Filme-concerto de Lambchop inspira nova curta de Bill Morrison

4 Abril 2016
Share on Facebook Share on Twitter

O projeto inédito de filme-concerto do Curtas Vila do Conde 2015, “The Dockworker’s Dream”, com imagens de Bill Morrison e música original da banda norte-americana Lambchop, deu origem a um novo filme. “The Dockworker’s Dream” é uma co-produção da Curtas com a norte-americana Hipnotic Pictures.

No Curtas Vila do Conde, Kurt Wagner e companheiros tocaram música ao vivo para um filme de Bill Morrison. Os dois artistas encontraram-se pela primeira vez em janeiro de 2014 aquando o Curtas propôs este projeto inédito. Morrison, entretanto, desenvolveu um filme, especialmente produzido pela Curtas Metragens CRL, a partir de material de arquivo da Cinemateca Portuguesa. Seguindo o seu modelo de resgatar imagens em movimento do arquivo, o cineasta junta diversos excertos de filmes do período mudo do cinema português, fazendo um fresco sobre Portugal de inícios do século XX, da relação com o rio e o mar e da sua tímida revolução industrial. Juntando inclusivé excertos degradados, o trabalho de Morrison é a de um arqueólogo das imagens, tal como já tinha sido evidenciado no seu trabalho anterior, motivo de retrospetiva no Curtas 2013.   

"Noite Sem Distância" no Festival de San Francisco

30 Março 2016
Share on Facebook Share on Twitter

A curta-metragem “Noite Sem Distância”, de Lois Patiño, vai integrar a 59ª edição do San Francisco International Film Festival, que decorre entre 21 de abril e 5 de maio. O filme vai estar em competição na secção “Golden Gate Awards for Narrative Short”. Organizado pela San Francisco Film Society, o festival é o mais antigo das Américas.

Noite Sem Distância” acontece na fronteira entre Portugal e a Galiza, desenvolvendo as histórias que habitam esses espaços, nomeadamente o papel do contrabando no desenvolvimento dos dois países. “Decidi representar uma cena de contrabando na Serra do Gerês em estradas que os contrabandistas realmente usaram. E as pessoas da região participariam enquanto atores (muitos deles foram, inclusivamente, contrabandistas na juventude)”, explica o galego Lois Patiño. O filme foi produzido pela Curtas Metragens CRL em 2015 no âmbito do projeto Campus, envolvendo na equipa técnica um grupo de estudantes de cinema e audiovisual.

 

"Reconversão" em exposição em Paris

30 Março 2016
Share on Facebook Share on Twitter

O documentário “Reconversão”, de Thom Andersen, vai integrar a exposição “Les universalistes. 50 ans d`architecture portugaise” (“Os universalistas. 50 anos da arquitetura portuguesa”), patente na Cité de l`Architecture & du Patrimoine, em Paris, de 13 de abril a 29 de agosto.


A exposição, desenvolvida em parceria com a Gulbenkian de Paris de forma a assinalar o 50º aniversário da instituição na capital francesa, apresenta “50 projetos arquiteturais sob a forma de maquetes produzidas especialmente para a exposição, documentos gráficos e audiovisuais”.


Produzido pela Curtas Metragens CRL no 20º aniversário do Curtas Vila do Conde, o documentário “Reconversão” retrata 17 edifícios e projetos do arquiteto portuense Eduardo Souto Moura, acompanhados pelos seus próprios escritos.

Cinema de Animação para toda a família na Solar - Galeria de Arte Cinemática

22 Março 2016
Share on Facebook Share on Twitter

Até 5 de junho, o cinema de animação está de regresso a Vila do Conde com a 11ª edição da Animar. À imagem das edições anteriores, o centro das várias atividades deste projeto educativo voltará a ser a exposição na Solar – Galeria Cinemática.


