• OLHOS PESADOS Siegfried A. Fruhauf
Áustria · 2011 · EXP · 0:10:00 · 35 mm · PeB
  • THORAX

    Siegfried A. Fruhauf
  • PHANTOM RIDE PHANTOM

    S. Fruhauf
  • FUDDY DUDDY

    Siegfried A. Fruhauf
  • VINTAGE PRINT

    Siegfried A. Fruhauf
  • DISSOLUÇÃO DE FOTO...

    Siegfried A. Fruhauf
  • TRANQUILITY

    Siegfried A. Fruhauf
  • GROUND CONTROL

    Siegfried A. Fruhauf
  • BLED - ATTWENGER

    Siegfried A. Fruhauf
  • NIGHT SWEAT

    Siegfried A. Fruhauf
  • TIME LAPSE

    Siegfried A. Fruhauf
  • SUN

    Siegfried A. Fruhauf
  • PHANTOM RIDES

    Siegfried A. Fruhauf
  • HÖHENRAUSCH

    Siegfried A. Fruhauf
  • FRONTALE - DIAGONALE TRAILER

    Siegfried A. Fruhauf
  • BLOW-UP

    Siegfried A. Fruhauf
  • MIRROR MECHANICS

    Siegfried A. Fruhauf
  • LA SORTIE

    Siegfried A. Fruhauf
  • PHANTOM RIDE - CROSSING-EUROPE-TRAILER

    Siegfried A. Fruhauf
  • MONA LISA DISSOLUTION

    Siegfried A. Fruhauf
  • STRUCTURAL FILMWASTE. DISSOLUTION 2

    Siegfried A. Fruhauf
  • STRUCTURAL FILMWASTE. DISSOLUTION 1

    Siegfried A. Fruhauf
  • REALTIME

    Siegfried A. Fruhauf
  • EXPOSED

    Siegfried A. Fruhauf
SCHWERE AUGEN OLHOS PESADOS
Siegfried A. Fruhauf, 2011
Austria, EXP , 00:10:00 , 35mm , BW
Uma espécie de ruído branco pesa sobre este filme que de forma reveladora se chama Heavy Eyes: chuva digital ofusca a matéria da película (antes) analógica. Proliferações selvagens de imagens parecem ter sido rabiscadas, ou riscadas, onde pontos foram distribuídos como se fossem feridas que se estendem pelo corpo humano, corroendo o rosto. É um cinema de abstração e Neo-Expressionismo. Aparecem rostos fantasmagóricos como se fossem máscaras (para imediatamente desaparecerem no nevoeiro digital), estranhamente duplicados, eletronicamente clonados. A banda sonora enérgica e elegantemente construída fornece um acompanhamento evocador, apropriadamente sintético. A animação esboçada de forma simples em breve se torna mais concreta parecendo ter sido traçada sobre imagens de found footage nas quais figuras trémulas se podem ver em paisagens urbanas anónimas: uma menina junto a uma janela, um jovem que sorri para o espaço, enquanto outro apenas baixa os olhos. A misteriosa história por detrás destas cenas permanece vaga e só se pode intuir, é um choque reprimido cravado no inconsciente. Perto do fim, as metástases visuais intensificam-se, a superfície do filme cintila e pulsa. Heavy Eyes, em consonância com o seu título, esboça uma ficção de visão cinematográfica envolvendo uma letargia dos olhos que cria tanto a ilusão de movimento como uma multiplicação inquietante de acontecimentos externos. O filme termina com uma imagem de uns óculos que foram pisados e esmagados: A antiga forma de ver já não tem aplicação. (Stefan Grissemann)
PRODUÇÃO Land Oberˆsterreich; Innovative Film Austria, Sixpack Film, gerald@sixpackfilm.com CONTACTO DE CÓPIA Gerald Weber, Sixpack Film; +4315260990, gerald@sixpackfilm.com, www.sixpackfilm.com MÚSICA Jürgen Gruber