Produção Estaleiro na 64ª Berlinale

21 Janeiro 2014
Share on Facebook Share on Twitter

A curta-metragem "Fernando que Ganhou um Pássaro do Mar", de Felipe Bragança e Helvécio Marins Jr., foi selecionada para a Berlinale, o Festival Internacional de Cinema de Berlim, que acontece de 6 a 16 de fevereiro na Alemanha.


O filme será exibido na 9ª edição do Forum Expanded, uma secção paralela ao Festival que este ano tem como mote a questão "O que sabemos quando sabemos onde algo está?". Nesta secção do festival, que tem início a 5 de fevereiro, serão exibidos cerca de 50 trabalhos de 20 países de todo o mundo. 

Nuno Rodrigues, codiretor do Curtas Vila do Conde – Festival Internacional de Cinema e produtor do filme, integrará o Júri do Festival, responsável pela atribuição do Urso de Ouro e de Prata às melhores curtas-metragens em competição, do Prémio DAAD e pela seleção do nomeado do Festival para os Prémios Europeus de Cinema.

 

“Fernando que Ganhou um Pássaro do Mar" parte de um diálogo imaginário entre Portugal e o Brasil, numa pequena cantiga luso-brasileira. Fernando divide seu tempo entre um café da vizinhança e a pequena casa em que vive no Porto. Do Brasil, recebe um pequeno presente que lhe faz imaginar o Paraíso.

A história é inspirada em uma das personagens do último trabalho de Helvécio Marins Jr., "O Canto do Rocha", filmado em 2012 no Norte de Portugal. "A personagem do Fernando, chamou a atenção porque falava e interagia muito pouco. Estava sempre a olhar para o horizonte... Nós começámos a sonhar um pouco a refletir em torno da eventualidade daquele homem estar a imaginar outras vidas possíveis. Em certos momentos, o Fernando falava de viagens, de já ter ido para outros lugares e de ter acabado por voltar a Portugal. Essa ideia da viagem levou-nos a essa vontade de desenvolver um diálogo entre o que seria esse imaginário de Portugal e do Brasil", refere Felipe Bragança. 

O filme, produzido pela Curtas Metragens CRL no âmbito do projeto Estaleiro, envolveu uma equipa de estudantes de cinema de Portugal e do Brasil. A antestreia mundial da curta-metragem teve lugar na última edição do Curtas Vila do Conde - Festival Internacional de Cinema, em 2013.

A Mãe e o Mar no Festival de Roterdão

17 Janeiro 2014
Share on Facebook Share on Twitter

A longa-metragem “A Mãe e o Mar”, de Gonçalo Tocha, foi selecionada para o Festival de Cinema de Roterdão que se realiza de 22 de janeiro a 2 de fevereiro nos Países Baixos. O documentário será apresentado na secção My Own Private Europe, que pretende redescobrir a identidade da Europa através do ponto de vista pessoal de vários realizadores europeus. 


O filme foi também escolhido para abrir a 13º edição do Festival de Documentários do Museu de Arte Moderna (MoMa), que decorre entre 14 e 28 de Fevereiro em Nova Iorque. O documentário português será exibido no primeiro dia do festival que, este ano, vai contar com certa de 30 filmes internacionais. 

O documentário, produzido pela Curtas Metragens CRL no âmbito do projeto Estaleiro com a participação de uma equipa de estudantes de cinema do Porto, aborda o dia-a-dia das mulheres “pescadeiras” da praia de Vila Chã, em Vila do Conde. 

"A Mãe e o Mar" no Festival de Roma

15 Outubro 2013
Share on Facebook Share on Twitter

Roma é a cidade escolhida para a estreia internacional de "A Mãe a o Mar", longa-metragem realizada por Gonçalo Tocha e produzida pela Curtas Metragens CRL, no âmbito do projeto Estaleiro. O filme integra a competição Cinema XXI do Festival Internacional de Cinema de Roma (Itália), que se realiza entre os dias 8 e 17 de novembro. Rodado na praia de Vila Chã, este projeto de Tocha recupera a tradição das mulheres pescadeiras, fenómeno singular no contexto mundial. "A Mãe e o Mar" foi produzido com uma equipa de estudantes de cinema da região do Porto.




Para além disso, antes desta exibição em Roma, o filme poderá ainda ser visto em competição no DocLisboa a 1 e 2 de Novembro. "A Mãe e o Mar" tem já agendadas exibições nos festivais CPH DOX (Dinamarca), Mar Del Plata (Argentina) e Rencontres Internationales du Documentaire em Montreal (Canadá).

+info sobre o filme site da Agência da Curta Metragem

"Mahjong" nas salas de cinema

18 Setembro 2013
Share on Facebook Share on Twitter

A curta-metragem "Mahjong" - projeto realizado por João Pedro Rodrigues e João Rui Guerra da Mata e produzido pela Curtas Metragens CRL - será exibida comercialmente nas salas portuguesas a partir do próximo dia 3 de outubro. O filme será exibido em complemento à longa-metragem "Interior. Leather Bar", de James Franco e Travis Mathews. "Mahjong" foi produzido no âmbito do projeto Estaleiro, envolvendo dois realizadores experientes com uma equipa de jovens estudantes do Porto. 

O filme desenrola-se em Varziela, Vila do Conde, a maior Chinatown de Portugal e prolonga os temas asiáticos da dupla de realizadores ("Alvorada Vermelha", "A Última Vez que vi Macau"). Também acentua a pesquisa híbrida entre ficção e documentário que caracteriza os seus filmes anteriores. É ainda um exercício de género, misturando o suspense com o humor negro.

Sinopse do filme: "Um homem de chapéu e uma mulher desaparecida. Um sapato de salto alto, uma peruca loira e um vestido chinês. O confronto entre o Vento Leste e o Dragão Vermelho; os pontos cardeais trocados como num derradeiro jogo de Mahjong".

João Pedro Rodrigues e João Rui Guerra da Mata têm trabalhado em dupla nos últimos anos, mas também têm desenvolvido projetos pessoais. João Pedro Rodrigues é um dos nomes mais importantes do mais recente cinema português, com uma filmografia de várias longas-metragens. João Rui Guerra da Mata é um colaborador de longa data de João Pedro Rodrigues, mas também surpreendeu o mundo cinematográfico com a sua primeira obra em nome próprio: "O que Arde Cura". 

←prev 1  I  2  I  3  I  4  I  5  I  6  I  7  I  8  I  9  I  10  I  11  I  12  I  13  I  14  I  15  I  16 next→
ETIQUETAS