Reportagem 21º Curtas Vila do Conde

15 Julho 2013
Share on Facebook Share on Twitter

Grande Prémio atribuído a um filme português

13 Julho 2013
Share on Facebook Share on Twitter

Pela segunda vez na história do Curtas Vila do Conde – Festival Internacional de Cinema, o Grande Prémio «Cidade de Vila do Conde», para o melhor filme em competição, foi atribuído a um filme português: CAROSELLO, de Jorge Quintela foi o grande vencedor da 21ª edição do festival (a primeira vez que um filme nacional foi galardoado com este prémio aconteceu em 2006, com Rapace, de João Nicolau).

Jorge Quintela nasceu no Porto em 1981. Formou-se em Fotografia e Audiovisual em 2003, na Escola Superior Artística do Porto. Desde 2004, trabalha regularmente em cinema como Diretor de Fotografia de curtas e longas-metragens. Em 2010, realizou um filme documentário sobre o músico Legendary Tigerman “On The Road To Femina” que estreou no Festival de cinema IndieLisboa 2010 e realizou o filme “Ausstieg” recebendo uma Menção Honrosa na secção da competição experimental do Festival Curtas de Vila do Conde 2010.

Na Competição Nacional, o Prémio BPI, para o melhor filme português em competição, foi atribuído a REI INÚTIL, o filme de estreia de Telmo Churro como realizador.  

Nascido em Lisboa, em 1977, Telmo Churro estudou cinema, na Escola Superior Artística do Porto e na Escola Superior de Teatro e Cinema, área de montagem. Trabalha em cinema, desde 2000, como montador, assistente de realização, anotador e argumentista.

Para além do Prémio BPI da Competição Nacional, o filme REI INÚTIL venceu, também, o Prémio Canal +, que consiste na aquisição dos direitos de exibição de um filme português para o Canal + (França).

GAMBOZINOS
, de João Nicolau, foi também distinguido com uma Menção Honrosa (M/9) pelo Júri do Curtinhas que elegeu ROOM ON THE BROOM (BOLEIA DE VASSOURA), de Max Lang e Jan Lanchauer, como grande vencedor do prémio para o melhor filme da competição Curtinhas (eleito por um grupo de 15 crianças com idades entre os 6 e os 12 anos).

Para Miguel Dias, da organização do Curtas Vila do Conde, o facto do palmarés da 21ª edição do festival colocar em evidência a produção nacional é revelador da qualidade do programa apresentado na Competição Nacional. Mesmo depois de um ano “zero” em termos de apoios oficiais, que resultou numa redução drástica do número de filmes produzidos no nosso país com financiamento, a Competição Nacional do Curtas Vila do Conde não se ressentiu. De resto, foi possível assistir a um equilíbrio de filmes realizados por autores já consagrados a par de alguns nomes revelação.

No entanto, importa sublinhar que só foi possível manter esta qualidade e quantidade de filmes apresentados, graças às produções de filmes que já vinham de anos anteriores e que só agora foram terminadas; à produção de filmes potenciados por eventos como Guimarães 2012 ou o projeto Estaleiro e, noutros casos, graças ao trabalho empenhado e dedicado, mas não remunerado, de jovens técnicos, atores e realizadores.  

Perante este cenário, a manter-se a falta de apoios em anos posteriores, poderá estar em causa o futuro de inúmeros autores e técnicos talentosos que aqui mostraram o resultado do seu trabalho.    

A direção do Curtas Vila do Conde – Festival Internacional de Cinema fica, por isso, na expetativa do que poderá seguir-se na produção cinematográfica nacional.

13 de julho : Destaques do Dia

13 Julho 2013
Share on Facebook Share on Twitter

Sábado é dia de prémios! Mas continuam também a projetar-se filmes de curta e longa-metragem. Para além das competições, o Curtinhas regressa e a secção Da Curta à Longa exibe o seu último filme, hoje do luso-suíço Basil da Cunha.

Às 21:00 é sessão de entrega de prémios, onde todos os cineastas procuram o reconhecimento do seu trabalho. Logo a seguir, na Sessão Oficial de Encerramento, é exibido “Até Ver a Luz”, de Basil da Cunha, um autor duplamente premiado na Competição Nacional e que aqui mostra a sua primeira longa-metragem. Um filme para descobrir, de novo rodado num bairros dos subúrbios de Lisboa.

Os mais pequenos voltam a ter sessões só para si no Curtas: às 11:00 (Sala Dois) para M6 e às 15:30 (Sala Um) para M3. Hoje é também o último dia dos Encontros com Realizadores, desta vez às 16:30, no Lounge Curtas (com Jorge Quintela, Carlos Conceição, Telmo Churro e Carlos Amaral).

Ao final da noite, iniciam-se também as sessões de filmes premiados (21:45 e 23:30, Sala Dois; 00:00, Sala Um).

12 de julho : Destaques do Dia

12 Julho 2013
Share on Facebook Share on Twitter

À entrada do último fim-de-semana do Festival, o Curtas Vila do Conde mantém vários focos de interesse. Para além das competições – o dia mantém o ritmo forte de quinta-feira – a secção Da Curta à Longa regressa para mostrar um filme de Yann Gonzalez em estreia nacional. Também de tarde, é apresentada uma performance de Sandra Gibson e Luis Recoder. O grande destaque do dia vai para a obra-prima de Bill Morrison, “Decasia”!

