Ver Filmes Online
  • LA SORTIE Siegfried A. Fruhauf
Austria · 1998 · EXP · 06' · 16 mm · B&W
  • DISSOLUTION PROLOGUE (EXTENDED VERSION)

    Siegfried A. Fruhauf
  • THORAX

    Siegfried A. Fruhauf
  • PHANTOM RIDE PHANTOM

    S. Fruhauf
  • FUDDY DUDDY

    Siegfried A. Fruhauf
  • VINTAGE PRINT

    Siegfried A. Fruhauf
  • DISSOLUÇÃO DE FOTO...

    Siegfried A. Fruhauf
  • OLHOS PESADOS

    Siegfried A. Fruhauf
  • TRANQUILITY

    Siegfried A. Fruhauf
  • GROUND CONTROL

    Siegfried A. Fruhauf
  • BLED - ATTWENGER

    Siegfried A. Fruhauf
  • NIGHT SWEAT

    Siegfried A. Fruhauf
  • TIME LAPSE

    Siegfried A. Fruhauf
  • SUN

    Siegfried A. Fruhauf
  • HÖHENRAUSCH

    Siegfried A. Fruhauf
  • FRONTALE - DIAGONALE TRAILER

    Siegfried A. Fruhauf
  • BLOW-UP

    Siegfried A. Fruhauf
  • MIRROR MECHANICS

    Siegfried A. Fruhauf
  • PHANTOM RIDE - CROSSING-EUROPE-TRAILER

    Siegfried A. Fruhauf
  • REALTIME

    Siegfried A. Fruhauf
  • PHANTOM RIDES

    Siegfried A. Fruhauf
  • MONA LISA DISSOLUTION

    Siegfried A. Fruhauf
  • STRUCTURAL FILMWASTE. DISSOLUTION 2

    Siegfried A. Fruhauf
  • STRUCTURAL FILMWASTE. DISSOLUTION 1

    Siegfried A. Fruhauf
  • EXPOSED

    Siegfried A. Fruhauf
LA SORTIE A SAÍDA
Siegfried A. Fruhauf, 1998
Austria, EXP , 00:06:00 , BW
O primeiro filme da história do cinema mostra trabalhadores a saírem de uma fábrica. O título desta obra de 50 segundos de duração, e que é um legado dos irmãos Lumière, é La Sortie des Ouvriers de l´Usine.
Existem três versões conhecidas desta obra. Muito do charme especificamente mecânico da era industrial reside no hardware e software da "máquina" cinematográfica. De certa forma, é um paradoxo que os irmãos Lumière tivessem começado a história do cinema com trabalhadores a saírem de uma fábrica em vez de darem o lugar de honra ao trabalho que estes executavam nas linhas de montagem. Mais de cem anos depois, Siegfried A. Fruhauf fez uma quarta versão de La Sortie des Ouvriers de l´Usine. Esta versão castiga de forma severa a ironia inconsciente dos filmes dos irmãos Lumière. Fruhauf precisa de seis minutos para analisar o destino actual do sector industrial. Temos 14 trabalhadores - cinco no eixo vertical e os restantes a cruzarem em segundo plano o eixo horizontal. Os seus movimentos formam uma cruz - um símbolo da morte num ballet mecânico.

A imagem inicial é transformada em superfícies quase abstractas a preto e branco, presas, como Sísifo, a uma dança lunática de repetição. Fruhauf aumenta a aceleração dos trabalhadores que caminham energicamente, fazendo-o passo a passo até atingiram a velocidade máxima - a capacidade do filme testada até ao limite superior - até não poder mais.
A aceleração máxima conduz à estagnação - após a aceleração que percorre todo o filme chega a sua consequência lógica - o último frame - o freeze frame. Nada mais pode acontecer. O modelo de progresso chega ao colapso (literalmente). E no seu lugar surge a paralisia. Um beco. Os trabalhadores ficam estáticos e com eles também a fábrica. Rien ne va plus. (Peter Tscherkassky)