• REALTIME Siegfried A. Fruhauf
Austria · 2002 · EXP · 04' · 35 mm · COL
  • THORAX

    Siegfried A. Fruhauf
  • PHANTOM RIDE PHANTOM

    S. Fruhauf
  • FUDDY DUDDY

    Siegfried A. Fruhauf
  • VINTAGE PRINT

    Siegfried A. Fruhauf
  • DISSOLUÇÃO DE FOTO...

    Siegfried A. Fruhauf
  • OLHOS PESADOS

    Siegfried A. Fruhauf
  • TRANQUILITY

    Siegfried A. Fruhauf
  • GROUND CONTROL

    Siegfried A. Fruhauf
  • BLED - ATTWENGER

    Siegfried A. Fruhauf
  • NIGHT SWEAT

    Siegfried A. Fruhauf
  • TIME LAPSE

    Siegfried A. Fruhauf
  • SUN

    Siegfried A. Fruhauf
  • HÖHENRAUSCH

    Siegfried A. Fruhauf
  • FRONTALE - DIAGONALE TRAILER

    Siegfried A. Fruhauf
  • BLOW-UP

    Siegfried A. Fruhauf
  • MIRROR MECHANICS

    Siegfried A. Fruhauf
  • LA SORTIE

    Siegfried A. Fruhauf
  • PHANTOM RIDE - CROSSING-EUROPE-TRAILER

    Siegfried A. Fruhauf
  • PHANTOM RIDES

    Siegfried A. Fruhauf
  • MONA LISA DISSOLUTION

    Siegfried A. Fruhauf
  • STRUCTURAL FILMWASTE. DISSOLUTION 2

    Siegfried A. Fruhauf
  • STRUCTURAL FILMWASTE. DISSOLUTION 1

    Siegfried A. Fruhauf
  • EXPOSED

    Siegfried A. Fruhauf
REALTIME
Siegfried A. Fruhauf, 2002
Austria, EXP , 00:04:30 , COL
Tudo aquilo que o cinema é pode ser reduzido a dois elementos: luz e movimento(proporcionalmente estruturado). E existem muitas respostas possíveis para a questão de saber o que a luz e o movimento proporcional de facto são. Em Realtime, Siegfried Fruhauf decidiu-se pela resposta mais simples, resumindo-a da forma mais inequivocamente simbólica, e literalmente, mais iluminada: o sol. A luz do sol é o único tipo de luz usado para iluminar o ecrã em Realtime. E o pôr do sol filmado em Realtime é a única forma de movimento discernível - o que nos faz perceber que todo o movimento, no cinema e no cosmos, é temporal. Tudo o resto no cinema é discutível, tal como o espaço indefinido entre a expectativa (justificável) e a satisfação (efectiva), que é conhecida como suspense. Depois do arco eléctrico em movimento no ecrã se revelar como sendo um corpo celeste, temos todas as razões para acreditar que continuará o seu movimento para a frente numa órbita absolutamente constante. Ao mesmo tempo, perguntamos avidamente em que ponto (e/ou através de que pontos) o realizador retirará o seu olhar dele. Ou a banda sonora, que também é um assunto arbitrário, e que é chamada música no mais arbitrário dos casos.
O movimento irreversível do protagonista de Fruhauf é acompanhado pelo ritmo de uma canção pop modificada de forma lúdica - o contador absoluto fica subordinado a um movimento de duração subjectiva. Realtime reduz as possibilidades disponíveis do cinema ao seu zero absoluto - e deixa entrever o que pode ser re-imaginado a partir deste ponto (e até à eternidade).
(Robert Buchschwenter)