Decorreu entre os dias 6 a 14 de Julho a 27ª edição do Curtas Vila do Conde. Um dos maiores destaques do festival aconteceu logo no primeiro dia com a estreia portuguesa do muito aguardado “Bacurau”, filme de Kleber Mendonça e Filho e Juliano Dornelles, recém-premiado no Festival de Cannes com o Prémio do Júri, que contou com a presença do primeiro para apresentar o seu filme perante uma sala cheia. O Curtas contou também com a presença de Todd Solondz, um dos nomes maiores do cinema independente americano, e ainda no programa In Focus, o promissor realizador português Carlos Conceição, que apresentou também em estreia a sua primeira longa-metragem, “Serpentário”.


O programa Stereo foi, mais uma vez, um dos momentos mais vibrantes do festival, oferecendo espetáculos únicos e irrepetíveis. Thurston Moore, o cabeça de cartaz, não defraudou as expectativas, fundindo-se com o universo de Maya Deren numa atuação memorável. The Heliocentrics, Montanhas Azuis + Pedro Maia, Sereias, Marta Navarro + Tiago Cutileiro, Rainer Kohlberger e um documentário sobre os Mão Morta encheram as medidas aos cinéfilos e melómanos que passaram mais uma vez pelo Curtas. As festas também mobilizaram os mais resistentes, encerrando as noites do Curtas da melhor maneira.

Nas competições, os júris e o público cinéfilo do Curtas fizeram as suas escolhas. Foram vários os prémios atribuídos a diversas curtas, com destaque para “Los que Desean” da espanhola Elena López Riera, vencedor do Grande Prémio DCN Beers da Competição Internacional, “Ave Rara”, do português Vasco Saltão, eleito o Melhor Filme da Competição Nacional com o Prémio OralMED e Prémio Pixel Bunker, e “Les extraordinaires mésaventures de já jeune fille de pierre”, do português Gabriel Abrantes, vencedor do Prémio do Público e candidato ao Prémio de Melhor Curta dos prémios da Academia Europeia de Cinema, e ainda o prémio Movistar+. Em destaque também estiveram Alexandre Siqueira (realizador da animação “Purpleboy”), Mariana Gaivão (realizadora de “Ruby”), a australiana Pia Borg (realizadora do documentário “Demonic”), os belgas Stéphane Aubier e Vincent Patar (realizadores de “Panique au Village – La foire agricole”), as britânicas Jane e Louise Wilson (realizadoras do experimental “Suspended Island”), Tomás Paula Marques (realizador de “Em caso de fogo”), Maria Teixeira (realizadora da animação “Inside Me”) e Francisco Lobo (realizador do vídeo musical de “Mesa para dois no Carpa”).

Durante 9 dias, o 27.º Curtas Vila do Conde ofereceu 106 sessões com 270 filmes (255 curtas e 15 longas-metragens), provenientes de 46 países de todos os continentes, seis concertos, uma exposição, seis conferências e mesas temáticas, 12 sessões de conversas com realizadores portugueses e estrangeiros, nove festas e três workshops. Durante a edição de 2019, passaram pelo Curtas 391 profissionais de 28 países, incluindo 79 realizadores de filmes em competição ou em programas especiais e 86 profissionais da área do cinema, desde programadores, exibidores, críticos e jornalistas, entre outros. No total, passaram pelo Teatro Municipal de Vila do Conde cerca de 20 mil espectadores, entre sessões de cinema, concertos, visitantes da exposição e participantes no programa Curtinhas e em outras várias atividades paralelas.

Mas o Curtas 2019 ainda não terminou! Ao longo dos próximos meses, várias extensões do festival levarão os melhores filmes do 27.º Curtas a diversas localidades portuguesas e estrangeiras, em parceira com diversos promotores, celebrando a diversidade e a qualidade da programação apresentada, a esmagadora maioria em estreia nacional e vários em estreia mundial, em Vila do Conde. A exposição “O Caso Caligari” também continua patente na Solar – Galeria de Arte Cinemática até 7 de Setembro, pronta a celebrar o cinema e o diálogo permanente com outras formas de expressão artística e cultural.

Enquanto esperamos a visita de todos na Solar ou nas diversas extensões previstas par aos próximos meses, a equipa de programadores e de produção do Curtas está já a preparar a 28ª edição, prevista para 11 a 19 de Julho de 2020. Será uma longa caminhada, só possível com a ajuda dos diversos patrocinadores e apoios institucionais, mas que seguramente valerá a pena graças aos cinéfilos que fazem do Curtas um momento de celebração do cinema. Se não for antes, esperamos por todos dentro de um ano. Até já!

1