Salomé Lamas apresenta obras inéditas em exposição na Solar Galeria de Arte Cinemática

4 Outubro 2017
Share on Facebook Share on Twitter

A Solar Galeria de Arte Cinemática, em Vila do conde, inaugura no sábado, 14 de outubro, às 16:00, a exposição “Salomé Lamas: Solo”, composta por filmes, vídeo instalações e instalações sonoras, incluindo obras inéditas. A abertura contará com um concerto de Filipe Felizardo, compositor da banda sonora de alguns trabalhos de Salomé Lamas. 

Realizadora e artista plástica, Salomé Lamas é um dos nomes mais relevantes e promissores do panorama artístico nacional, não só pelo extenso currículo face à idade, mas também pelas características dos seus trabalhos. As suas obras desafiam a metodologia convencional de produção cinematográfica e de expressão estética, explorando novos caminhos. O resultando são trabalhos híbridos que se situam entre o documentário e a ficção, as artes plásticas e o cinema.


Os projetos de Salomé Lamas desenvolvem-se em torno da relação intrínseca entre narrativa, memória e história, utilizando a imagem em movimento para explorar o traumaticamente reprimido, o aparentemente irrepresentável ou o historicamente invisível, desde os horrores da violência colonial até às paisagens do capital global. Em vez de se colocar numa situação periférica, algures entre o cinema e as artes visuais, ficção e documentário, Salomé Lamas transforma-os numa linguagem própria, desafiando, também, a divisão entre géneros e modos de exibição.


Grande parte das suas obras resultam de uma viagem a uma realidade desconhecida, que a realizadora ocupa conscientemente como um corpo estranho que choca contra a envolvente, desencadeando o drama e esperando pacientemente que a realidade se torne extraordinária. São filmes destemidos, tanto quanto aos riscos formais como narrativos que assumem, e que evidenciam a sua performance física, quando vemos a realizadora amarrada, pendurada, a cair ou a sentar-se silenciosamente atrás da câmara.


Na Solar Galeria de Arte Cinemática, Salomé Lamas apresenta, até 25 de novembro, um trabalho eclético composto por filmes, vídeo instalações e instalações sonoras, incluindo obras inéditas. É o caso de Ubi Sunt II e Ubi Sunt III que integram um tríptico que será exposto, pela primeira vez, na sua totalidade. O trabalho parte de Ubi Sunt I, curta-metragem produzida em 2016 a convite do programa Cultura em Expansão da Câmara Municipal do Porto, que explora o tecido humano e urbano de uma cidade em expansão. O filme é uma aliteração das vídeo-instalações Ubi Sunt II e III.


Em Horizon – NoziroH, também em estreia, o realizador brasileiro Gregorio Graziosi espelha matematicamente e rigorosamente A Torre (2015). Aqui, a floresta é substituída pelo urbanismo desconcertante de São Paulo e a figura humana pela figura de uma estátua equestre do Duque de Caxias, por Victor Brecheret.

 

Produzido para a exposição na Solar, Autorretrato (2017) é composto por um díptico de duas gravuras concebidas por Salomé Lamas derivadas de materiais recolhidos na produção de Extinção. Replicam o visto de jornalista emitido pelas autoridades da Transnístria, enclave pró-russo na Moldávia, que autoproclamou um estatuto de independência rejeitado pela política internacional; e a transcrição de diálogos de um encontro da equipa com o KGB, que culmina num interrogatório.

 

Por sua vez, VHS – Video Home System (2010-2012) sugere uma autorrepresentação dissimulada, com uma nota crítica à produção que trabalha a catarse do autor. À mesa da cozinha, duas mulheres íntimas, de vozes e fisionomia idênticas, utilizam os brutos de uma cassete de VHS de 1995, como pretexto para discutirem as forças de poder, afeto e expectativa impressas no passado, reconhecidas no presente e projetadas no futuro.

