Filme-concerto de You Can't Win, Charlie Brown em Braga

16 Setembro 2015
Share on Facebook Share on Twitter

Depois de terem aceite o desafio do Curtas Vila do Conde para trabalharem sobre “Maudite Soit la Guerre”, o filme realizado por Alfred Machin para a Pathé nas vésperas do início da II Guerra Mundial, que conta a história de dois amigos em lados opostos do conflito, os You Can't Win Charlie Brown apresentam o mesmo espetáculo a 14 de novembro, no GNRation, em Braga, às 22:30.

Os bilhetes, à venda na bilheteira online, custam 7 euros.

Em 1914, sob a direção de Alfred Machin, foi produzido o filme Maudite Soit la Guerre, uma criação belga que refletia sobre os horrores da guerra, projetando no futuro muitas das tragédias que a história viria depois a confirmar. Para lá da mensagem distintiva do filme, existe o próprio objeto artístico, ambicioso para a época: filme colorido à mão e por isso com uma dimensão plástica invulgar que lhe confere uma estranha beleza pictórica. É esse o filme que os portugueses You Can’t Win, Charlie Brown irão “ilustrar” musicalmente num filme concerto de recorte muito especial.

A relação entre o som e as imagens é antiga e no caso do cinema poderá dizer-se mesmo primordial. Antes das palavras – das falas e dos diálogos -, já a música servia o propósito de sublinhar as histórias que se soltavam do grande ecrã. A música para cinema tornou-se entretanto uma entidade própria, gerando escolas e uma linguagem muito particular que muito tem influenciado as esferas mais aventureiras da pop. E os autores de Chromatic (2011) ou Diffraction / Refraction (2014) não são imunes a esse longo diálogo. Aliás, ambos os títulos das suas coleções de canções remetem para uma óbvia dimensão visual, pelo que este projeto de traduzir musicalmente um filme clássico como Maudite Soit la Guerre é absolutamente justificado.

Os You Can’t Win, Charlie Brown nasceram em Lisboa em 2009 e contam no seu seio com seis músicos: Luís Costa, Salvador Menezes, Afonso Cabral, David Santos, Tomás Sousa e João Gil. Pela sua música cruzam-se ecos de folk, estratégias da eletrónica, inspirações kraut e outras derivas que ao longo das décadas foram informando os rumos mais interessantes da pop. São um grupo inteligente, que conquista espaço não apenas em listas de Melhores do Ano, mas nas memórias de quem valoriza a música e se sente por ela desafiado. São o casting certo para este filme e prometem uma viagem que embrulhará sentidos e imaginação num novelo de novas e fortes emoções. Sem pipocas.
por Rui Miguel Abreu (Blitz, Antena 3, Rimas&Batidas) 

Informações:
http://www.gnration.pt/

Candidaturas Euro Connection

14 Setembro 2015
Share on Facebook Share on Twitter

Todos os anos, o Festival de Cinema de Clermont Ferrand (França) - que acolhe um dos maiores mercados cinematográficos da Europa - torna-se no anfitrião do Euro Connection, um fórum de co-produção de curtas metragens que culmina no pitching dos projectos seleccionados. Uma excelente oportunidade para produtores/realizadores que planeiam rodar uma curta metragem, que acontecerá em Fevereiro do próximo ano.

Fica o convite a todos os que queiram concorrer e que cumpram os seguintes requisitos: o filme terá uma duração menor que 40 minutos, o produtor terá já assegurado um apoio ou parceria (embora não haja montante mínimo, quer em serviços ou monetário), a produção/rodagem terá de começar depois de Maio de 2016 e o produtor/realizador terá de querer estabelecer uma co-produção com um parceiro europeu.

 

Os produtores devem candidatar os seus projectos de curtas metragens até ao dia 23 de Outubro, junto dos representantes do país a que pertencem. Em Portugal, os festivais associados ao Euro Connection são o Curtas Vila do Conde e o IndieLisboa.

