Exposição itinerante “Reconversão” no Chiado

1 Março 2016
Share on Facebook Share on Twitter

A exposição fotográfica "Reconversão" continua em itinerância pelas lojas Fnac do país. Até 30 de abril, a exposição, que reúne imagens do documentário de Thom Andersen produzido pelo Curtas Vila do Conde, pode ser vista na Fnac do Chiado.
 

Esta exposição reúne vinte imagens do documentário de Thom Andersen “Reconversão”. O filme, produzido pela Curtas Metragens CRL no 20º aniversário do Curtas Vila do Conde, é uma investigação em torno da obra do arquitecto Eduardo Souto Moura, através de uma análise de 17 das suas criações mais emblemáticas.


As imagens foram escolhidas pelo director de fotografia, Peter Bo Rappmund, que através do uso do “time-lapse” ofereceu ao filme “Reconversão” o seu aspeto visual característico comum, aliás, à maioria dos filmes de Rappmund, ele próprio realizador. É uma técnica justa, na medida que se adapta perfeitamente aos temas do filme: a passagem do tempo, as ruínas. Por um lado, chama a nossa atenção para elementos da paisagem que passariam despercebidos a 24 imagens por segundo. Por outro, dá-nos uma percepção nítida da passagem do tempo na paisagem, reforçando uma maior imutabilidade da arquitectura e garantindo, de outra forma, uma harmonia com as premissas do Arquiteto Souto Moura relativamente ao conceito de ruína e consequentemente da importância dessa passagem do tempo.



Esta escolha técnica – e estética – reforça a evidência de que o que se vê na tela são fotografias isoladas, regressando em plena era digital ao proto-cinema ou às sequências das cronofotografias de Muybridge. As imagens isoladas poderão perder aquela atenção aos detalhes da paisagem e, certamente, a percepção da passagem do tempo, mas por outro lado evidenciam a precisão dos enquadramentos. Foi essa noção, em conjunto com a mudança de escala da tela de cinema para a impressão fotográfica, que norteou esta selecção, em que Peter Bo Rappmund preferiu reforçar os detalhes da arquitectura através de imagens mais simples e abstractas, que o próprio, sugestivamente, baptizou em séries de “ângulos”, “interiores” ou “linhas”.

"Nossa Senhora da Apresentação" estreia em Televisão

29 Fevereiro 2016
Share on Facebook Share on Twitter

A curta-metragem "Nossa Senhora da Apresentação", produzida pela Curtas Metragens CRL e realizada por Abi Feijó, Daniela Duarte, Alice Guimarães e Laura Gonçalves, estreia em televisão a 9 de março no programa Cinemax, da RTP. 

A animação “Nossa Senhora da Apresentação” foi desenvolvida durante uma residência artística de Abi Feijó no decurso da Animar / Rua Animada, em 2014, com participação de Alice Guimarães, Daniela Duarte e Laura Gonçalves. O resultado é uma curta-metragem de seis minutos que resgata um poema escrito em 1940 pelo neorrealista Álvaro Feijó, narrado por Ana Deus, e ilustrado com recurso à pixilação e ao stop motion.

Exposição "Animar 11" na Solar

29 Fevereiro 2016
Share on Facebook Share on Twitter

A Solar - Galeria de Arte Cinemática, em Vila do Conde, recebe até 5 de junho a exposição "Animar 11", integrada no projeto educativo Animar. 


A exposição Animar 11 parte dos materiais, adereços, personagens, cenários e de diversos elementos que fizeram parte do processo de produção de três curtas-metragens de animação: “Nossa Senhora da Apresentação” de Abi Feijó, Alice Guimarães, Daniela Duarte e Laura Gonçalves; “Papel de Natal” de José Miguel Ribeiro; e “Amélia & Duarte” de Alice Eça Guimarães e Mónica Santos. Estes elementos, apresentados na galeria de forma interativa e surpreendente, exploram as relações de causa e efeito que as diferentes expressões, visuais e sonoras, estabelecem com a estrutura narrativa dos filmes.

A animação “Nossa Senhora da Apresentação” foi desenvolvida durante uma residência artística de Abi Feijó no decurso da Animar / Rua Animada, em 2014, com participação de Alice Guimarães, Daniela Duarte e Laura Gonçalves. O resultado é uma curta-metragem de seis minutos que resgata um poema escrito em 1940 pelo neorrealista Álvaro Feijó, narrado por Ana Deus, e ilustrado com recurso à pixilação e ao stop motion.


Papel de Natal”, de José Miguel Ribeiro, conta a história de Dodu, um destemido boneco de cartão – a mesma personagem de “Dodu – O Rapaz de Cartão” –, Camila, uma menina de oito anos, e um Pai Natal que lutam contra o monstro Desperdício reciclando o papel de embrulho dos presentes de Natal. A animação conta com as vozes de Crista Alfaiate, Ivo Canelas, entre outros.


Em “Amélia & Duarte”, de Mónica Santos e Alice Guimarães, somos guiados através do relacionamento das duas personagens que se separaram e tentam lidar com os sentimentos do final de uma relação. A curta-metragem é feita em pixilação e stop-motion sob uma ambiência Technicolor da década de 50, retratando não só o surrealismo das ações dos protagonistas, mas também proporcionando uma impressão cromática irónica sobre o fim do amor. O filme, premiado em vários festivais em Portugal e no estrangeiro, tem sido dos mais destacados no panorama da animação nacional recente.

