Produções do Curtas Vila do Conde no Doclisboa

29 Setembro 2015
Share on Facebook Share on Twitter

As curtas-metragens "Vila do Conde Espraiada", de Miguel Clara Vasconcelos, e "A Glória de Fazer Cinema em Portugal", de Manuel Mozos, produzidas pelo Curtas Vila do Conde no âmbito do Campus, estão selecionadas para a 13ª edição do Doclisboa, que decorre entre 22 de outubro e 1 de novembro. 

"Vila do Conde Espraiada", um filme sobre as memórias da cidade desenvolvido a partir de materiais como textos, gravações e fotografias familiares, integrá a Competição Portuguesa enquanto "A Glória de Fazer Cinema em Portugal", inspirada numa carta escrita por José Régio em 1929, será apresentada na Competição Internacional do festival. 

"Noite Sem Distância" em Toronto e Nova Iorque

18 Agosto 2015
Share on Facebook Share on Twitter

A curta-metragem “Noite Sem Distância”, de Lois Patiño, filmada em Portugal e produzida pelo Curtas Vila do Conde, será apresentada em estreia norte-americana no 40º Festival Internacional de Cinema de Toronto seguindo, depois, para o Festival de Cinema de Nova Iorque. 

Depois da estreia no Curtas Vila do Conde e da passagem pelo prestigiado Festival de Cinema de Locarno, “Noite Sem Distância”, do realizador galego Lois Patiño”, será apresentada, em estreia norte-americana, no Festival Internacional de Cinema de Toronto, que decorre entre 10 e 20 de setembro. A curta-metragem integra a secção “Wavelengths”, uma mostra de filmes “avant-garde”, que apresentará também os três volumes de “As Mil e Uma Noites”, de Miguel Gomes.

O filme seguirá, depois, para o Festival de Cinema de Nova Iorque, que acontece entre 25 de setembro e 11 de outubro.  


Filmada na fronteira entre Portugal e Galiza, “Noite Sem Distância”, aborda as histórias daquela região, entre elas, o papel que o contrabando teve no desenvolvimento dos dois países. O filme, em negativo, conta com a participação de alguns habitantes da região que foram, inclusivamente, contrabandistas na juventude.


“Noite Sem Distância” é um dos filmes produzidos pela Curtas Metragens CRL, entidade responsável pelo Curtas Vila do Conde – Festival Internacional de Cinema, integrando, na equipa técnica, estudantes de cinema de audiovisual da região norte.

Produções do Curtas Vila do Conde selecionadas para Locarno

15 Julho 2015
Share on Facebook Share on Twitter

Três das produções da Curtas Metragens CRL, apresentadas em estreia mundial no último Curtas Vila do Conde, foram selecionadas para o prestigiado Festival de Cinema de Locarno, que decorre entre 5 e 15 de agosto.

"Noite Sem Distância" de Lois Patiño, "A Glória de Fazer Cinema em Portugal" de Manuel Mozos, "Undisclosed Recipients" de Sandro Aguilar, serão apresentadas na secção não competitiva Fuori Concorso.

Esta secção apresenta curtas-metragens de relevo de cineastas proeminentes. Trata-se de um prestigiado programa, com uma importância crescente, pois o Festival de Locarno não inclui uma competição de filmes de cineastas que já tenham realizado longas-metragens.


Noite Sem Distância”, de Lois Patiño, acontece na fronteira entre Portugal e a Galiza, desenvolvendo as histórias que habitam esses espaços, nomeadamente o papel do contrabando no desenvolvimento dos dois países. “Decidi representar uma cena de contrabando na Serra do Gerês em estradas que os contrabandistas realmente usaram. E as pessoas da região participariam enquanto atores (muitos deles foram, inclusivamente, contrabandistas na juventude)”, explica o galego Lois Patiño.


Para “Undisclosed Recipients”, Sandro Aguilar escolheu como ponto de partida a energia do festival de Paredes de Coura. “Interessou-me observar por uma vez os jovens, aqui num certo estado físico e mental, misto muito sugestivo de alheamento e alerta”, refere o realizador.


Já Manuel Mozos, inspirou-se numa carta que José Régio escreveu, em 1929, a Alberto Serpa onde manifestou a vontade de fundar uma produtora para começar a fazer cinema. Durante quase noventa anos, nada se soube sobre o desfecho deste pedido: nunca se encontrou qualquer resposta de Serpa à carta e Régio não terá voltado a mencionar o assunto. “A Glória de Fazer Cinema em Portugal” tenta desvendar o desfecho desta história.

Também o vencedor da Competição Nacional do 23º Curtas Vila do Conde foi selecionado para Locarno: a curta-metragem "Maria do Mar", de João Rosas, estará na Competição Pardo di Domani (Leopards of Tomorrow). Esta secção competitiva é reservada a filmes de curta e média duração realizados por jovens cineastas que ainda não realizaram longas-metragens.

Exposição "Reconversão" na Fnac de Almada

24 Março 2015
Share on Facebook Share on Twitter

Depois de ter passado pela Fnac de Coimbra, a exposição intinerante “Reconversão” segue para a Fnac de Almada onde ficará patente entre 2 de abril e 2 de junho.


Esta exposição reúne vinte fotografias de Peter Bo Rappmund, diretor de fotografia do documentário de Thom Andersen “Reconversão”. O filme, produzido pela Curtas Metragens CRL no 20º aniversário do Curtas Vila do Conde, é uma investigação em torno da obra do arquitecto Eduardo Souto Moura, através de uma análise de 17 das suas criações mais emblemáticas.

As imagens foram escolhidas pelo director de fotografia, Peter Bo Rappmund, que através do uso do “time-lapse” ofereceu ao filme “Reconversão” o seu aspeto visual característico comum, aliás, à maioria dos filmes de Rappmund, ele próprio realizador. É uma técnica justa, na medida que se adapta perfeitamente aos temas do filme: a passagem do tempo, as ruínas. Por um lado, chama a nossa atenção para elementos da paisagem que passariam despercebidos a 24 imagens por segundo. Por outro, dá-nos uma percepção nítida da passagem do tempo na paisagem, reforçando uma maior imutabilidade da arquitectura e garantindo, de outra forma, uma harmonia com as premissas do Arquiteto Souto Moura relativamente ao conceito de ruína e consequentemente da importância dessa passagem do tempo.

 

Esta escolha técnica – e estética – reforça a evidência de que o que se vê na tela são fotografias isoladas, regressando em plena era digital ao proto-cinema ou às sequências das cronofotografias de Muybridge. As imagens isoladas poderão perder aquela atenção aos detalhes da paisagem e, certamente, a percepção da passagem do tempo, mas por outro lado evidenciam a precisão dos enquadramentos. Foi essa noção, em conjunto com a mudança de escala da tela de cinema para a impressão fotográfica, que norteou esta selecção, em que Peter Bo Rappmund preferiu reforçar os detalhes da arquitectura através de imagens mais simples e abstractas, que o próprio, sugestivamente, baptizou em séries de “ângulos”, “interiores” ou “linhas”.

 

Esta exposição assinala a edição em DVD de “Reconversão”, de Thom Andersen, numa parceria entre a FNAC e o Curtas Vila do Conde. O filme, produzido no âmbito do 20º aniversário do Festival de Cinema, retrata 17 edifícios e projetos do arquiteto portuense Eduardo Souto de Moura, acompanhados pelos seus próprios escritos.

 

 

←prev 1  I  2  I  3  I  4  I  5  I  6  I  7  I  8  I  9  I  10  I  11  I  12  I  13  I  14  I  15  I  16 next→
ETIQUETAS