Animar 10 encerra com "Papel de Natal", de José Miguel Ribeiro

9 Junho 2015
Share on Facebook Share on Twitter

A 10ª edição do ANIMAR encerra no próximo domingo, 14 de junho, com a exibição da curta-metragem “Papel de Natal”, de José Miguel Ribeiro, às 16:00, no Teatro Municipal de Vila do Conde, numa sessão que vai também apresentar um balanço da edição e três filmes produzidos nas escolas no âmbito deste projeto educativo.

A curta-metragem “Papel de Natal”, de José Miguel Ribeiro, é uma adaptação especial para televisão da longa com o mesmo nome que estreou no final do ano passado nas salas de cinema. O filme pretende despertar, nos mais novos, uma consciência ambiental através de uma história protagonizada por Dodu, um rapaz de cartão, que foi construído a partir de desperdícios de papel por uma menina chamada Camila, que procura o pai. A missão de Dodu é salvar o pai de Camila e resgatá-lo do Monstro Desperdício, reciclando o papel de embrulho dos presentes de Natal.


As marionetas utilizadas na produção desta curta-metragem poderão ser vistas, de 9 a 14 de junho no foyer do Teatro Municipal, numa mostra que inclui também alguns dos trabalhos originais realizados nas escolas durante as oficinas ANIMAR.

 Com uma programação pensada especialmente para a comunidade escolar, o ANIMAR 10 levou a cabo, durante cinco meses, um conjunto de atividades para alunos de vários níveis de ensino: visitas à exposição “Estação ANIMAR”, na Solar – Galeria de Arte Cinemática, sessões de cinema com filmes de animação premiados internacionalmente, ateliers de brinquedos óticos e pixilação, entre outras.


À semelhança das edições anteriores deste projeto educativo, que tem como objetivo principal a aproximação do público jovem ao cinema, formadores convidados produziram pequenos filmes de animação durante ateliers nas escolas do concelho de Vila do Conde, que serão apresentados pela primeira vez na sessão de encerramento.


“Remédio Marinho”, realizado por alunos do 4º ano da Escola Básica da Areia Árvore (Agrupamento de Escolas D. Afonso Sanches de Vila do Conde), contou com Alice Guimarães, corealizadora de “Amélia e Duarte”, como formadora. O filme é inspirado no conto de Mia Couto, “O Beijo da Palavrinha”. Sob orientação de Jorge Ribeiro, os alunos do Curso Vocacional de Expressões, Fotografia, Cinema de Animação e Vídeo da Escola EB 2,3 D. Pedro IV- Mindelo (Agrupamento de Escolas D. Pedro IV de Vila do Conde) produziram uma curta-metragem sobre as suas próprias experiências e expetativas. Por sua vez, alguns alunos da Escola Secundária José Régio, orientados pelos formadores Tânia Duarte e Ícaro, filmaram na Solar – Galeria de Arte Cinemática uma curta-metragem sobre a exposição “Estação ANIMAR”, que tem como tema as viagens e a premiada curta-metragem “Fuligem”, de David Doutel e Vasco Sá.

Criado pela equipa do Curtas Vila do Conde, o ANIMAR é um projeto anual iniciado em 2005 que parte dos filmes de animação para a realização de uma série de atividades de carácter lúdico e educativo para escolas e o público em torno do Cinema.


 O trabalho desenvolvido pela ANIMAR prolonga-se, de 4 a 12 de julho, na secção Curtinhas do Curtas Vila do Conde destinada a crianças e jovens. Este mini-festival integra uma competição de filmes – onde o júri é composto por crianças – , um espaço infantil e várias oficinas.


A 10ª edição do ANIMAR conta com o apoio da Viarco, DanCake e da Arquivo Bens Culturais – Moleskine e de entidades como a Cinemateca Portuguesa, a Casa da Animação e a Fundação Museu Nacional Ferroviário.

Seleção oficial 2015

8 Junho 2015
Share on Facebook Share on Twitter

Os selecionados para as competições Internacional, Experimental e Curtinhas do 23.º Curtas Vila do Conde já foram divulgados. A selecção oficial pode ser consultada aqui.

Uma vez mais, o Festival será a montra priveligiada da mais recente produção nacional e internacional de curtas-metragens. As competições proporcionam as sessões mais diversificadas e concorridas do Festival com filmes de inegável qualidade que também nos monstram o estado atual do mundo.

Concurso de Montras do Curtas Vila do Conde

3 Junho 2015
Share on Facebook Share on Twitter

De 4 a 12 de julho de 2015, o Curtas Vila do Conde – Festival Internacional de Cinema regressa para mais uma edição! Durante nove intensos dias Vila do Conde será, uma vez mais, a capital portuguesa do cinema e o ponto de encontro entre realizadores, produtores, jornalistas e entusiastas da 7ª arte.

