26º Curtas Vila do Conde: Programa Completo

26 Junho 2018
Share on Facebook Share on Twitter

A organização do Curtas Vila do Conde – Festival Internacional de Cinema revelou, esta manhã, o programa completo para a 26ª edição, a decorrer entre 14 e 22 de julho de 2018. A seleção aguardada da Competição Nacional inclui os últimos filmes de cineastas reconhecidos como Ivo M. Ferreira, João Viana ou Rodrigo Areias, mas também de estreantes como David Pinheiro Vicente ou Ana Moreira. No total, o festival apresenta 90 sessões de cinema e mais de 200 filmes, provenientes de mais de 40 países.

A Competição Nacional volta a ser o centro do Curtas Vila do Conde, reunindo o melhor do cinema português produzido em 2017 e 2018 em matéria de curta-metragem, com filmes assinados quer por cineastas internacionalmente reconhecidos, quer por jovens promessas que se têm vindo a afirmar no campo da realização cinematográfica. A seleção oficial inclui, no total, 17 filmes: “3 Anos Depois”, de Marco Amaral; “À Tona”, de Filipe Abranches; “Agouro”, de David Doutel e Vasco Sá; “Água Forte”, de Mónica Baptista; “Anteu”, de João Vladimiro; “Aquaparque”, de Ana Moreira; “Declive”, de Eduardo Brito; “Entre Sombras”, de Alice Eça Guimarães e Mónica Santos; “Equinócio”, de Ivo M. Ferreira; “Madness”, de João Viana; “Nevoeiro”, de Daniel Veloso; “Onde o Verão Vai (Episódios da Juventude)", de David Pinheiro Vicente; “Pas de Confettis”, de Bruno Ferreira; “Pixel Frio”, de Rodrigo Areias; “Placenta”, de Paulo Lima; “Sara F.”, de Miguel Fonseca e “Sheila”, de Gonçalo Loureiro.

 

A Competição Internacional é a janela do Curtas Vila do Conde para o mundo, numa seleção heterogénea a todos os níveis: formal, temática e de género cinematográfico. Trinta e uma curtas-metragens, entre as quais constam as últimas obras de cineastas premiados tanto no próprio festival, como internacionalmente, como Ben Rivers e Ben Russell, Bertrand Mandico, Helena Girón e Samuel M. Delgado e João Paulo Miranda Maria. Num programa mais arrojado e atento à evolução do cinema, a Competição Experimental reúne 17 filmes em que se destacam os realizadores Matthias Müller, Morgan Fisher, Manuel Knapp e Makino Takashi. A Competição de Vídeos Musicais, integrada na secção Stereo e dedicada a celebrar a relação entre música e cinema, apresenta uma sessão com o melhor do género a nível nacional. Por fim, a Competição Take One!, este ano alargada a mais seis países europeus, além de Portugal, dedica-se à descoberta daquilo que melhor se faz nas escolas de cinema.

 

Mini-festival dentro do festival, o Curtinhas apresenta também uma secção competitiva, dividida em três faixas etárias (M/3, M/6 e M/10), além de vários workshops e outras atividades didáticas dedicadas aos mais pequenos. O filme "The Incredibles 2: Os Super-Heróis" abre a secção logo no primeiro dia do festival, a 14 de julho, numa sessão para toda a família.

 

Paralelamente ao festival, a Solar Galeria de Arte Cinemática apresenta a exposição New Spain, comissariada por José Manuel Lopez, curador espanhol, e Nuno Rodrigues, codiretor do festival e coordenador da galeria, que inaugura no primeiro dia do festival. Sete artistas/cineastas espanhóis – Carla Andrade, Inés García, Laida Lertxundi, Lois Patiño, Natalia Marín e Helena Girón e Samuel M. Delgado – apresentarão instalações site-specific, aliando diversos meios como o filme, o vídeo, a fotografia e o som, e desafiando as fronteiras entre o cinema e as artes plásticas. A exposição integra ainda três sessões de cinema, incluídas no festival, uma das quais com curadoria de Maria Palácios Cruz e outras duas programadas por Gonzalo de Pedro Amatria (Festival de Locarno).

 

O festival apresenta ainda uma sessão especial intitulada Produções Curtas que integra os filmes “Rio Entre As Montanhas”, de José Magro, produzido no âmbito do 72 Hour Film Project, do festival Hancheng Jinzhen; “Circo do Amor”, de Miguel Clara Vasconcelos, filme produzido com apoio do ICA – Instituto do Cinema e Audiovisual para curtas-metragens de ficção, e “Náufragos”, de Pedro Neves, produzido no âmbito dos workshops da Animar 13. Todos muito recentes e os dois últimos com rodagem no concelho de Vila do Conde.