A exposição "Animar 11" parte dos materiais, adereços, personagens, cenários e de diversos elementos que fizeram parte do processo de produção de três curtas-metragens de animação: “Nossa Senhora da Apresentação” de Abi Feijó, Alice Guimarães, Daniela Duarte e Laura Gonçalves; “Papel de Natal” de José Miguel Ribeiro; e “Amélia & Duarte” de Alice Eça Guimarães e Mónica Santos (o filme venceu, recentemente, o Festival de Cinema Monstra). Estes elementos, apresentados na galeria de forma interativa e surpreendente, exploram as relações de causa e efeito que as diferentes expressões, visuais e sonoras, estabelecem com a estrutura narrativa dos filmes.


Depois de assistirem às curtas-metragens, em exibição permanente na galeria, os visitantes poderão, por exemplo, entrar nos coloridos cenários de “Amélia & Duarte”, inspirados nos anos 50, como a cozinha de Amélia, o escritório de Duarte ou a secção de Amores Perdidos onde o casal guardou as suas recordações. Os mais curiosos poderão conhecer as figuras e o cenário em cartão que deram origem a "Papel de Natal" ou ainda os elementos utilizados em “Nossa Senhora da Apresentação”. Durante o percurso pela exposição, os visitantes poderão também experimentar fazer o seu próprio filme de animação com recurso aos equipamentos disponibilizados.

Em “Amélia & Duarte”, de Mónica Santos e Alice Guimarães, somos guiados através do relacionamento das duas personagens que se separaram e tentam lidar com os sentimentos do final de uma relação. A curta-metragem é feita em pixilação e stop-motion sob uma ambiência Technicolor da década de 50, retratando não só o surrealismo das ações dos protagonistas, mas também proporcionando uma impressão cromática irónica sobre o fim do amor. O filme, premiado em vários festivais em Portugal e no estrangeiro, tem sido dos mais destacados no panorama da animação nacional recente.


A animação “Nossa Senhora da Apresentação” foi desenvolvida durante uma residência artística de Abi Feijó no decurso da Animar / Rua Animada, em 2014, com participação de Alice Guimarães, Daniela Duarte e Laura Gonçalves. O resultado é uma curta-metragem de seis minutos que resgata um poema escrito em 1940 pelo neorrealista Álvaro Feijó, narrado por Ana Deus, e ilustrado com recurso à pixilação e ao stop motion.


Papel de Natal”, de José Miguel Ribeiro, conta a história de Dodu, um destemido boneco de cartão – a mesma personagem de “Dodu – O Rapaz de Cartão” –, Camila, uma menina de oito anos, e um Pai Natal que lutam contra o monstro Desperdício reciclando o papel de embrulho dos presentes de Natal. A animação conta com as vozes de Crista Alfaiate, Ivo Canelas, entre outros.


Sobre a ANIMAR:

Criada pela mesma equipa que organiza o Curtas Vila do Conde – Festival Internacional de Cinema, a Animar desenvolve anualmente várias atividades em torno do cinema de animação destinadas a públicos de todas as idades, com destaque para a comunidade escolar da região. Até junho, estão planeados ateliês de animação orientados por formadores convidados, ateliês de iniciação de cinema na sala de aula, visitas guiadas à exposição na Solar – Galeria de Arte Cinemática, sessões de cinema no Teatro Municipal de Vila do Conde e apresentações e mostras “Antes do Filme”.

 

 

Agência da Curta Metragem representa Portugal no Short Circuit

22 Março 2016
Share on Facebook Share on Twitter

A Agência da Curta Metragem é um dos 18 membros do Short Circuit, a rede europeia de organismos que se dedicam à promoção e distribuição de curtas-metragens.


O objetivo primeiro desta rede, composta por entidades de países como a França, Bélgica, Alemanha, Croácia, Irlanda, Itália, Lituânia, Holanda, Noruega, Eslovénia, Espanha, Suécia e Suíça, é a representação do sector da distribuição de curtas-metragens na Europa, aumentando a visibilidade do formato a nível internacional.


