Ver Filmes Online

CURT’AS MONTRAS: Concurso de Montras

6 Junho 2019
Share on Facebook Share on Twitter

Em 2019, o Curtas Vila do Conde realiza a sua 27ª edição que decorre de 6 a 14 de julho. Nesta edição, o festival continuará a aposta numa programação eclética, exibindo as grandes tendências atuais: desde o cinema experimental, passando pelos diversos cinemas nacionais e mesmo procurando, através de programas especiais, recuperar velhos clássicos do cinema.

Ao longo de mais de duas décadas, o festival tem construído um caminho sólido que conta com o apoio de diversos intervenientes: jornalistas, programadores, realizadores, espectadores, e claro, os vila-condenses.
 
À semelhança dos últimos anos, convidamos todos os comerciantes da região a juntarem‐se a esta grande celebração do cinema através do concurso de montras, CURT’AS MONTRAS, que procura envolver toda a cidade no espírito do Curtas, incentivando a decoração das montras dos estabelecimentos comerciais com elementos ligados ao Festival.
 
Prémio: Duas noites de alojamento em quarto duplo, com pequeno-almoço incluído, entre os dias 1 de outubro e 30 de novembro. 
 
Todos os participantes receberão um convite para as cerimónias de abertura e de encerramento do festival, bem como bilhetes para sessões de cinema à escolha.
 
 
Destinatários: São admitidas a Concurso todas as pessoas singulares ou coletivas que explorem, na cidade de Vila do Conde, qualquer estabelecimento comercial ou industrial com montras visíveis ao público. 
 
Inscrição:
A inscrição é gratuita e poderá ser realizada até ao dia 2 de julho, através do e-mail press@curtas.pt ou do telefone 252 638027, com indicação dos seguintes dados: 
 
– Nome do estabelecimento 
– Nome do proprietário / gerente 
– Telefone 
– E‐mail 
 
Requisitos: As montras deverão estar expostas entre os dias 6 e 14 de julho de 2019 com a placa identificativa do concurso que será entregue nos estabelecimentos participantes.
 
A recolha e seleção dos elementos a expor é da responsabilidade dos participantes, sendo que a organização disponibilizará materiais de  comunicação do Festival como, por exemplo, cartazes A3 e desdobráveis.
 
A decoração das montras ficará a cargo de cada estabelecimento e a única regra é a criatividade! As lojas com artigos para crianças poderão concorrer com elementos dedicados à secção infantil do Festival: o Curtinhas.
 
Anúncio dos vencedores: O júri do concurso será constituído por convidados e membros da equipa do festival e anunciado até ao dia 2 de julho. O júri visitará as montras concorrentes entre os dias 6 e 14 de julho. O vencedor, eleito pela maioria dos jurados, será anunciado na cerimónia de encerramento do festival que terá lugar no dia 14 de julho, pelas 17h30, no Teatro Municipal de Vila do Conde.

Festa de Apresentação do Curtas Vila do Conde

5 Junho 2019
Share on Facebook Share on Twitter

Em noite de apresentação do 27º Curtas de Vila do Conde, no dia 22 de junho, DJ Amir regressa ao Pérola Negra, onde será novamente acompanhado pelo Pedro Tenreiro.  E claro,  para a festa ser uma pérola, não pode faltar o Curtas Vila do Conde Soundsystem para dar o arranque ao início da celebração.

Reencontro de dois diggers ávidos e divulgadores compulsivos da história da música negra, em tempos separados por um oceano.
Dj Amir, que recentemente trocou Brooklyn por Berlim, é metade da dupla Kon + Amir, responsável por desvendar tantos tesouros nas obrigatórias recolhas Off Track, foi colaborador da saudosa Waxpoetics, fundador da 180 Proof Records, através da qual recupera enormes raridades e arquivista maior da BBE.
Pedro Tenreiro foi um pioneiro dos edits entre nós quando, há mais de 20 anos, se dedicou à exploração do mais refundido Disco com Dancin' Days e, desde aí, alimenta pistas de dança com Rhythm & Blues, Boogaloo, Soul, Funk e Boogie obscuro e escolhido a dedo, para além de ser presença diária na Antena 3, com o seu Poder Soul.
Juntos preparam-se para nos dar uma noite daquelas que se levam para casa e que ficam coladas ao corpo e à memória, à custa dos ritmos contagiantes e das melodias inesquecíveis de todas as coisas Disco, sejam raras e obscuras, sejam clássicas e nostálgicas.
Um pré São João à moda do Curtas Vila do Conde com os melhores diggers da actualidade, e uma boa dose de música pela dupla Miguel Dias e Sérgio Gomes que são os Vila do Conde Soundsytem. Tudo isto, no Pérola Negra a partir das 00h. 