 

“Diamantino”, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, premiado recentemente em Cannes, marca o arranque do Curtas e da secção Da Curta à Longa, que inclui também os filmes “Le Monde est à toi”, de Romain Gavras, “The Green Fog”, de Guy Maddin, Evan Johnson e Galen Johnson, e ainda “Un couteau dans le coeur”, de Yann Gonzalez. A convite do Curtas, o realizador francês apresentará ainda uma carte blanche intitulada Midnight Madness Avant-Garde que promete ser a sessão mais estimulante e assustadora desta edição do festival, com um conjunto de obras de cinema de vanguarda, a maioria em película de 16mm.

 

Em 2018, o Curtas Vila do Conde — Festival Internacional do Cinema recebeu mais de 3000 inscrições, entre as quais cerca de 2.300 para a Competição Internacional e mais de uma centena para a Competição Nacional. Um trabalho de seleção muito criterioso levou aos conjuntos de filmes que dão corpo às diferentes secções competitivas, mostrando o que de melhor se produziu em curta-metragem entre 2017 e 2018, um pouco por todo o mundo.

 

O 26º Curtas Vila do Conde, que decorre entre 14 e 22 de julho, tem o apoio do programa MEDIA/Europa Criativa, da Câmara Municipal de Vila do Conde, do Ministério da Cultura, do Instituto do Cinema e Audiovisual e de vários parceiros imprescindíveis à realização do festival.

Consulte aqui o nosso jornal!



Download

 

Nadav Lapid é realizador em foco no 26º Curtas Vila do Conde

19 Junho 2018
Share on Facebook Share on Twitter

O cineasta israelita Nadav Lapid é o realizador em foco na 26ª edição do Curtas Vila do Conde Festival Internacional de Cinema.

O realizador volta assim a Vila do Conde onde já conquistou admiradores. Em 2016, a curta-metragem “From the Diary of a Wedding Photographer” foi distinguida com o Grande Prémio da Competição Internacional, depois de ter passado, no mesmo ano, pela Semana da Crítica do Festival de Cannes. Este retrato sombrio e satírico de um fotógrafo de casamentos, que desenvolve uma obsessão fetichista por noivas, é apenas um dos múltiplos filmes que compõem a retrospetiva a apresentar no Curtas Vila do Conde.

 

Multipremiado internacionalmente, o trabalho de Nadav Lapid, quer na literatura, quer mais tarde no cinema, tem-se desenvolvido sobretudo em torno da identidade nacional israelita, ou seja, sobre o que é ser-se israelita nos dias que correm. Aspeto que é particularmente evidente em alguns filmes, nomeadamente na sua primeira longa-metragem. “The Policeman” (2011) narra a história de um polícia de elite que cultiva a beleza fardada e o espírito de camaradagem mas cuja vida lhe troca as voltas. A eminência da paternidade e um encontro fortuito com um grupo radical levam esta personagem a questionar-se acerca da guerra: política mas também interior. Uma aproximação dialética entre dois mundos que valeu ao realizador inúmeros elogios na crítica internacional e um prémio no Festival de Locarno.

 

Em “The Kindergarten Teacher” (2014), a longa-metragem seguinte que também recebeu vários prémios, Lapid volta a levantar questões existenciais e morais através de retratos íntimos. Trata-se, neste caso, de um encontro entre uma educadora de infância e uma criança-prodígio com especial talento para a poesia. Numa atmosfera ambígua, a moral do filme oscila entre a crença da salvação pela arte e a manipulação de uma criança.

 

A paisagem israelita é também um elemento constante nos filmes de Nadav Lapid, desde a curta-metragem de final de curso “Emile’s Girlfriend”, realizada em 2006, que versa um encontro, que é também um confronto cultural, entre Delphine, uma rapariga francesa, e Yoav, israelita. Além destes, serão ainda exibidas outras curtas-metragens do realizador, numa retrospectiva integral.

 

Nadav Lapid virá a Vila do Conde para apresentar o seu trabalho mas também para um debate, a decorrer no dia 21 de julho, às 15h, no Teatro Municipal de Vila do Conde, integrado, também, na 3ª edição do Workshop de Crítica de Cinema promovido pelo festival.

 

O 26º Curtas Vila do Conde, que decorre entre 14 e 22 de julho, tem o apoio do programa MEDIA/Europa Criativa, da Câmara Municipal de Vila do Conde, do Ministério da Cultura, do Instituto do Cinema e Audiovisual e de vários parceiros imprescindíveis à realização do festival.