 

Na instalação Eldorado XXI é referenciado Mount Ananea através do revestimento da sala em brita – semelhante aos despojos extraídos do interior das minas da região onde foi produzido, e reapresentando a edição de vinil que contou com o desenho de som de Bruno Moreira, a música de Norberto Lobo e João Lobo. O que o vinil permite escutar ressoa de forma evidente com o desenho de som de Miguel Martins para Eldorado XXI.

 

Terra de Ninguém (2012) repete a instalação no espaço que havia experimentado em 2015 em Serralves. Na cave da Solar, o desconforto dos conteúdos apresentados, o dispositivo e a duração são extremados pelas características arquitetónicas claustrofóbicas associadas à humidade.

 

Salomé Lamas (1987, Lisboa) estudou cinema em Lisboa e Praga, Artes Visuais MFA em Amsterdão e é doutoranda em Arte Contemporânea na Universidade de Coimbra. O seu trabalho já foi mostrado em Portugal e no estrangeiro, tanto em prestigiados espaços dedicados à arte, como em festivais de cinema. Colabora regularmente com a produtora O Som e a Fúria e é representada pela Galeria Miguel Nabinho – Lisboa 20.

Em simultâneo, no espaço CAVE, dedicado a autores emergentes, Mariana Silva expõe "P/p", uma instalação vídeo que justapõe uma pulseira da era colonial, que historicamente terá sido usada como pagamento na compra de escravos, com várias correntes, consideradas joias.


Mariana Silva (1983, Lisboa) é Licenciada pela Faculdade de Belas-Artes, Universidade de Lisboa. Foi vencedora do prémio EDP Novos Artistas 2015 (Lisboa) e BES Revelação 2008 (Porto). Esteve em residência na Triangle (2016), Nova Iorque; Gasworks, Londres (2016); e ISCP, Nova Iorque (2009).


A inauguração da exposição será seguida de um concerto de Filipe Felizardo, às 17:30, músico e artista visual que se dedica à composição para guitarra elétrica, responsável por algumas das bandas sonoras das obras de Salomé Lamas. Das suas colaborações destacam-se também trabalhos com Norberto Lobo, Gabriel Ferrandini, Margarida Garcia e David Maranha, e a composição de bandas sonoras para António Júlio Duarte e Marco Martins. A suas performances têm sido apresentadas em Portugal e na Europa desde 2014. Neste momento, prepara o seu próximo álbum, enquanto realiza uma residência artística na Galeria Zé Dos Bois, numa série de concertos que ampliam os seus temas para formato de banda.


A Solar Galeria de Arte Cinemática é uma estrutura financiada pela Câmara Municipal de Vila do Conde, pela DGArtes – Direção Geral das Artes e pelo Governo de Portugal.

Exposição "Terra" inaugura a 8 de julho

26 Junho 2017
Share on Facebook Share on Twitter

Entre 8 de julho e 17 de setembro, a Solar – Galeria de Arte Cinemática, em Vila do Conde, apresenta “Terra”, uma exposição coletiva da nova geração de autores portugueses: Gabriel Abrantes (em colaboração com Ben Rivers), Priscila Fernandes, Pedro Neves Marques, Joana Pimenta, Lúcia Prancha, Francisco Queimadela e Mariana Caló.


A decorrer em simultâneo à 25ª edição do Curtas Vila do Conde, a exposição inaugura no primeiro dia do festival, a 8 de julho, às 17:00, com a presença de alguns dos artistas.


“Terra” integra seis instalações site-specific, desenvolvidas a partir de filmes, mas que não passam obrigatoriamente pela sua projeção. Cada obra reflete sobre o lugar: primeiro o da sua terra de origem, onde foi imaginada, filmada e construída, e, depois, a terra para onde viaja e onde para, pelo menos por breves meses, habitando um espaço com marcas, ora de uma história passada, ora da ocupação recente do historial de exposições. Neste sentido, as instalações partem de pontos específicos do planeta, muitas vezes longínquos, que trazem a um local específico onde se consumam num todo que forma a TERRA, contribuindo para uma ideia complexa formada a partir de elementos simples, por vezes dispersos, mas que se agregam para formar um novo espaço de significação.