Evento aqui 

Carlos Conceição segundo realizador em foco do Curtas

28 Maio 2019
Share on Facebook Share on Twitter

Comecemos por Sepentário, a primeira longa metragem de Carlos Conceição estreada, este ano, em Berlim e que se apresenta pela primeira vez nas salas portuguesas no festival vilacondense. O filme, interpretado por João Arrais (Soldado Milhões,Coelho Mau), acompanha a viagem de um cineasta na busca pela alma da mãe numa África pós-apocalíptica. Uma reflexão emocional sobre a memória, que joga com a biografia do realizador – nasceu e viveu em África até aos 21 anos, e a história da própria terra. Um filme-catástrofe, onde se exploram sentimentos de pertença e se olha uma Angola saída da guerra, à descoberta de si mesma e das referências apagadas pela história recente.

Apontado como um dos mais interessantes jovens realizadores europeus, Carlos Conceição explora nos seus filmes um estilo elegante, romântico, barroco e subversivo. Foi assim com Versailles apresentado na competição de Locarno em 2013, que, em Vila do Conde, será mostrada uma versão inédita remontada. Voltou a sê-lo em Coelho Mau, uma coprodução luso-francesa que aborda as relações entre dois irmãos (João Arrais e Júlia Palha), uma mãe ausente (Carla Maciel) e o seu amante (Matthieu Charneau), estreada mundialmente na semana da crítica de Cannes. A retrospectiva no festival integrará ainda O Inferno, um olhar para o interior de uma casa contemporânea que testa, de forma desempoeirada, os limites da percepção e a capacidade de choque do espectador. 

A programação para este foco encerra-se com uma carta branca, onde o realizador escolhe filmes que dialogam com o seu percurso e a sua obra: da referência incontornável a Pasolini e Carl Dreyer, de quem se mostrará La Sequenza Dei Fiore di Carta e Thorvaldsen, respectivamente, até Le Musée de Walerian Borowczyk, cujo trabalho, recentemente restaurado, está a ser redescoberto pela comunidade cinéfila mundial, passando pela curta que inaugurou a colaboração entre Scott Walker e os percursores do drone metal Sunn o))). 

O realizador marcará presença no festival para apresentar os filmes e participar numa conversa com João Rui Guerra da Mata e João Pedro Rodrigues. 

O 27º Curtas Vila do Conde, que decorre entre 6 e 14 de julho, tem o apoio do programa MEDIA/Europa Criativa, da Câmara Municipal de Vila do Conde, do Ministério da Cultura, do Instituto do Cinema e Audiovisual e de vários parceiros imprescindíveis à realização do festival.

PROGRAMAÇÃO

Coelho Mau, Carlos Conceição, Portugal, França, 2017, fic., 30'
O Inferno, Carlos Conceição, Portugal, 2011, fic., 20'50''
Serpentário, Carlos Conceição, Portugal, Angola, 2019, doc./fic.,75'
Versailles (versão inédita remontada), Carlos Conceição, Portugal, fic., 2019, 18'

PROGRAMAÇÃO CARTA BRANCA
 
Werner Herzog Eats His Shoe, Les Blank, 1980, 22’
Moving Stories, Nicolas Provost, Belgium, 2011, 7’
Le Musée, Walerian Borowczyk, France, 1964, 2’
Interlúdio 1: Real Men Meow (Memory Hole), 2’
Cat Listening To Music, Chris Marker, France, 1990, 3’
Trailer de "Mill Of The Stone Women", 2’
Brando - Scott Walker + Sunn o))), Gisele Vienne, France, 2014, 10’
Andy Warhol Eating a Hamburger (excerto de "66 Scenes From America"), Jørgen Leth, Denmark, 1982, 5’
Thorvaldsen, Carl Dreyer, Denmark, 1949, 10’
Interlúdio 2: "Our World Is Ending" (Memory Hole), 2’
La Sequencia Dei Fiore di Carta (episódio de “Amore e rabbia”), Pier Paolo Pasolini, Italy, 1969, 11’