“Diamantino” dá pontapé de saída no Curtas Vila do Conde

11 Junho 2018
Share on Facebook Share on Twitter

Nova longa-metragem de Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt, “Diamantino”, arranca a 26ª edição do Curtas Vila do Conde Festival Internacional de Cinema, a 14 de julho. Integrada na secção Da Curta à Longa, esta exibição marca a estreia nacional do filme que venceu o Prémio da Semana da Crítica na última edição do Festival de Cannes.

Elogiado pela crítica internacional, “Diamantino” narra a história de uma estrela do futebol mundial que fracassa em final de carreira confrontando-se com o mau olhado da opinião pública. Num retrato delirante, que cruza os géneros da comédia, do drama e da ficção científica, Diamantino acaba por se envolver em questões políticas, do combate ao neofascismo à crise de refugiados, culminando numa crise existencial sobre a origem do génio.


O realizador português, que é já uma presença habitual no festival, recebeu o prémio para melhor realização pela curta-metragem “Os Humores Artificiais” no ano passado, integrando, ainda, a exposição coletiva Terra, na Solar Galeria de Arte Cinemática, com “Corcunda”, filme corealizado com Ben Rivers. O Curtas Vila do Conde tem acompanhado o trabalho de Gabriel Abrantes desde 2009, exibindo várias das suas curtas-metragens: “Too Many Daddies, Mommies and Babies” (2009), “Baby Back Costa Rica” (2011), “Fratelli” (2011), “Zwazo” (2012), “Taprobana” (2014) e “A Brief History of Princess X” (2016).


A secção Da Curta à Longa apresenta ainda o último filme de Yann Gonzalez, “Un couteau dans le coeur” (2018), também estreado no Festival de Cannes. Tendo como pano de fundo a indústria pornográfica do fim dos anos 70, em Paris, a longa-metragem narra a história de Anne (Vanessa Paradis), produtora de filmes porno de série B. Num estilo inconfundível que tem vindo a amadurecer desde início de carreira, o realizador francês combina o drama de uma relação amorosa falida e de um assassinato em série, a meio caminho entre o erótico e o policial.


O festival apresenta, também, uma carta branca de Yann Gonzalez, uma muito louca sessão de meia-noite, composta por filmes vanguardistas e algumas raridades, apresentada pelo próprio. “Depressive Cop” (2016), de Bertrand Mandico; “Tout ce dont je me souviens” (1969), de Christian Boltanski; “The Cat Lady” (1969), de Tom Chomont; “Dellamorte Dellamorte Dellamore” (2000), de David Matarasso; “Jungle Island” (1967), de Jack Smith; são algumas das escolhas do cineasta.


O 26º Curtas Vila do Conde, que decorre entre 14 e 22 de julho, tem o apoio do programa MEDIA/Europa Criativa, da Câmara Municipal de Vila do Conde, do Ministério da Cultura, do Instituto do Cinema e Audiovisual e de vários parceiros imprescindíveis à realização do festival.

Stereo: filmes e música portuguesa ao vivo no 26º Curtas Vila do Conde

8 Junho 2018
Share on Facebook Share on Twitter

A música nacional estará em destaque na 26ª edição do Curtas Vila do Conde Festival Internacional de Cinema, a decorrer entre 14 e 22 de julho. Projeto inédito junta Moor Mother e Jonathan Uliel Saldanha (HHY) aos realizadores André Tentugal e Vasco Mendes. Linda Martini, B Fachada, Joana Gama e Luís Fernandes e Black Bombaim completam o cartaz.

Ex-libris do festival, o programa Stereo, cruza o melhor de dois mundos: o da música e o do cinema, através de filmes-concertos, concertos com live vídeo e uma competição de vídeos musicais.

 

A 19 de julho, a artista, compositora e ativista norte-americana Moor Mother sobe ao palco com Jonathan Uliel Saldanha (HHY & The Macumbas) para apresentar um espetáculo inédito que será o resultado de uma residência artística em Vila do Conde. Já os realizadores André Tentugal e Vasco Mendes ficarão a cargo da criação da componente visual do concerto, conjugando o trabalho dos participantes no workshop de cinema da MAD Summer School, a decorrer também em julho.

 

O Stereo arranca logo no primeiro dia do festival, a 14 de julho. Os Black Bombaim, trio português de rock psicadélico, abrem a secção com uma colaboração com o percussionista e escultor sonoro João Pais Filipe para “Dragonflies with Birds and Snake”, do realizador alemão Wolfgang Lehmann, por várias vezes presente na competição experimental do Curtas. Estreado em 2011, o filme recorre a imagens de índole zoológica e educacional para criar uma aproximação sensorial e macrofotográfica ao mundo dos insectos. Ao registo experimental da longa-metragem acresce ainda a improvisação ao vivo no plano sonoro, sobre uma base composta e ensaiada, que é já uma característica da banda.