Para isso, o Short Circuit desenvolve ações como a Short Film Pool, um catálogo curtas-metragens de diferentes géneros e proveniências que são distribuídas na Europa pelos seus membros, entre eles a Agência da Curta Metragem.


Assim, a Agência da Curta Metragem disponibiliza, para além das 400 obras nacionais do seu catálogo de filmes, uma seleção de curtas-metragens europeias de particular relevância para exibição Portugal. Tratam-se de obras galardoadas internacionalmente e de especial importância no contexto recente de produção de curtas-metragens, cuja exibição se encontrava circunscrita aos festivais de cinema, e que presentemente o público português tem acesso de uma forma mais vasta. Estas obras, legendadas em português, poderão ser alugadas individualmente para exibição antes de longas-metragens ou para a programação de sessões de curtas-metragens.


O Short Circuit é também responsável por eventos como O Dia Mais Curto, cuja organização em Portugal está a cargo da Agência da Curta Metragem.

Filmes Campus na Cinemateca

17 Março 2016
Share on Facebook Share on Twitter

A Cinemateca Portuguesa, em Lisboa, apresenta, a 14 de abril, uma sessão com os filmes produzidos pela Curtas Metragens CRL no âmbito do Campus. "A Glória de Fazer Cinema em Portugal" de Manuel Mozos, "Noite Sem Distância” de Lois Patiño e "Undisclosed Recipients" de Sandro Aguilar vão ser exibidos às 21:30. 


Noite Sem Distância”, de Lois Patiño, é focado na fronteira entre Portugal e a Galiza, desenvolvendo as histórias que habitam esses espaços, nomeadamente o papel do contrabando no desenvolvimento dos dois países. “Decidi representar uma cena de contrabando na Serra do Gerês em estradas que os contrabandistas realmente usaram. E as pessoas da região participariam enquanto atores (muitos deles foram, inclusivamente, contrabandistas na juventude)”, explica o galego Lois Patiño.


Para “Undisclosed Recipients”, Sandro Aguilar escolheu como ponto de partida a energia do festival de Paredes de Coura. “Interessou-me observar por uma vez os jovens, aqui num certo estado físico e mental, misto muito sugestivo de alheamento e alerta”, refere o realizador.  


Já Manuel Mozos, inspirou-se numa carta que José Régio escreveu, em 1929, a Alberto Serpa onde manifestou a vontade de fundar uma produtora para começar a fazer cinema. Durante quase noventa anos, nada se soube sobre o desfecho deste pedido: nunca se encontrou qualquer resposta de Serpa à carta e Régio não terá voltado a mencionar o assunto. “A Glória de Fazer Cinema em Portugal” tenta desvendar o desfecho desta história.

O projeto Campus, que decorreu entre junho de 2014 e maio de 2015, foi uma formação avançada de cinema dirigida a estudantes de cinema e audiovisual da região Norte de forma a complementar as formações universitárias. Durante o projeto, para além de workshops, debates, masterclasses e residências artísticas, foram produzidas três curtas-metragens em que realizadores de comprovada experiência trabalharam com equipas de estudantes.


O Campus foi desenvolvido pela Curtas Metragens CRL, responsável pelo Curtas Vila do Conde – Festival Internacional de Cinema, com o apoio do QREN/ Programa Novo Norte.

←prev 1  I  2  I  3  I  4  I  5  I  6  I  7  I  8  I  9  I  10  I  11  I  12  I  13  I  14  I  15  I  16  I  17  I  18  I  19  I  20  I  21  I  22  I  23  I  24  I  25  I  26  I  27  I  28  I  29  I  30  I  31  I  32  I  33  I  34  I  35  I  36  I  37  I  38  I  39  I  40  I  41  I  42  I  43  I  44  I  45  I  46  I  47  I  48  I  49  I  50  I  51  I  52  I  53  I  54  I  55  I  56 next→
ETIQUETAS