A exposição "Animar 11" pode ser visitada gratuitamente todos os dias entre as 14:00 e as 18:00. 

Presença Portuguesa no Festival de Clermont-Ferrand

26 Janeiro 2016
Share on Facebook Share on Twitter

O Festival de Curtas-Metragens de Clermont-Ferrand decorre entre 5 e 13 de fevereiro. “A Glória de Fazer Cinema em Portugal” de Manuel Mozos e “O Guardador” de Rodrigo Areias são os únicos filmes portugueses a concurso. À semelhança dos anos anteriores, a Agência da Curta Metragem voltará a marcar presença no Mercado do Festival para divulgar as obras nacionais.

 


“A Glória de Fazer Cinema em Portugal” de Manuel Mozos e “O Guardador” de Rodrigo Areias são os filmes que vão representar Portugal na 38ª edição do maior e mais importante festival de curtas-metragens europeu, o Festival de Clermont-Ferrand que arranca a 5 de fevereiro.

 

Os dois filmes, os únicos portugueses a concurso, foram selecionados de um universo de 7778 obras de todo o mundo colocadas à consideração do festival francês para integrar a sua competição internacional, o segundo maior do país a seguir ao Festival de Cannes.

 

A Glória de Fazer Cinema em Portugal” estreou em julho no 23º Curtas Vila do Conde – Festival Internacional de Cinema e resultou de uma encomenda da Curtas Metragens CRL ao realizador Manuel Mozos. O filme tem como ponto de partida uma carta escrita por José Régio, em 1929, a Alberto Serpa onde o escritor manifestou a vontade de fundar uma produtora para começar a fazer cinema. Durante quase noventa anos, nada se soube sobre o desfecho deste pedido: nunca se encontrou qualquer resposta de Serpa à carta e Régio não terá voltado a mencionar o assunto. “A Glória de Fazer Cinema em Portugal” tenta desvendar o desfecho desta história.

 

O Guardador”, de Rodrigo Areias, surgiu a partir de um convite feito pela Universidade da Beira Interior ao realizador para lecionar um workshop, integrando os alunos na construção da narrativa do filme. A obra marca o regresso de Rodrigo Areias à Serra da Estrela, depois de “Estrada de Palha”, num processo que, com escassos recursos, envolveu apenas uma atriz local, 30 estudantes e uma câmara de bolso. A curta inspira-se em quatro livros - “Constantino Guardador de Vacas e de Sonhos” de Alves Redol; “O Guardador de Rebanhos” do heterónimo de Fernando Pessoa, Alberto Caeiro; “O Capital de Karl Marx” e a “Lã e a Neve” de Ferreira de Castro. “O Guardador” é sobretudo um filme acerca do valor do trabalho, a solidão e a incomunicabilidade, sobre um homem que trabalha de dia como pastor e de noite, como guarda-nocturno no Museu da Lã.



- Agência da Curta Metragem no Mercado do Festival, The Legendary Tigerman na festa portuguesa

 

“A Glória de Fazer Cinema em Portugal” e “O Guardador” integram o catálogo de filmes da Agência da Curta Metragem que voltará a marcar presença no Mercado do Festival, onde participa desde 1999, assegurando a promoção da produção portuguesa através de um stand promocional e um conjunto de atividades diárias de divulgação junto dos mais de 3000 profissionais que, todos os anos, se reúnem no mercado.

 

Para além das obras nacionais, também os sabores portugueses e a música vão estar representados em Clermont-Ferrand: o tradicional happy hour no stand da Agência voltará a proporcionar um momento de convívio entre produtores, realizadores, programadores e outros profissionais da indústria; e a festa portuguesa, no Baraka Club, terá como convidado The Legendary Tigerman DJ set e outros Djs portugueses.

 

A presença da Agência em Clermont- Ferrand é apoiada pelo Instituto do Cinema e do Audiovisual, o Instituto Camões, a Embaixada de Portugal em Paris, a Câmara Municipal de Vila do Conde e a Niepoort.



- Terratreme e João Vladimiro no Euroconnection

 

No fórum de co-produção Euroconnection, que decorre todos os anos durante o Festival de Clermont-Ferrand, Portugal será representado pela produtora Terratreme Filmes e o realizador João Vladimiro que está, neste momento, a preparar a nova curta-metragem “Do Berço Prá Cova”. O projeto será apresentado numa sessão de pitching no dia 9 de fevereiro.

 

A produtora portuguesa de animação Animais foi também convidada para o mesmo fórum como observadora.

 

Esta plataforma pretende encontrar parcerias entre produtores europeus, investidores, patrocinadores e televisões. Os festivais portugueses associados ao Euroconnection são o Curtas Vila do Conde e o IndieLisboa.

 

←prev 1  I  2  I  3  I  4  I  5  I  6  I  7  I  8  I  9  I  10  I  11  I  12  I  13  I  14  I  15  I  16  I  17 next→
ETIQUETAS