O tema sob o qual se agrega o conjunto de instalações, para além da óbvia conotação com questões ambientais, refere-se sobretudo à imersão local, na “nossa terra”, das imagens do mundo sobre as quais estes artistas e realizadores se debruçam. Transparece, conceptualmente, uma transposição de escala, de lugar e de tempo, tal como a vontade de trabalhar, quer o espaço da sala de cinema, quer o da galeria de arte.


Esta será uma oportunidade para evidenciar a qualidade da obra de uma nova geração que, para além do reconhecimento nacional, alcança já alguma notoriedade internacional, tanto no panorama do cinema como no das artes plásticas. São autores que, de alguma forma, já estabeleceram uma relação com a Curtas Metragens CRL, quer seja de forma direta, pelo apoio dado à produção de obras originais, quer pela participação no Curtas Vila do Conde – Festival Internacional de Cinema ou, até, em exposições anteriores da Solar – Galeria de Arte Cinemática.

A partir do conto O Corcunda das Mil e Uma NoitesGabriel Abrantes e Ben Rivers criaram uma distopia futurista, um filme que nesta exposição é apresentado em formato de instalação vídeo, onde uma empresa omnipotente força os seus empregados a participar em programas de reintegração emocional, simulando outras épocas e géneros cinematográficos.


Por sua vez, Priscila Fernandes apresenta uma peça sonora inédita, produzida para a Solar, baseada na utopia medieval do País da Cocanha, um lugar de comida abundante, tempo ameno e onde o trabalho é desnecessário. A artista transporta esse imaginário para a atualidade, num parque numa cidade, de noite, e uma multidão de gente que circula em seu redor sem nunca encontrar a entrada.


Pedro Neves Marques
 expõe uma instalação vídeo produzida muito recentemente a partir de imagens rodadas na paisagem transformada pela agricultura de monocultura do Rio Grande do Sul, no Brasil, e de questões retiradas de um diário do realizador: que espécie de vida são estas sementes transgénicas? E o que significa aprender a viver com o inimigo?


Joana Pimenta
 parte do seu filme Um Campo de Aviação para uma instalação vídeo: “Um campo de aviação num subúrbio desconhecido. O lago debaixo da cidade queima as ruas. As montanhas atiram rocha para os jardins. Na cratera de um vulcão, uma cidade modelo é levantada e se dissolve. Duas pessoas encontram-se neste lugar, separadas por cinquenta anos”.


Lúcia Prancha 
participa nesta exposição com uma instalação dividida três partes: cartazes para o filme The True Sentimental Bitch, uma série de esculturas e um vídeo, intitulado de SleepWorkers.


Por último, Mariana Caló e Francisco Queimadela, atraídos pelo imaginário coletivo em torno da figura do lince ibérico, viajaram pelas imediações da Serra da Malcata, por terras que assistiram ao seu desaparecimento nas últimas décadas. O resultado é Efeito Orla, uma instalação composta por duas projeções síncronas e justapostas, que procuraram estabelecer uma relação constante entre a verticalidade e a gravidade, o céu e a terra, entre micro e macro escalas, induzindo estados que oscilam entre a vontade de contemplação e um estado de alerta - um sentimento de emergência que associaram ao desaparecimento do lince.


A Solar – Galeria de Arte Cinemática é uma estrutura financiada pela Câmara Municipal de Vila do Conde, pelo Ministério da Cultura e pela DGArtes – Direção-Geral das Artes.



TERRA


08/07 - 17/09/2017 
Solar - Galeria de Arte Cinemática


Gabriel Abrantes e Ben Rivers 
Priscila Fernandes
Pedro Neves Marques
Joana Pimenta
Lúcia Prancha
Mariana Caló e Francisco Queimadela


Horário:
 Seg. – Dom. 14:00 – 18:00
Durante o 25º Curtas Vila do Conde (9-16 JUL): 14:00 – 23:00
Entrada livre


Inauguração:
 Sábado, 8 de julho, 17:00

“Laboratório Cinemático – Solar, 10 Anos” disponível em versão inglesa

20 Março 2017
Share on Facebook Share on Twitter

A versão, traduzida em inglês, do livro “Laboratório Cinemático – Solar, 10 Anos” já está à venda na Loja das Curtas (online e na Solar - Galeria de Arte Cinemática).