O autor In Focus da edição de 2013 é Bill Morrison. Depois de dois dias exibindo trabalhos curtos, esta sexta-feira apresenta uma das suas longas-metragens: “Decasia” (21:45, Sala Dois) é mesmo considerada a sua obra máxima: um trabalho de rigor de montagem através da utilização de found footage. Outras das longas do dia é “Les rencontres d’après minuit” do francês Yann Gonzalez (00:00, Sala Um). O cineasta é uma presença assídua no festival e apresenta agora a sua primeira longa-metragem (uma das curiosidades é a presença de Eric Cantona como ator).

Nas competições, destaques para alguns autores como Sergei Loznitsa, Bill Morrison, Jorge Quintela ou Ico Costa. É mais um excelente dia para descobrir curtas-metragens surpreendentes. No início da tarde, é apresentada uma performance de Sandra Gibson e Luis Recoder, que utilizam projeção 35 mm para criar um happening visual (17:00, Sala Dois). Também há tarde continuam os Encontros com Realizadores, às 16:00, no Lounge Curtas (com João Viana, João Pedro Rodrigues, Pedro Bastos e João Nicolau). E de manhã, às 11:00 (Sala Dois), o país em panorama é Suíça.

11 de julho : Destaques do Dia

11 Julho 2013
Share on Facebook Share on Twitter

O sexto dia do Curtas Vila do Conde é composto por diversas sessões de competição.  Para além disso, à noite, o cinema clássico de John Ford apresenta-se para uma banda sonora ao vivo dos Zelig. O dia também apresenta outra sessão In Focus Bill Morrison.

A competição está ao rubro com sessões da Competição Internacional (17:00, Sala Um; 22:30, Sala Um), Experimental (18:30, Sala Dois) e Nacional (21:00, Sala Um). Destas sessões, podem nomear-se vários autores de regresso (e até alguns já premiados): Christoph Girardet, Matthias Müller, João Viana, João Pedro Rodrigues, João Nicolau, Chris Landreth ou Siegfried Fruhauf.

À noite, um clássico recém restaurado de John Ford, “Bucking Broadway” (1917), é musicado ao vivo pelos Zelig (banda constituída por elementos ex-Ornatos Violeta e Pluto). É uma excelente oportunidade para ver um western mudo (00:00, Sala Um)! Bill Morrison, autor In Focus, vai apresentar um masterclass, mostrando duas curtas-metragens (15:00, Sala Dois).

Ainda no dia de hoje, a Polónia apresenta filmes no Panorama Europeu (11:00, Sala Dois) e continuam os Encontros com Realizadores, às 16:00, no Lounge Curtas (com André Guiomar, Pedro Caeiro, David Bonneville e André Marques).

10 de julho : Destaques do Dia

10 Julho 2013
Share on Facebook Share on Twitter

Quarta-feira marca o meio da semana e o Festival está em grande atividade. Durante este dia iniciam a Competição Experimental e a retrospetiva In Focus de Bill Morrison, para além da continuação das Competições Nacional e Internacional. O Stereo apresenta um filme-concerto curioso do músico Alex Puddu para filmes pornográficos dinamarqueses. Ainda hoje prosseguem Encontros com Realizadores e promove-se a primeira masterclass (com Georges Schwizgebel).

Cineasta americano, Bill Morrison é o autor In Focus do Curtas 2013. Neste primeiro dia da retrospetiva será projetada uma sessão de curtas-metragens do autor (21:45, Sala Dois). Também no contexto do cinema experimental, é exibida a primeira sessão competitiva (18:30, Sala Dois). Também à noite, o terceiro filme-concerto do Festival (00:00, Sala Dois), com a projeção de filmes pornográficos dinamarqueses da década de 70 e música de Alex Puddu, ao ritmo do funk e do easy listening.

Ainda nas sessões noturnas, continuam as sessões da Competição Internacional (22:30 e 17:00, Sala Um) – com filmes de Nicolas Provost e Dominique Gonzalez Foerster – e da Competição Nacional (21:00, Sala Um), com um conjunto de novos autores portugueses. Hoje também há a segunda sessões de Encontros com Realizadores (com Paulo d’Alva, Sérgio Ribeiro, Filipa César, Tiago Rosa-Rosso e Ivo M. Ferreira).

Ainda durante o dia de hoje, às 15:00 (Sala Dois), o cineasta de animação Georges Schwizgebel orienta uma masterclass intitulada: “Como Faço Filmes Animados”; e de manhã (11:00, Sala Dois) é a vez da Eslováquia no Panorama Europeu.

←prev 1  I  2  I  3  I  4  I  5  I  6  I  7  I  8  I  9  I  10  I  11  I  12  I  13  I  14  I  15  I  16  I  17  I  18  I  19  I  20  I  21  I  22  I  23  I  24  I  25  I  26  I  27  I  28  I  29  I  30  I  31  I  32  I  33  I  34  I  35  I  36  I  37  I  38  I  39  I  40  I  41  I  42  I  43  I  44  I  45  I  46  I  47  I  48  I  49  I  50  I  51  I  52  I  53  I  54  I  55  I  56  I  57  I  58  I  59  I  60  I  61  I  62  I  63 next→
ETIQUETAS