"Fernando que Ganhou um Pássaro do Mar" em Brasília

18 Setembro 2013
Share on Facebook Share on Twitter

O filme "Fernando que Ganhou um Pássaro do Mar" - uma produção Curtas Metragens CRL, realizada por Felipe Bragança e Helvécio Marins Jr. - foi selecionada para a competição oficial do 46º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. Recorde-se que o filme foi produzido no âmbito do projeto Estaleiro - envolvendo uma equipa de jovens estudantes de Portugal e do Brasil - e teve a sua ante-estreia mundial no 21º Curtas Vila do Conde, ainda numa versão de trabalho. O filme a ser projetado em Brasília é já uma versão final do projeto.

"Fernando que Ganhou um Pássaro do Mar" parte de um diálogo imaginário entre Portugal e o Brasil, numa pequena cantiga luso-brasileira. Fernando divide seu tempo entre um café da vizinhança e a pequena casa em que vive no Porto. Do Brasil, recebe um pequeno presente que lhe faz imaginar o Paraíso.

A curta-metragem é realizada por Helvécio Marins Jr. (autor de outro filme produzido pela Curtas Metragens CRL, "O Canto do Rocha"; e autor da aclamada longa-metragem "Girimunho") e por Felipe Bragança (um dos novos autores do cinema brasileiro, responsável, entre outras, pela longa-metragem "A Alegria"). 

+info no site oficial do Festival de Brasília

"A Mãe e o Mar", de Gonçalo Tocha, apresentado em Vila Chã

31 Julho 2013
Share on Facebook Share on Twitter

O filme "A Mãe e o Mar", de Gonçalo Tocha, será apresentado no local onde foi rodado, na praia de Vila Chã, em Vila do Conde.

Depois da estreia mundial durante a 21ª edição do Curtas Vila do Conde – onde foi exibido juntamente com outros filmes realizados no âmbito do projeto Estaleiro, da responsabilidade da cooperativa Curtas Metragens CRL – o mais recente trabalho de Gonçalo Tocha será exibido na praia de Vila Chã, no dia 2 de Agosto, pelas 22:00.

Com entrada livre e com o apoio da Junta de Freguesia de Vila Chã e da Câmara Municipal de Vila do Conde, o documentário com 100 minutos sobre as mulheres pescadeiras daquela praia será exibido no Alto dos Varais, epicentro da rodagem.

A MÃE E O MAR
Portugal, 2013, DOC, HD, Cor, 91'
Na senda de um mito real e perdido no lugar da praia de Vila Chã, as mulheres do mar chamadas “pescadeiras”, um dos poucos lugares do mundo com mulheres arrais. Mas onde estão elas? E onde estão os 120 barcos de pesca artesanal? Sobram 8 barcos e uma única mulher pescadeira. Em terra de brava gente do mar, filma-se a paixão da pesca, a paixão do mar.

 

GONÇALO TOCHA

Cineasta e músico. Nasceu em Lisboa e neto de micaelenses. Tirou curso e pós-graduação na Faculdade de Letras de Lisboa em 2003 e foi professor de português para estrangeiros. Na universidade criou o NuCiVo (Núcleo de Cinema e Vídeo) onde foi responsável pela sua programação e produção durante 6 anos. Trabalhou como videasta para teatro (Truta, Grupo Teatro de Letras) e musica (Deolinda, Bandarra).

A sua primeira longa-metragem “Balaou” (2007), filme de homenagem à sua mãe rodada em São Miguel, foi vencedor do Melhor Filme Português e Melhor Fotografia no Indielisboa 2007 e foi exibido na RTP2 e no canal franco-alemão ARTE. A sua segunda longa-metragem “É NA TERRA NÃO É NA LUA” (2011), rodado na integra na Ilha do Corvo, teve estreia mundial no Festival de Locarno 2011, onde obteve uma menção especial do júri. Obteve mais 4 primeiros prémios: no Doclisboa 2011; BAFICI (Buenos Aires) 2012; San Francisco Int. Film Festival 2012; DocumentaMadrid 2012 e teve estreia comercial em Portugal (Porto e Lisboa) e em Nova Iorque no Anthology Film Archives.