A obra, editada em 2015, conjuga e adota o caráter puramente experimental da galeria com a celebração de uma década de procura de novos territórios da arte cinemática. O livro reúne um conjunto de textos e entrevistas de e com alguns dos autores e artistas que contribuíram para história da Solar bem como um portefólio de exposições e intervenções que personificam o projeto enquanto laboratório da arte cinemática. Preço: 15,00 euros.

Serviço Educativo 2017

8 Março 2017
Share on Facebook Share on Twitter

SERVIÇO EDUCATIVO
ANIMAR 12
18 Fev. - 4 Jun. 

A Curtas Metragens CRL - Cooperativa de Produção Cultural responsável, entre outros, por eventos como o Curtas Vila do Conde - Festival Internacional de Cinema, desenvolve anualmente um conjunto de atividades dirigidas à comunidade escolar. Por via dos seus projetos, centrados na Solar - Galeria de Arte Cinemática, a Curtas Metragens convida as instituições de ensino a uma participação ativa, apresentando propostas de formação inovadoras destinadas a vários níveis de ensino: desde o pré-escolar, passando pelo básico e secundário, até à universidade, assim como a docentes e encarregados de educação. 

Até 4 de junho, no âmbito da 12ª edição do projeto educativo ANIMAR, estão planeadas diversas atividades em torno do cinema de animação que visam a integração dos projetos educativos de cada turma ou escola durante o ano letivo: visitas guiadas à exposição na Solar - Galeria de Arte Cinemática, sessões de cinema com filmes de animação premiados internacionalmente, oficinas de brinquedos óticos e de iniciação ao cinema de animação, mostras de trabalhos, entre outros.

ANIMAR 12

Em 2017, a exposição ANIMAR propõe uma abordagem diferente ao cinema de animação partindo de videoclipes, que se assumem não só como um veículo dos temas musicais mas também como um recurso criativo, para explicar o processo de produção de um filme. Nesta exposição, as animações passam do ecrã para as diferentes salas da galeria onde estão instalados os cenários, adereços, personagens, materiais e diversos elementos utilizados na criação de seis videoclipes: “Erva-de-Cheiro”, “Quente e Frio” e “A Cor da Rosa” de Alice Guimarães para a música de Capicua e Pedro Geraldes; “É Preciso que eu Diminua de Pedro Serrazina para o tema de Samuel Úria; “Cinegirasol” de Bruno Caetano e Rui Telmo Romão para Os Azeitonas; e “Faz Bem Falar de Amor” de Jorge Ribeiro para a música da banda Quinta do Bill.


No percurso pela Solar – Galeria de Arte Cinemática, os visitantes são convidados a entrar no universo destas histórias através de atividades e experiências interativas que permitem, por exemplo, entrar no cenário da vila alentejana de “Cinegirasol” através do Chroma Key; colocar em prática a mensagem ecológica de “Mão Verde” numa estufa de plantas instalada na galeria; criar novas versões do videoclipe dos Quinta do Bill usando os movimentos do corpo; experimentar diferentes brinquedos óticos ou criar o próprio filme de animação.


À parte dos videoclipes, a curta-metragem “Estilhaços” de José Miguel Ribeiro será também objeto de exposição. A animação, que aborda o impacto da guerra nas relações humanas, sobretudo no seio familiar, venceu, no fim-de-semana passado, o Prémio de Melhor Documentário no Festival de Cinema de Clermont-Ferrand. O filme teve estreia em 2016 no prestigiado Festival de Locarno (Suíça) e foi distinguido com os principais prémios dos festivais Cinanima, Monstra e Caminhos do Cinema Português e o Prémio Nacional de Animação. Na sala dedicada à curta-metragem, os visitantes poderão ter uma experiência interativa com base nos sons da animação.

Reservas / Informações:
animar@curtas.pt
Tel: 252 646 516

1  I  2  I  3  I  4  I  5 next→
ETIQUETAS