 

À semelhança dos últimos anos, convidamos todos os comerciantes da região a juntarem-se a esta grande celebração do cinema através do tradicional concurso Curt’as Montras, que procura envolver toda a cidade no espírito do Curtas, incentivando a decoração das montras dos estabelecimentos comerciais com elementos ligados ao Festival.

 

O vencedor do Curt’as Montras será escolhido por um júri, convidado pela organização, e anunciado na sessão de encerramento do Festival, a 12 de julho. O prémio será um fim-de-semana num hotel a anunciar brevemente. 


Todos os participantes receberão um convite para as cerimónias de abertura e de encerramento da 23ª edição do Curtas Vila do Conde.


A inscrição é gratuita e poderá ser realizada até ao dia 3 de julho, a data limite para conclusão da montra. O resultado final deverá ser exposto entre 4 e 12 de julho de 2015.

 

A recolha e seleção dos elementos a expor é da responsabilidade dos participantes, podendo a organização fornecer o material de comunicação do Festival como, por exemplo, cartazes e desdobráveis.

 

A decoração das montras ficará a cargo de cada estabelecimento e a única regra é a criatividade! As lojas com artigos para crianças poderão concorrer com elementos dedicados à secção infantil do Festival: o Curtinhas, cuja mascote é um elefante.

 

A edição de 2014 deste concurso contou com a participação uma dezena de estabelecimentos, tendo sido a montra da Farmácia Vital a vencedora. O prémio consistiu em duas noites, para duas pessoas, num dos hotéis à escolha: o Douro River Hotel & Spa (Lamego) ou a Herdade Lago Real (Mira), com pequeno almoço incluído.

Inscrições: info@curtas.pt /  T +351 252 638027 

Restrospetiva de Quentin Dupieux no Curtas Vila do Conde

1 Junho 2015
Share on Facebook Share on Twitter

No 23º Curtas Vila do Conde, a secção In Focus apresenta uma retrospetiva do realizador francês Quentin Dupieux, isto é, o músico Mr. Oizo. Autor de uma obra recente – 5 longas, 1 média e 1 curta-metragem – Dupieux tem um estilo muito particular, articulando a tradição do cinema de autor europeu com o cinema de géneros americano (especialmente o slasher e o filme juvenil).

É também um cineasta com um humor sofisticado que reflete sobre o estatuto do cinema no mundo contemporâneo. Tudo isto a partir de obras cuja história está no limite do absurdo, como explícito no grande protagonista de “Rubber”: um pneu assassino. Para além de “Rubber” (Cannes 2010), serão exibidos os seus filmes mais recentes: “Wrong”, “Wrong Cops” (ambos presentes em Sundance, em 2012 e 2013, respetivamente) e a estreia nacional de “Reality”, que esteve no Festival de Veneza em 2014.

Sensible Soccers e Laetitia Morais apresentam: “Paulo” em Vila do Conde

1 Junho 2015
Share on Facebook Share on Twitter

Depois de Lisboa e Braga, Vila do Conde prepara-se para receber o aguardado espetáculo "Paulo" com música da banda Sensible Soccers e imagens manipuladas ao vivo pela artista visual Laetitia Morais: a 30 de junho, às 22:00, no Teatro Municipal. Os bilhetes custam 7 euros e poderão ser adquiridos na rede da Bilheteira Online e no Teatro Municipal de Vila do Conde.

“Se tudo é Paulo e nada é Paulo também, a palavra deixa de ser chão e atalho e é abandonada. Cresce o mistério e a estranheza num mundo onde o silêncio entre as pessoas é permanente. Ou seja, deixa de existir.” Para este trabalho contam com a artista plástica Laetitia Morais, que trabalhará imagens do seu arquivo. Estas imagens, nas palavras da artista, “serão selecionadas, cortadas, reunidas e manipuladas ao vivo, para contar narrativas ou desfazer-se delas. Será um trabalho marcado pelo desvelamento, colocando a descoberto particularidades deste novo cenário. Um olhar que contempla a trivialidade e evidencia em simultâneo o mordaz e o decoroso”.

Este espetáculo de Cinema Expandido original é fruto de uma encomenda da Curtas Metragens, através do projeto CAMPUS, do Teatro Maria Matos (Lisboa) e do GNRation (Braga). 
 

Fotografia: © Alípio Padilha (apresentação no Teatro Maria Matos, 28/05/2015)

“As Mil e Uma Noites” de Miguel Gomes na abertura do Curtas Vila do Conde

28 Maio 2015
Share on Facebook Share on Twitter

“As Mil e Uma Noites”, de Miguel Gomes, será o filme de abertura da 23ª edição do Curtas Vila do Conde – Festival Internacional de Cinema. O filme, composto por três volumes, somou elogios na estreia mundial durante o Festival de Cannes e será apresentado em Vila do Conde em antestreia nacional.