 

Entre a música clássica e a electrónica, a erudita e o pop, Joana Gama e Luís Fernandes vêm a Vila do Conde a 18 de julho para apresentar o seu novo álbum “At The Still Point of The Turning World”. Os títulos do álbum e das seis composições que o integram são retirados de um poema de T.S. Elliot, sobre a passagem do tempo, que serviu como fonte de inspiração. O concerto no Curtas Vila do Conde contará ainda com a participação de 14 músicos de um ensemble e com visuais de Miguel C. Tavares, responsável pelo primeiro videoclip da banda e pela performance inédita de live video.

 

Dados à experimentação musical, os filmes de Buster Keaton voltam a ser motivo de criação no festival. Desta feita é B Fachada quem ficará responsável pela criação e interpretação musical originais para a obra do realizador e ator norte-americano, no caso, “The Cameraman”, co-realizado por Edward Sedgwick. O espetáculo será apresentado a 20 de julho e cruzará as harmonias do cantautor português, também músico compositor com grande à vontade na eletrónica, e as aventuras – cómicas e satíricas, como é habitual — de um fotógrafo inexperiente, interpretado pelo próprio Keaton.

 

Os Linda Martini, uma das bandas mais aclamadas no panorama nacional recente, encerram o programa Stereo de 2018, a 21 de julho. A banda, que cruza várias influências desde o rock à pop, responsável por hits como “Amor Combate”, terá o desafio de compor para “La Coquille et le Clergyman”, filme surrealista da vanguarda francesa dos anos 20, realizado por Germaine Dulac. Com um guião escrito pelo inconfundível Antonin Artaud, o filme versa as alucinações eróticas de um sacerdote e o respetivo desejo sexual pela esposa de um general.

 

Os bilhetes para estes espetáculos custam entre 7 e 10 euros e encontram-se à venda no Teatro Municipal de Vila do Conde e na rede da Bilheteira Online. Os portadores do Free-Pass do festival têm acesso gratuito a todos os concertos. Este passe geral, à venda a partir de 40 euros exclusivamente no site do Curtas Vila do Conde, garante também o acesso a todas as sessões de cinema e outros eventos do festival.

 

A Competição de Vídeos Musicais voltará a apresentar uma seleção dos melhores vídeos musicais portugueses, inovadores na arte de combinar música e cinema. Procurando sempre acompanhar a evolução dos géneros e da forma de fazer cinema, esta competição, dedicada nos últimos anos exclusivamente à produção nacional, tem exibido os trabalhos de alguns dos artistas que mais se destacam na área, entre eles Paulo Furtado, Rodrigo Areias, João Nicolau, André Tentugal e Vasco Mendes entre outros.

 

O 26º Curtas Vila do Conde, que decorre entre 14 e 22 de julho, tem o apoio do programa MEDIA/Europa Criativa, da Câmara Municipal de Vila do Conde, do Ministério da Cultura, do Instituto do Cinema e Audiovisual e de vários parceiros imprescindíveis à realização do festival.

 

 

Teatro Municipal de Vila do Conde:

 

BLACK BOMBAIM + JOÃO PAIS FILIPE

14 JUL, 23:00

Bilhetes: 7 euros 
Comprar


JOANA GAMA + LUÍS FERNANDES

18 JUL, 23:00

Bilhetes: 7 euros
Comprar

 

MOOR MOTHER + JONATHAN ULIEL SALDANHA

19 JUL, 23:00

Bilhetes: 7 euros
Comprar

 

B FACHADA

20 JUL, 23:00

Bilhetes: 10 euros
Comprar

 

LINDA MARTINI

21 JUL, 23:00

Bilhetes: 10 euros
Comprar

 

* Com Free-Pass Curtas Vila do Conde, acesso gratuito a todos os concertos, a levantar no próprio dia e no limite dos lugares disponíveis

Voluntariado Curtas Vila do Conde 2018: Inscrições abertas!

25 Maio 2018
Share on Facebook Share on Twitter

A equipa do Curtas Vila do Conde é constituída, todos os anos, por voluntários que contribuem para que o Festival seja um acontecimento cultural de referência em Portugal e no estrangeiro. Mais uma vez, para a edição de 2018, aguardamos a tua candidatura!

Durante uma semana, terás a oportunidade de participar ativamente num evento cultural muito importante e que será, também para ti, algo inesquecível.