 

A plataforma Euro Connection pretende encontrar parcerias entre produtores europeus, investidores, patrocinadores e televisões. A organização conta com a associação do MEDIA Desk France e do CNC (Centre National de la Cinématographie), recebe o apoio do programa MEDIA e do PROCIREP. Cada projecto seleccionado deverá ser apresentado pelo seu produtor/realizador, que terá 10 minutos para fazer uma apresentação concisa, em inglês ou francês, numa das sessões de pitching que terão lugar nos dias 9 e 10 de Fevereiro de 2016. Cada produtor poderá apresentar apenas um projecto. Encontros individuais entre produtores e profissionais participantes no Fórum terão lugar no dia 10 de Fevereiro.

 

Em anos anteriores foi apresentado um projecto por país (no caso de Portugal, alguns dos exemplos são Rafa, de João Salaviza - que depois veio a estrear no Festival de Berlim -, Abismo, de Leonor Noivo, projecto que se irá agora transformar numa longa metragem, ou Papel de Natal, de José Miguel Ribeiro), contudo, face ao sucesso desta iniciativa e ao elevado número de candidaturas, o Euro Connection decidiu submeter os projectos seleccionados nacionalmente a um júri internacional final que irá escolher os 15 participantes do fórum de co-produção. Desta forma, a candidatura não garante que o projecto seleccionado em Portugal participe no pitching mas dará a possibilidade de participação no Fórum.

 

Apenas podem concorrer projectos de países associados ao Euro Connection: Alemanha, Áustria, Bélgica, Bulgária, Croácia, Dinamarca, Eslovénia, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Hungria, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Polónia, Portugal, Reino Unido, República Checa, Roménia e Suécia.

 

Calendário

até 15 de Outubro: entrega de candidaturas

3 de Novembro: serão nomeados os finalistas

9 de Novembro: finalistas deverão enviar candidatura em inglês (incluindo guião)

24 a 26 de Novembro: reunião de júris e selecção dos 15 projectos para o pitching forum

27 de Novembro: informação dos resultados

Janeiro: publicação do Livro de Projectos e Produtores 2015

9 e 10 de Fevereiro de 2016: pitching forum

 

Regulamento completo aqui.

 

Deverá submeter a sua candidatura através do email nuno@curtas.pt ou mafalda@indielisboa.com

Plaza em concerto na Solar

24 Agosto 2015
Share on Facebook Share on Twitter

O ciclo de concertos do 10º aniversário da Solar - Galeria de Arte Cinemática, em Vila do Conde, recebe a 19 de setembro, sábado, às 18:30, os Plaza. Os bilhetes, à venda na Loja das Curtas, situada na galeria, têm o custo de 3 euros. A entrada é gratuita a menores de 14 anos

Os PLAZA surgiram em 2004 e reúnem as forças criativas dos irmãos Simão e Paulo Praça (com carreira feita nos Turbojunkie, Grace e Amália Hoje, The Gift e Pedro Abrunhosa), com a genial energia científica das electrónicas e artes finais de Quico Serrano (com percurso assinado em diversos projectos nacionais, entre eles, Três Tristes Tigres, Pedro Abrunhosa, Slimmy e As 3 Marias).

Lançaram o disco "Meeting Point" em 2004. No mesmo ano foram nomeados para um Globo de Ouro na categoria de melhor banda naconal. Também colaboraram num disco de tributo a Scott Walker editado pela Transformadores. Em 2014, editaram o seu segundo albúm de originais, "All Together", produzido pela própria banda numa co-produção com Rick Webster (dos britânicos Unkle Bob). O albúm conta com as participações especiais das Anarchicks e Patrícias SA no tema "Give peace a dance".

Nas palavras de Valter Hugo Mãe, "O pop português nunca esteve tão deliciado, nunca foi tão enamorado, não podia ser melhor indicado para ouvintes cuja preocupação maior seja o prazer, sim, em seus absolutos sentidos."

Este é mais um espetáculo integrado no ciclo de concertos dos 10 anos da Solar - Galeria de Arte Cinemática, apoiado pela Fnac, por onde já passaram também The Legendary Tigerman, Benjamim, Manuela Azevedo e Hélder Gonçalves (Clã), entre outros.