Em 2012 foi convidado a realizar mais dois filmes, um para a Capital Europeia da Cultura – Guimarães 2012, “TORRES & COMETAS” que teve estreia internacional no Festival de Roterdão 2013 e outro para o programa Estaleiro da Curtas Metragens CRL, “A MÃE E O MAR” sobre as mulheres pescadeiras de Vila Chã, com estreia durante a 21ª edição do Curtas Vila do Conde 2013.

É o Amor editado em DVD

25 Julho 2013
Share on Facebook Share on Twitter

A última longa-metragem de João Canijo, "É o Amor", é editada em DVD a 26 de julho, sendo distribuída com o jornal Público e estando também disponível nas lojas. Este filme foi produzido no âmbito das produções Campus/Estaleiro, numa coprodução entre a Curtas Metragens CRL e a Midas Filmes.

Resultado do trabalho do realizador e da atriz Anabela Moreira com a comunidade piscatória das Caxinas, numa encomenda do Estaleiro, o filme retrata o trabalho e a vida de um grupo de mulheres e em particular de uma mestra, Sónia Nunes, e da sua família.

Nas Caxinas, em Vila do Conde, João Canijo encontrou a história de amor perfeita, ao som da música de Zézé Di Camargo e Luciano. Os homens partem para o mar, enquanto as mulheres ficam em terra. Mas as mestras já são não peixeiras enlutadas, são mulheres modernas e apaixonadas que gerem os negócios e a vida familiar. São elas a âncora da vida. Este é um filme sobre duas mulheres muito diferentes: uma mestra, Sónia Nunes, e uma actriz Anabela Moreira, cujo encontro se dará no filme mais luminoso de João Canijo, um documento imprescindível sobre as mulheres e o Portugal dos nossos dias.

O filme será, mais tarde, exibido na RTP, na sua versão televisão em duas partes.

"É o Amor", de João Canijo, em estreia

18 Abril 2013
Share on Facebook Share on Twitter

O filme "É o Amor", de João Canijo, tem estreia nacional no próximo dia 25 de abril, em Lisboa e no Porto. Antes de chegar aos cinemas, o filme também será exibido durante o IndieLisboa. "É o Amor" foi rodado nas Caxinas, em Vila do Conde, e parte de uma encomenda do projeto Campus/Estaleiro. É uma coprodução entre a Curtas Metragens CRL e a Midas Filmes. O filme é exibido em Vila do Conde, dia 11 de Maio, no Teatro Municipal, às 16h e 21h45.

O filme foi desenvolvido por João Canijo, juntamente com a atriz Anabela Moreira (que se "infiltrou" na comunidade piscatória), juntamente com uma equipa técnica composta de estudantes. O realizador descreve assim a sua proposta: Nas Caxinas, freguesia de pescadores em Vila do Conde, cidade do Norte de Portugal, a relação entre a mulher e o pescador funda-se numa confiança vital, numa dependência recíproca e total para a sobrevivência da família. Porque a mulher confia e depende do pescador para ganhar a vida, e o pescador confia e depende da mulher para governar a vida. Neste filme acompanhamos um grupo de mulheres das Caxinas no seu dia-a-dia, no trabalho quotidiano e com a família. Com a ajuda de uma actriz que se torna mais uma entre as mulheres das Caxinas.


O filme teve ante-estreia mundial durante o mês de dezembro de 2012, durante a cerimónia de encerramento do projeto Estaleiro.

←prev 1  I  2  I  3  I  4  I  5  I  6  I  7  I  8  I  9  I  10  I  11  I  12  I  13  I  14  I  15  I  16  I  17 next→
ETIQUETAS