Lê atentamente o regulamento abaixo, sobre o Voluntariado Curtas 2018, e preenche o formulário para te candidatares. De 14 a 22 de julho de 2019, em Vila do Conde, estaremos todos juntos para mais uma edição.

 

Regulamento

 

1. Os voluntários do Curtas Vila do Conde - Festival Internacional de Cinema terão a oportunidade de participar num evento de projeção internacional, que lhes permitirá um contato direto com realizadores, produtores, jornalistas, artistas, entre outros;

 

2. É também uma oportunidade de colaborar com um dos eventos culturais mais importantes de Vila do Conde e do país, no qual poderás deixar, também, a tua marca e contributo;

 

3. Os voluntários deverão ter idade igual ou superior a 16 anos, sentido de responsabilidade, demonstrar interesse, dinamismo, facilidade de comunicação (preferencialmente também em inglês), disponibilidade para ajudar os outros e abertura para colaborar durante todos os dias do Festival;

 

4. Os voluntários desempenharão um papel importante na estrutura do Festival, preenchendo várias funções, de acordo com as necessidades: apoio à produção, comunicação, relações públicas e recepção de convidados, portas e entradas, catering, mercado da curta-metragem, transportes, entre outras;


5. Os candidatos deverão enviar a sua candidatura através do preenchimento completo deste formulário;

 

6. Após o período de envio de candidaturas, serás contactado para uma entrevista e, se fores seleccionado, receberás formação e informações sobre o papel a desempenhar durante o Festival;

 

7. Se fores escolhido, receberás gratuitamente um Free-Pass que te dá acesso a todas as sessões do Festival (salvo excepções assinaladas no programa) para poderes ver tudo, depois do teu horário de trabalho. Receberás também merchandising do festival e ajudas à alimentação; 


8. Participa!

Curtinhas à procura de Júri

25 Maio 2018
Share on Facebook Share on Twitter

Tens entre 8 e 12 anos? Gostas de cinema? Então temos um desafio para ti! 

Junta-te ao Júri Curtinhas do Curtas Vila do Conde e ajuda a escolher o melhor filme da competição infantil da 26ª edição do festival, que decorrerá entre 14 e 22 de julho. Na cerimónia de encerramento, poderás anunciar o filme vencedor e entregar o prémio Curtinhas MAR Shopping Matosinhos ao realizador premiado.

Os elementos deste júri tão especial, composto por 15 crianças, receberão um free-pass para as sessões infantis do 26º Curtas Vila do Conde e uma t-shirt Curtinhas.


Inscreve-te através do e-mail animar@curtas.pt.

Sobre o Curtinhas...

O Curtinhas é um mini-festival dentro do Curtas Vila do Conde que junta pais e filhos na partilha de uma semana de cinema. Esta secção do festival, que arranca com um filme de animação para toda a família, é composta por uma competição de curtas-metragens, pelo Espaço Infantil Brincar ao Cinema e por oficinas e atividades lúdicas ligadas às imagens em movimento.


Com dezenas de filmes a concurso, a Competição Curtinhas apresenta uma seleção de obras de todo o mundo feitas a pensar no público juvenil. O filme vencedor será escolhido por um júri, composto por crianças dos 8 aos 12 anos, que entregará o Prémio Curtinhas MAR Shopping Matosinhos na Cerimónia de Encerramento do festival, a 22 de julho. 


Durante os nove dias do festival, o Espaço Infantil Brincar ao Cinema vai receber várias atividades para crianças dos 4 aos 12 anos, permitindo aos pais assistirem às sessões de cinema enquanto os filhos usufruem de um lugar de diversão e aprendizagem, sob a orientação de uma equipa de formadores. Este espaço terá um horário coincidente com o das sessões e uma programação permanente constituída por ateliers de curta duração, visionamento de filmes e a realização de outras atividades relacionadas com cinema. 

←prev 1  I  2  I  3  I  4  I  5  I  6  I  7  I  8  I  9  I  10  I  11  I  12  I  13  I  14  I  15  I  16  I  17  I  18  I  19  I  20  I  21  I  22  I  23  I  24  I  25  I  26  I  27  I  28  I  29  I  30  I  31  I  32  I  33  I  34  I  35  I  36  I  37  I  38  I  39  I  40  I  41  I  42  I  43  I  44  I  45  I  46  I  47  I  48  I  49  I  50  I  51  I  52  I  53  I  54  I  55  I  56  I  57  I  58  I  59  I  60  I  61  I  62  I  63  I  64  I  65  I  66  I  67  I  68  I  69  I  70 next→
ETIQUETAS