Produções do Curtas Vila do Conde selecionadas para Locarno

15 Julho 2015
Share on Facebook Share on Twitter

Três das produções da Curtas Metragens CRL, apresentadas em estreia mundial no último Curtas Vila do Conde, foram selecionadas para o prestigiado Festival de Cinema de Locarno, que decorre entre 5 e 15 de agosto.

"Noite Sem Distância" de Lois Patiño, "A Glória de Fazer Cinema em Portugal" de Manuel Mozos, "Undisclosed Recipients" de Sandro Aguilar, serão apresentadas na secção não competitiva Fuori Concorso.

Esta secção apresenta curtas-metragens de relevo de cineastas proeminentes. Trata-se de um prestigiado programa, com uma importância crescente, pois o Festival de Locarno não inclui uma competição de filmes de cineastas que já tenham realizado longas-metragens.


Noite Sem Distância”, de Lois Patiño, acontece na fronteira entre Portugal e a Galiza, desenvolvendo as histórias que habitam esses espaços, nomeadamente o papel do contrabando no desenvolvimento dos dois países. “Decidi representar uma cena de contrabando na Serra do Gerês em estradas que os contrabandistas realmente usaram. E as pessoas da região participariam enquanto atores (muitos deles foram, inclusivamente, contrabandistas na juventude)”, explica o galego Lois Patiño.


Para “Undisclosed Recipients”, Sandro Aguilar escolheu como ponto de partida a energia do festival de Paredes de Coura. “Interessou-me observar por uma vez os jovens, aqui num certo estado físico e mental, misto muito sugestivo de alheamento e alerta”, refere o realizador.


Já Manuel Mozos, inspirou-se numa carta que José Régio escreveu, em 1929, a Alberto Serpa onde manifestou a vontade de fundar uma produtora para começar a fazer cinema. Durante quase noventa anos, nada se soube sobre o desfecho deste pedido: nunca se encontrou qualquer resposta de Serpa à carta e Régio não terá voltado a mencionar o assunto. “A Glória de Fazer Cinema em Portugal” tenta desvendar o desfecho desta história.

Também o vencedor da Competição Nacional do 23º Curtas Vila do Conde foi selecionado para Locarno: a curta-metragem "Maria do Mar", de João Rosas, estará na Competição Pardo di Domani (Leopards of Tomorrow). Esta secção competitiva é reservada a filmes de curta e média duração realizados por jovens cineastas que ainda não realizaram longas-metragens.

Exposição "Reconversão" na Fnac de Almada

24 Março 2015
Share on Facebook Share on Twitter

Depois de ter passado pela Fnac de Coimbra, a exposição intinerante “Reconversão” segue para a Fnac de Almada onde ficará patente entre 2 de abril e 2 de junho.


Esta exposição reúne vinte fotografias de Peter Bo Rappmund, diretor de fotografia do documentário de Thom Andersen “Reconversão”. O filme, produzido pela Curtas Metragens CRL no 20º aniversário do Curtas Vila do Conde, é uma investigação em torno da obra do arquitecto Eduardo Souto Moura, através de uma análise de 17 das suas criações mais emblemáticas.

As imagens foram escolhidas pelo director de fotografia, Peter Bo Rappmund, que através do uso do “time-lapse” ofereceu ao filme “Reconversão” o seu aspeto visual característico comum, aliás, à maioria dos filmes de Rappmund, ele próprio realizador. É uma técnica justa, na medida que se adapta perfeitamente aos temas do filme: a passagem do tempo, as ruínas. Por um lado, chama a nossa atenção para elementos da paisagem que passariam despercebidos a 24 imagens por segundo. Por outro, dá-nos uma percepção nítida da passagem do tempo na paisagem, reforçando uma maior imutabilidade da arquitectura e garantindo, de outra forma, uma harmonia com as premissas do Arquiteto Souto Moura relativamente ao conceito de ruína e consequentemente da importância dessa passagem do tempo.

 

Esta escolha técnica – e estética – reforça a evidência de que o que se vê na tela são fotografias isoladas, regressando em plena era digital ao proto-cinema ou às sequências das cronofotografias de Muybridge. As imagens isoladas poderão perder aquela atenção aos detalhes da paisagem e, certamente, a percepção da passagem do tempo, mas por outro lado evidenciam a precisão dos enquadramentos. Foi essa noção, em conjunto com a mudança de escala da tela de cinema para a impressão fotográfica, que norteou esta selecção, em que Peter Bo Rappmund preferiu reforçar os detalhes da arquitectura através de imagens mais simples e abstractas, que o próprio, sugestivamente, baptizou em séries de “ângulos”, “interiores” ou “linhas”.

 

Esta exposição assinala a edição em DVD de “Reconversão”, de Thom Andersen, numa parceria entre a FNAC e o Curtas Vila do Conde. O filme, produzido no âmbito do 20º aniversário do Festival de Cinema, retrata 17 edifícios e projetos do arquiteto portuense Eduardo Souto de Moura, acompanhados pelos seus próprios escritos.