"Noite Sem Distância" em Toronto e Nova Iorque

18 Agosto 2015
Share on Facebook Share on Twitter

A curta-metragem “Noite Sem Distância”, de Lois Patiño, filmada em Portugal e produzida pelo Curtas Vila do Conde, será apresentada em estreia norte-americana no 40º Festival Internacional de Cinema de Toronto seguindo, depois, para o Festival de Cinema de Nova Iorque. 

Depois da estreia no Curtas Vila do Conde e da passagem pelo prestigiado Festival de Cinema de Locarno, “Noite Sem Distância”, do realizador galego Lois Patiño”, será apresentada, em estreia norte-americana, no Festival Internacional de Cinema de Toronto, que decorre entre 10 e 20 de setembro. A curta-metragem integra a secção “Wavelengths”, uma mostra de filmes “avant-garde”, que apresentará também os três volumes de “As Mil e Uma Noites”, de Miguel Gomes.

O filme seguirá, depois, para o Festival de Cinema de Nova Iorque, que acontece entre 25 de setembro e 11 de outubro.  


Filmada na fronteira entre Portugal e Galiza, “Noite Sem Distância”, aborda as histórias daquela região, entre elas, o papel que o contrabando teve no desenvolvimento dos dois países. O filme, em negativo, conta com a participação de alguns habitantes da região que foram, inclusivamente, contrabandistas na juventude.


“Noite Sem Distância” é um dos filmes produzidos pela Curtas Metragens CRL, entidade responsável pelo Curtas Vila do Conde – Festival Internacional de Cinema, integrando, na equipa técnica, estudantes de cinema de audiovisual da região norte.

Balanço 23º Curtas Vila do Conde

5 Agosto 2015
Share on Facebook Share on Twitter


No domingo, 12 de julho, terminou mais uma edição do Curtas Vila do Conde. Foi uma edição como todas as outras: um ambiente festivo, acolhedor, que juntou uma comunidade cinéfila, com uma audiência interessada e diversos profissionais do cinema, entre eles, realizadores, atores, produtores, imprensa e programadores. Mas foi também uma edição muito diferente: a avassaladora presença de cinco extraordinários filmes-concerto e um fim-de-semana dedicado àquele que será, muito provavelmente, um dos grandes cineastas da história do cinema português: Miguel Gomes.

Os nove dias da 23º edição mostraram, assim, porque o Curtas Vila do Conde é especial entre todos os outros festivais de cinema portugueses, incluindo várias salas esgotadas e, sobretudo, uma programação eclética e de excelência. Foram mais de vinte mil espectadores, que assistiram a 84 sessões, 5 concertos, 3 debates e 8 encontros com realizadores. Durante os nove dias do festival foram projetados 222 filmes, entre curtas e longas-metragens.

 

O primeiro fim-de-semana do festival mostrou o novo filme de Miguel Gomes, “As Mil e Uma Noites”, divido nos seus três volumes. Gomes é um dos autores mais queridos do Curtas Vila do Conde, onde mostrou quase todas as suas curtas-metragens e onde foi várias vezes premiado. As três sessões esgotaram e na sua apresentação estiveram presentes, para além do realizador e do produtor Luís Urbano, diversos atores e técnicos do filme. Foi uma verdadeira festa em família e o Teatro Municipal está ávido por ver aquele que era considerado um dos filmes do ano. Estes primeiros dias foram também palco para dois filmes-concerto: um de Frankie Chavez e outro de Garcia da Selva com Norberto Lobo. Por outro lado, a Ovelha Choné voltou a Vila do Conde e também encheu uma sala cheia de miúdos e graúdos.

 

A semana decorreu centrada nas suas diferentes competições: internacional, nacional, experimental e Take One!. Tanto nesta competição de escolas como na principal competição portuguesa, as sessões foram sempre apresentadas pelos autores dos filmes. Para além disso, todos os dias, depois da exibição da sessão no dia anterior, os realizadores portugueses debateram com o público do festival, no Lounge Curtas no Teatro Municipal. Aliás, este ano também se organizaram debates com autores da competição internacional e experimental, possibilitando uma discussão alargada com os convidados internacionais do festival.

