• DIAMANTINO Gabriel Abrantes, Daniel Schmidt
14 JUL, 18:00, TEATRO MUNICIPAL SALA 1
  • DIAMANTINO

    Gabriel Abrantes, Daniel Schmidt
DIAMANTINO DIAMANTINO
Gabriel Abrantes, Daniel Schmidt, 2018
Portugal · France · Brazil, FIC, 01:32:00
No pós-crise económica de 2008, Portugal vive uma realidade alternativa onde o estado é dominado por um regime eugénico que sonha com a saída da União Europeia e com a construção de uma muralha que “proteja” o país de migrantes e refugiados indesejados. Para fortalecer o entusiasmo nacional, Portugal está na final do campeonato do mundo de futebol e é o favorito à vitória final. Diamantino é o melhor jogador do mundo e o herói nacional, o protótipo do homem novo que regenerará a nação. Terceira colaboração entre Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt, “Diamantino” assume o tom sarcástico e corrosivo de obras anteriores, mas também questões identitárias estruturais que já surgiam em “A History of Mutual Respect” (2010) e “Palácios da Pena” (2011), nomeadamente uma certa ideia de identidade nacional, assente num imaginário popular e cultural que se estabelece a partir de um passado de dominação através de repressão política e social, e toda uma consequente reflexão a propósito do colonialismo. Por exemplo, não deixa de ser irónico e programático que o herói do filme, protótipo do “português perfeito” seja “salvo” por uma cabo-verdiana. Do mesmo modo, o filme está repleto de referências icónicas mais ou menos explícitas, como a maquiavélica ministra paraplégica (em alusão ao Dr. Strangelove) que se chama Ferro (tal como um dos homens de confiança mais populares de Salazar) ou o slogan político “fazer Portugal grande outra vez” (aportuguesamento do slogan de Trump nas presidenciais de 2016). Grande Prémio da Semana da Crítica do Festival de Cinema de Cannes, “Diamantino” traz de volta Gabriel Abrantes ao Curtas, festival que já o premiou em três ocasiões: Prémio Melhor Realizador por “Humores Artificiais” (2017), Prémio Melhor Realizador por “A Brief History of Princess X” (2016) e Menção Especial para “Fratelli” (2011). Para além do festival, a obra polifónica de Gabriel Abrantes também já passou pela Solar – Galeria de Arte Cinemática, integrando a exposição coletiva “Terra” (2017) com “Corcunda”, filme correalizado com Ben Rivers. (PC)
PRODUÇÃO Justin Taurand - Les films du Bélier; Maria João Mayer - Maria & Mayer, mjmayer@filmesdotejo.pt CONTACTO DE CÓPIA Maria João Mayer - Maria & Mayer; 351213234400, mjmayer@filmesdotejo.pt, www.filmesdotejo.pt ARGUMENTO Gabriel Abrantes, Daniel Schmidt FOTOGRAFIA Charles Ackley Anderson EDIÇÃO Raphaëlle Martin-Holger, Gabriel Abrantes, Daniel Schmidt SOM Olivier Blanc, Daniel Turini, Fernando Henna, Benjamin Viau MÚSICA Ulysse Klotz, Adriana Holtz ACTORES Carloto Cotta, Cleo Tavares, Anabela Moreira, Margarida Moreira, Carla Maciel, Filipe Vargas, Manuela Moura Guedes, Joana Barrios, Maria Leite