautada por um crescimento constante. Cabe à banda de Braga musicar um clássico do período do cinema mudo: o filme “Ménilmontant”.

22º Curtas: O cinema e o futebol

3 Julho 2014
Share on Facebook Share on Twitter

O 22º Curtas Vila do Conde – Festival Internacional de Cinema dedica, este ano, particular atenção à relação entre o cinema e o futebol, pelo que, para a cerimónia de abertura está também reservada a exibição de um documentário sobre o milésimo golo de Pelé, marcado a 19 de novembro 1969, no estádio do Maracanã.

Associando-se à comemoração do 75º aniversário do Rio Ave Futebol Clube, o Curtas Vila do Conde convidou o artista austríaco Josef Dabernig, que estará em Vila do Conde para fotografar o Estádio do Rio Ave e o incluir na sua exposição «SPORTS GROUNDS AND STADIUMS». No âmbito do programa "Fora de Jogo!", Josef Dabernig apresenta em exposição fotográfica a sua visão sobre o tema, onde inclui fotografias de estádios de futebol, que coleciona pelo mundo fora há quase uma década. A exposição estará em Portugal pela primeira vez, estando a abertura agendada para sábado, dia 5 às 15h00, no Teatro Municipal.

←prev 1  I  2  I  3  I  4  I  5  I  6  I  7  I  8  I  9  I  10  I  11  I  12  I  13  I  14  I  15  I  16  I  17  I  18  I  19  I  20  I  21  I  22  I  23  I  24  I  25  I  26  I  27  I  28  I  29  I  30  I  31  I  32  I  33  I  34  I  35  I  36  I  37  I  38  I  39  I  40  I  41  I  42  I  43  I  44  I  45  I  46  I  47  I  48  I  49  I  50  I  51  I  52  I  53  I  54  I  55  I  56  I  57  I  58  I  59  I  60  I  61  I  62 next→
ETIQUETAS