 

Entretanto, na Solar – Galeria de Arte Cinemática e no Teatro, decorreu também uma retrospetiva da dupla Ben Rivers e Ben Russell. Na Solar, os dois artistas montaram uma exposição que combinava obras individuais e coletivas, explorando as potencialidades de espaço da galeria. No Teatro, conversaram com o público e mostraram alguns dos seus trabalhos mais significativos. Outra retrospetiva foi dedicada ao cineasta francês Quentin Dupieux, mostrando a sua principal filmografia de longa-metragem, incluindo o seu mais recente filme, “Réalité”. No festival, esteve o produtor de Dupieux, Grégory Bernard, e também foi avistado Robert, o pneu protagonista de “Rubber”, um dos filmes mais icónicos do realizador.


O final da semana e do festival trouxe, de novo, os filmes-concerto. Primeiro com duas bandas portuguesas: Bruno Pernadas Quinteto e You Can’t Win, Charlie Brown, com dois filmes-concerto de excelência. Mas, sobretudo, com a atuação dos Lambchop que, para além de um concerto tradicional, tocaram ao vivo para um filme de Bill Morrison, produzido pela Curtas e com excertos de filmes colecionados na Cinemateca Portuguesa. No último dia, também se conheceram os premiados. Pela terceira vez na história do festival, o Grande Prémio foi atribuído a um filme português: “Mined Soil”, de Filipa César.

 

O Curtas Vila do Conde é talvez o melhor festival de verão: tem cinema e música; tem praia; tem um excelente ambiente cultural e cinéfilo; e é, sobretudo, um ponto de encontro para todos aqueles que acreditam, ainda, que participar num festival como este é abrir-se ao novo, ao diferente, e ao futuro do cinema.

Benjamim: Digressão "A Volta a Portugal em Auto Rádio" passa pela Solar a 4 de Agosto

30 Julho 2015
Share on Facebook Share on Twitter

Depois de The Legendary Tigerman, Manuela Azevedo e Hélder Gonçalves (Clã), o ciclo de concertos do 10º aniversário da Solar – Galeria de Arte Cinemática, em Vila do Conde, continua com Benjamim na próxima terça-feira, 4 de agosto, às 19:00. O espetáculo está inserido na tour “A Volta a Portugal em Auto Rádio” que vai percorrer 33 cidades para 33 concertos, passando também pelo Festival Bons Sons.

Benjamim – ex-Walter Benjamim – é o novo projeto de Luís Nunes. Depois de quatro anos a viver em Londres, o músico voltou a Portugal para compor temas em português e reinventar-se. Instalou-se na vila de Alvito, no coração do Alentejo, construiu um estúdio e começou a dar vida ao seu novo e primeiro disco: “Auto Rádio” que chega às lojas a 18 de setembro.

 Influenciado pelas sonoridades de artistas como Lena d'Água, Chico Buarque, Zeca Afonso, Bob Dylan, Beatles e Beach Boys, “Auto Rádio” é o regresso do músico às raízes mas também uma viagem às suas memórias: os filmes em Super 8mm que o pai trouxe de Angola no pós 74, as longas conversas à mesa, o Porto da mãe, os aceleras na marginal... Os singles "Os Teus Passos" e "Tarrafal" já podem ser ouvidos nas rádios nacionais. 

Este espetáculo está incluído no ciclo de concertos do 10º aniversário da Solar – Galeria de Arte Cinemática apoiado pela FNAC. Os bilhetes custam 2 euros e podem ser adquiridos na Loja das Curtas (situada na Solar). 

A Galeria, cuja curadoria está a cargo da equipa do Curtas Vila do Conde – Festival Internacional de Cinema, recebe até 13 de setembro a exposição “Ruins / Rites / Runs” dos cineastas e artistas Ben Rivers e Ben Russell.

←prev 1  I  2  I  3  I  4  I  5  I  6  I  7  I  8  I  9  I  10  I  11  I  12  I  13  I  14  I  15  I  16  I  17  I  18  I  19  I  20  I  21  I  22  I  23  I  24  I  25  I  26  I  27  I  28  I  29  I  30  I  31  I  32  I  33  I  34  I  35  I  36  I  37  I  38  I  39  I  40  I  41  I  42  I  43  I  44  I  45  I  46  I  47  I  48  I  49  I  50  I  51  I  52  I  53  I  54 next→
ETIQUETAS