THE HELIOCENTRICS

O colectivo londrino The Heliocentrics lançou o seu primeiro álbum, "Out There", em 2007, e logo aí definiu as coordenadas da sua música em torno de influências diversas, que passam pelo funk, jazz, psicadelismo, hip-hop e library music, que combinam com mestria e originalidade.
  more
Este ecletismo e vontade de experimentação também se materializa nas diversas colaborações que foram cultivando ao longo da sua carreira, onde se destaca o magnífico LP "Inspiration Information", com o lendário músico etíope Mulatu Astatke, que lhes valeu a distinção de álbum do ano no Gilles Peterson Worldwide award e fez parte da lista dos 'Five Essential Jazz Albums' do conhecido músico Jamie Cullum. Outras colaborações dignas de nota incluem os álbuns "OST", com o pianista de jazz, musicólogo e especialista em música do médio oriente Lloyd Miller, "Jaiyede Afro", com o veterano Orlando Julius, pioneiro do afrobeat e da fusão da música africana com a soul e o funk, ou "The Last Transmission", com o realizador e músico Melvin van Pebbles, autor de "Sweet Sweetback's Baadasssss Song", um dos marcos do género 'blaxploitation'. Os seus trabalhos mais recentes incluem "A World of Masks", com a participação da cantora Barbora Patkova, e uma incursão na música para filmes, a banda sonora original para o documentário de Cosmo Feilding-Mellen "The Sunshine Makers", que aborda a contra-cultura norte-americana dos anos 1960 ligada ao uso das drogas como forma de expansão das consciências e como missão utópica para salvar o planeta, antecipando assim esta segunda experiência numa banda sonora, encomendada pelo Curtas Vila do Conde. O filme escolhido, "Heaven And Earth Magic", é um dos mais significativos do cineasta de vanguarda Harry Smith, e a sua iconografia fantástica inspirada nas pesquisas do próprio Smith sobre alquimia, tradições exotéricas envolvendo misticismo e ocultismo, e os efeitos das drogas na mente humana, presta-se ao universo estranho, exótico e psicadélico da banda. No Curtas Vila do Conde, o mentor, produtor e baterista da banda Malcolm Catto estará acompanhado por Barbora Patkova (voz), Jake Ferguson (baixo), Jack Yglesias (teclados e percussão), Daniel Smith (guitarra e Moog), Raven Bush (violoncelo) e Sylvia Hallet (sanfona). (MD)  less
  • HEAVEN & EARTH MAGIC Harry Smith
12 JUL, 23:45, TEATRO MUNICIPAL VILA DO CONDE
  • HEAVEN & EARTH MAGIC

    Harry Smith
  • The Heliocentrics
HEAVEN & EARTH MAGIC HEAVEN & EARTH MAGIC
Harry Smith, 1966
USA, ANI, , 01:06:00
Um dos mais excêntricos e impenetráveis autores do cinema ‘underground’ Americano, Harry Everett Smith (Portland, 1923 – Nova Iorque, 1991), artista, boémio, místico, colecionador de discos, figura de proa da ‘beat generation’ e precursor do movimento ‘hippie’, é sobretudo conhecido pelo filme “Heaven And Earth Magic”, animação de recortes baseada na sua coleção de gravuras de revistas da época Vitoriana. Delirante, excessivo e hermético, este filme condensa de forma clara as características da sua obra, sintetizando noções opostas como figuração e abstração, tradição e modernidade. Pode ser visualmente descrito como um encontro entre as colagens dos surrealistas e os filmes de George Méliès, mas não é fácil esboçar um resumo da narrativa do filme. O próprio Smith foi evasivo quanto a esse assunto quando fez a seguinte descrição: “The first part depicts the heroine's toothache consequent to the loss of a very valuable watermelon, her dentistry and transportation to heaven. Next follows an elaborate exposition of the heavenly land, in terms of Israel and Montreal. The second part depicts the return to Earth from being eaten by Max Müller on the day Edward VII dedicated the Great Sewer of London.” Talvez a sinopse do próprio Smith não ajude muito a quem quiser um resumo da história, mas a manipulação das imagens que ele propõe está mais próxima de uma lógica onírica e poética, e do formato do cinema experimental, que dos padrões mais clássicos da linguagem do cinema. Tão indecifrável, afinal, como a mente do seu autor, amigo de William Burroughs e de Allen Ginsberg, crente no uso de drogas como agente de mediação para um estado místico, e na conexão de imagens bastante mais assente no inconsciente do que na lógica – daí a sua associação aos surrealistas e à escrita automática. Para entender a génese dos filmes de Harry Smith é importante, ainda, referir que os seus múltiplos interesses iam muito para além do cinema, abarcando áreas como o ocultismo ou a alquimia. Aliás, o seu mais famoso legado não se encontra nos filmes que fez, mas sim na influente e monumental compilação musical “Anthology of American Folk Music” (1952), referência essencial do revivalismo folk dos anos 50 do século passado, selecionada a partir da sua extensa coleção de discos de 78 rpm. O carácter mais livre e não narrativo de “Heaven And Earth Magic” tem sido várias vezes aproveitado por músicos de diversas áreas para a sua apresentação em formato de filme-concerto. É o caso da projeção no Curtas Vila do Conde, que é acompanhada pelo coletivo inglês de funk e jazz psicadélico The Heliocentrics. (MD)
PRODUÇÃO Harry Smith CONTACTO DE CÓPIA The Film-Makers' Cooperative; 12122675665, booking@film-makerscoop.com, www.film-makerscoop.com EDIÇÃO Harry Smith