• SUN Siegfried A. Fruhauf
Austria · 2003 · EXP · 04' · Betacam SP · COL
  • THORAX

    Siegfried A. Fruhauf
  • PHANTOM RIDE PHANTOM

    S. Fruhauf
  • FUDDY DUDDY

    Siegfried A. Fruhauf
  • VINTAGE PRINT

    Siegfried A. Fruhauf
  • DISSOLUÇÃO DE FOTO...

    Siegfried A. Fruhauf
  • OLHOS PESADOS

    Siegfried A. Fruhauf
  • TRANQUILITY

    Siegfried A. Fruhauf
  • GROUND CONTROL

    Siegfried A. Fruhauf
  • BLED - ATTWENGER

    Siegfried A. Fruhauf
  • NIGHT SWEAT

    Siegfried A. Fruhauf
  • TIME LAPSE

    Siegfried A. Fruhauf
  • PHANTOM RIDES

    Siegfried A. Fruhauf
  • HÖHENRAUSCH

    Siegfried A. Fruhauf
  • FRONTALE - DIAGONALE TRAILER

    Siegfried A. Fruhauf
  • BLOW-UP

    Siegfried A. Fruhauf
  • MIRROR MECHANICS

    Siegfried A. Fruhauf
  • LA SORTIE

    Siegfried A. Fruhauf
  • PHANTOM RIDE - CROSSING-EUROPE-TRAILER

    Siegfried A. Fruhauf
  • MONA LISA DISSOLUTION

    Siegfried A. Fruhauf
  • STRUCTURAL FILMWASTE. DISSOLUTION 2

    Siegfried A. Fruhauf
  • STRUCTURAL FILMWASTE. DISSOLUTION 1

    Siegfried A. Fruhauf
  • REALTIME

    Siegfried A. Fruhauf
  • EXPOSED

    Siegfried A. Fruhauf
SUN
Siegfried A. Fruhauf, 2003
Austria, EXP , 00:04:30 , COL
DVD loop
Olhamos o sol nos olhos com música nos ouvidos. A música é de Attwenger. A faixa chama-se SUN, uma litania cantada com um forte sotaque da Alta Áustria, fala de um dia quente no qual olhamos para o sol até tudo ficar vermelho e o corpo celeste incandescente parecer uma pistola ou um olho. O vídeo que acompanha este número dinâmico e intenso foi feito por Siegfried A. Fruhauf, que sucedeu o eclipse solar de REALTIME (2002) com outro estudo cósmico.
SUN - que não é necessariamente típico do género - é composto por uma dúzia de planos estáticos com pouco ou nenhum movimento. O assunto principal quer do vídeo quer da letra da canção é o mesmo. Mas isto não se torna imediatamente óbvio: Num zoom lento e invertido, o brilho intenso que enche a imagem revela-nos gradualmente que se trata do sol rodeado por uma luz brilhante de tom amarelo esverdeado.
Mas as imagens traem um pouco e a montagem económica segue o ritmo vacilante e potente da música. A imagem faz desvios mínimos da letra e joga com eles de forma invulgar, por exemplo ao fornecer um contraponto azul quando o texto da canção fala da cor vermelha. A imagem permanece uma superfície de projecção: O objecto redondo e branco poderia ser o tambor que se ouve mais tarde.
Assemelha-se à luz que se vê ao fundo de um túnel escuro - ou a de um cano de pistola - depois torna-se uma imagem térmica ou um reflexo numa superfície aquosa, negra como a noite. Olhamos o sol nos olhos e iniciamos as nossas associações livres. (Isabella Reicher)