 

 

“Reconversão” em exposição na Fnac de Coimbra

26 Novembro 2014
Share on Facebook Share on Twitter

De 6 de dezembro a 6 de março, a Fnac de Coimbra recebe a exposição itinerante “Reconversão”, com fotos de Peter Bo Rappmund, diretor de fotografia do documentário homónimo realizado por Thom Andersen no âmbito do 20º aniversário do Curtas Vila do Conde. 

Esta exposição reúne vinte imagens do documentário de Thom Andersen “Reconversão”. O filme, produzido pela Curtas Metragens CRL no 20º aniversário do Curtas Vila do Conde, é uma investigação em torno da obra do arquitecto Eduardo Souto Moura, através de uma análise de 17 das suas criações mais emblemáticas.

 

As imagens foram escolhidas pelo director de fotografia, Peter Bo Rappmund, que através do uso do “time-lapse” ofereceu ao filme “Reconversão” o seu aspeto visual característico comum, aliás, à maioria dos filmes de Rappmund, ele próprio realizador. É uma técnica justa, na medida que se adapta perfeitamente aos temas do filme: a passagem do tempo, as ruínas. Por um lado, chama a nossa atenção para elementos da paisagem que passariam despercebidos a 24 imagens por segundo. Por outro, dá-nos uma percepção nítida da passagem do tempo na paisagem, reforçando uma maior imutabilidade da arquitectura e garantindo, de outra forma, uma harmonia com as premissas do Arquiteto Souto Moura relativamente ao conceito de ruína e consequentemente da importância dessa passagem do tempo.

 

Esta escolha técnica – e estética – reforça a evidência de que o que se vê na tela são fotografias isoladas, regressando em plena era digital ao proto-cinema ou às sequências das cronofotografias de Muybridge. As imagens isoladas poderão perder aquela atenção aos detalhes da paisagem e, certamente, a percepção da passagem do tempo, mas por outro lado evidenciam a precisão dos enquadramentos. Foi essa noção, em conjunto com a mudança de escala da tela de cinema para a impressão fotográfica, que norteou esta selecção, em que Peter Bo Rappmund preferiu reforçar os detalhes da arquitectura através de imagens mais simples e abstractas, que o próprio, sugestivamente, baptizou em séries de “ângulos”, “interiores” ou “linhas”.

 

Esta exposição assinala a edição em DVD de “Reconversão”, de Thom Andersen, numa parceria entre a FNAC e o Curtas Vila do Conde. O filme, produzido no âmbito do 20º aniversário do Festival de Cinema, retrata 17 edifícios e projetos do arquiteto portuense Eduardo Souto de Moura, acompanhados pelos seus próprios escritos.

Apresentação de "Reconversão" no Doclisboa

23 Outubro 2014
Share on Facebook Share on Twitter

A propósito do lançamento de "Reconversão" em DVD, o Espaço Apordoc – Culturgest, em Lisboa, recebe, no próximo sábado, 25 de outubro, às 17:30, uma conversa sobre o filme numa iniciativa integrada na 12ª edição do Doclisboa.

A conversa contará com a presença de Miguel Dias, codiretor da Curtas Metragens, e Alexandra Areia, arquiteta e membro do Júri Festival Arquiteturas onde, em 2013, o filme de Thom Andersen venceu o Prémio da Audiência. 


No Porto, a apresentação do DVD terá lugar no dia 29 de outubro, pelas 18:00, na Fnac de Santa Catarina. Para a ocasião, foi pedido ao arquiteto Nuno Grande que escolhesse três sequências do filme que servirão de mote a uma conversa sobre arquitetura e cinema que contará, para além de Nuno Grande, com a presença de Miguel Dias e Dario Oliveira, produtor do documentário

 

Esta edição em DVD, à venda em exclusivo nas lojas Fnac, tem o preço de 4 euros e inclui dois extras: a curta-metragem “Vulgar Fractions” do diretor de fotografia de “Reconversão”, Peter Bo Rappmund, e uma série de fotogramas do filme.

O filme, produzido pela Curtas Metragens no âmbito do 20º aniversário do Curtas vila do Conde – Festival Internacional de Cinema, retrata 17 edifícios e projetos do conceituado arquiteto portuense Eduardo Souto de Moura, acompanhados pelos seus próprios escritos.

 

Tecnicamente, “Reconversão” combina a crueza do proto-cinema com o hiper-realismo do cinema digital, remetendo-nos de novo aos ideais de Dziga Vertov. Filmar um ou dois frames por segundo e animar as imagens à maneira de Muybridge, produz uma resolução mais elevada, embora não necessariamente um melhor sentido da realidade, ressaltando os movimentos da água e da vegetação que geralmente passam despercebidos.

 

 

 

 

←prev 1  I  2  I  3  I  4  I  5  I  6  I  7  I  8  I  9  I  10  I  11  I  12  I  13  I  14  I  15  I  16  I  17 next→
ETIQUETAS