 

O Curtas Vila do Conde – Festival Internacional de Cinema arranca a 4 de julho com o muito aguardado novo filme de Miguel Gomes, “As Mil e Uma Noites”, em antestreia nacional. O filme é um fresco sobre o Portugal contemporâneo e as contradições provocadas pela crise económica, através de uma estrutura épica que adapta a clássica história de Xerazade em três volumes independentes: “O Inquieto”, “O Desolado” e “O Encantado”, num total de seis horas de filme.

 

A primeira parte, “O Inquieto”, “dá conta das inquietantes maldições que se abatem sobre o país, em crise, habitado por ricos e pobres, poderosos e insignificantes, trabalhadores e desempregados, ladrões e homens honestos”. No segundo volume “Xerazade narra como a desolação invadiu os homens” e, na última parte, “O Encantado”, a narradora duvida que ainda consiga contar histórias que agradem ao rei”.

O elenco de “Mil e Uma Noites” conta com importantes nomes do cinema português como Crista Alfaiate, Luíza Cruz, Américo Silva, Adriano Luz, Gonçalo Waddington, Joana de Verona, Teresa Madruga, João Pedro Bénard, Carloto Cotta e Rogério Samora.

 

A obra teve estreia mundial na Quinzena dos Realizadores do Festival de Cannes onde foi recebida com grande entusiasmo pela imprensa internacional. O filme ocupou a primeira página do  jornal francês “Liberátion”, onde foi descrito como "épico”. Já o “Le Monde” considerou a longa-metragem "uma epopeia fantástica, uma canção de amor aos derrotados da História, que são os portugueses de uma Europa em crise".

 

Numa votação, que é habitualmente realizada durante o Festival de Cannes,  os críticos consideraram “As Mil e Uma Noites o quarto melhor filme exibido na edição de 2015 daquele que é o maior festival de cinema do mundo.

 

A longa-metragem, rodada em película, é uma coprodução entre Portugal, França, Alemanha e Suiça, e deverá estrear nos cinemas portugueses entre agosto e setembro. Com produção de Luís Urbano e Sandro Aguilar, através da produtora O Som e a Fúria, “As Mil e Uma Noites” é um dos projetos cinematográficos mais ambiciosos do cinema português dos últimos tempos. 

Miguel Gomes é um dos nomes centrais na história do Curtas Vila do Conde, que exibiu grande parte da filmografia do cineasta. A sua primeira curta-metragem, “Entretanto”, foi apresentada na edição de 1999 do Festival, onde foi distinguida com os Prémios de Melhor Realizador e de Melhor Fotografia. Mais tarde, em 2002, Miguel Gomes recebeu uma menção honrosa em Vila do Conde com a curta “31”, tendo vencido, em 2006, a competição nacional com “Cântico das Criaturas”.


Pelo Curtas Vila do Conde passaram ainda os filmes o “O Inventário de Natal”, “Kalkitos”(resultado de uma encomenda do Festival ao realizador), “Aquele Querido Mês de Agosto” e, em 2014, “Pre-Evolution Soccer’s One Minute Dance After a Golden Goal in The Master League”.

 

Nascido em Lisboa, em 1972, Miguel Gomes estudou Cinema e trabalhou como crítico para a imprensa portuguesa até ao ano 2000. O cineasta faz parte, juntamente com outros realizadores portugueses, da denominada “Geração Curtas”, um momento central da história do cinema português contemporâneo, na transição de século, que abriu as portas a uma nova geração de cineastas muito jovens e que são a cara do cinema português de hoje. O realizador desde cedo mostrou a sua iconoclastia, reinventando-se a si mesmo em cada filme novo e forjando um método de trabalho coletivo, atento às imprevisibilidades da rodagem. Esse método foi apurado e é uma das mais visíveis características de “As Mil e Uma Noites”.

 

O Curtas Vila do Conde tem o apoio da Câmara Municipal de Vila do Conde, do Secretário de Estado da Cultura, do Instituto do Cinema e Audiovisual, do programa MEDIA/Europa Criativa e de vários parceiros imprescindíveis à realização do Festival.

 

 

←prev 1  I  2  I  3  I  4  I  5  I  6  I  7  I  8  I  9  I  10  I  11  I  12  I  13  I  14  I  15  I  16  I  17  I  18  I  19  I  20  I  21  I  22  I  23  I  24  I  25  I  26  I  27  I  28  I  29  I  30  I  31  I  32  I  33  I  34  I  35  I  36  I  37  I  38  I  39  I  40  I  41  I  42  I  43  I  44  I  45  I  46  I  47  I  48  I  49  I  50  I  51  I  52  I  53  I  54  I  55  I  56  I  57  I  58  I  59  I  60  I  61  I  62  I  63 next→
ETIQUETAS