Ver Filmes Online
  • CURIOSIDADES DO GABINETE (CADA HISTÓRIA É SEMPRE UM REMAKE DE OUTRA HISTÓRIA) Eduardo Brito
  • LETHES

    Eduardo Brito
  • URSULA

    Eduardo Brito
  • DECLIVE

    Eduardo Brito
  • PENÚMBRIA

    Eduardo Brito
  • EXPERIMENTAL JET SET

    Vários
CURIOSIDADES DO GABINETE (CADA HISTÓRIA É SEMPRE UM REMAKE DE OUTRA HISTÓRIA) CURIOSIDADES DO GABINETE (CADA HISTÓRIA É SEMPRE UM REMAKE DE OUTRA HISTÓRIA)
Eduardo Brito, 2019
Portugal,
Portugal, 2019, projeção vídeo HD com 3 canais síncronos, cor, loop. Realização, montagem, voz: Eduardo Brito. Captura de som: Tiago Cutileiro. Cor: Luís Costa. Agradecimentos: Cru Encarnação, Daniel Blaufuks, Marta Navarro Nunes, Tiago Cutileiro, Abílio Hernandez Cardoso, Bando à Parte, Jorge Santos, Luís Costa, Ricardo Freitas e Rodrigo Areias. Este é um trabalho composto por duas tipologias de imagens e outras duas de som. No que concerne às imagens, por um lado, planos fixos de lugares: Weißensee em Berlim, onde, no Lixie Atelier, Robert Wiene filmou "Das Cabinet des Dr. Caligari" em 1919 e as imediações da Marmorhaus, a sala de cinema onde o filme estreou no ano seguinte: lugar de filmagem e lugar de projeção revisitam-se na distância de um século. Depois, planos de uma página onde literalmente se re-escreve o argumento, cem anos depois: o filme como possibilidade de representar o escrito, de filmar a partir da palavra. No som, a diegese dos espaços acima referidos é a base de uma narração-colagem a partir de excertos de "From Caligari to Hitler", de Siegfried Kracauer, "Das Cabinet des Dr. Caligari", de David Robinson, memórias pessoais de algumas passagens por Berlim e pequenos excertos de versos das canções "Be My Wife", "Heroes", "I’m Deranged" e "Where Are We Now", de David Bowie, e "Men of Good Fortune", "Berlin" e "Magic and Loss" de Lou Reed. O que quis com isto? Criar um aceno ao filme e às memórias de um espectador fascinado, uma nuvem do seu formalismo (pela representação do lugar de filmagem e lugar de estreia, argumento, espectadoria), numa mini deriva na cidade. Por outras palavras, filmar o que não acontece (ou o nada a acontecer) no lugar onde aconteceu.