Thurston Moore no Curtas Vila do Conde

23 Maio 2019
Share on Facebook Share on Twitter

Está fechada a programação para o STEREO, a secção que junta os filmes à música no Curtas. A 27ª edição do festival traz até Vila do Conde, Thurston Moore, The Heliocentrics, Montanhas Azuis e a colaboração entre Tiago Cutileiro e Marta Navarro

foto: Vera Marmelo

Thurston Moore
mudou-se para Nova Iorque à entrada na maioridade para tocar punk. Quatro anos depois fundava os Sonic Youth, banda com a qual mudou a forma como toda uma geração pensava e executava a experimentação no rock. A solo é, ainda hoje, um dos nomes que mais caminho desbrava na criação de novas linguagens em colisão com os padrões mainstream. Da improvisação ao rock mais puro, da composição acústica ao noise parecem não haver espaços onde Moore não se sinta confortável. O mesmo se poderá dizer das inúmeras colaborações que fez com nomes como Yoko Ono, David Toop, Cecil Taylor, Faust ou Irmin Schmidt (CAN) e que, ainda assim, lhe deixaram tempo para fazer poesia ou dar aulas de escrita. Na música, continua a subir a palco com a The Thurston Moore Group, mas é a solo que se apresenta, em Julho, em Vila do Conde. Neste regresso, vai musicar uma selecção de curtas de Maya Deren, uma das mais icónicas cineastas da vanguarda americana e uma das primeiras mulheres a construir uma carreira na realização. Witch CradleAt LandRitual in Transfigured Time e Meshes of the Afternoon são os filmes que integrarão este filme-concerto. 

Colectivo de jazz psicadélico londrino, os The Heliocentrics surgiram nos anos 90, quando o baterista Malcolm Catto gravou para as míticas Mo'Wax e Jazzman. O seu álbum de estreia, lançado em 2007 pela Stones Throw, solidificou-lhes o lugar por entre os mais interessantes nomes da música das últimas décadas. Equilibrando o exótico e o “estranho”, o universo dos The Heliocentrics é vasto e evolutivo. A sua discografia é documento de uma viagem por entre as diferentes encarnações do jazz e do funk e a sua incrível lista de colaborações uma espécie de introdução aos nomes que marcaram o movimento pós-Mo'Wax, de MF Doom a Mulatu Astatke, de Lloyd Miller a Orlando Julius. Em Julho, o colectivo estará de regresso a Portugal para musicar, ao vivo, Heaven and Magic, um dos mais significativos registos de Harry Smith. Cineasta de vanguarda, Smith coleccionou, ao longo de décadas, milhares de gravuras de revistas vitorianas para, com elas, criar algumas das mais criativas animações que o cinema americano conhece. Tapeçarias a lembrarem as colagens de Max Ernst, onde espaços em transformação, compostos por antiguidades, artefactos e criaturas servem de pano de fundo para as histórias de heróis e heroínas delirantes. 

São três dos mais importantes nomes da música portuguesa contemporânea. A solo ou nos diversos projectos com que habitam a produção cultural do país, os universos sonoros de Marco Franco, Norberto Lobo e Bruno Pernadas estão longe de serem simples e previsíveis. Donos de uma linguagem em constante estado de ebulição, conquistaram com os seus discos alguns dos mais disputados tops da crítica musical e, com isso, o respeito alargado de público e pares. Decidiram não ficar parados e, em Janeiro deste ano, editaram Ilha de Plástico sob o nome Montanhas Azuis, espaço por onde os vemos a experimentarem em torno de instrumentos analógicos, das guitarras aos sintetizadores. Ao vivo (nas raras apresentações que fazem) trilham o perene, ora acompanhados ora guiados pelas imagens de Pedro Maia, qual aventura excursionista entre a música e a imagem. Este evento conta com o apoio da SPA – Sociedade Portuguesa de Autores.

O ciclo de anúncios para o STEREO encerra com a sessão de abertura do 27º Curtas. Das Cabinett Des Dr. Caligari, de Robert Wiene, uma das referências maiores do movimento expressionista alemão no cinema, será musicado ao vivo pela violoncelista Marta Navarro e o compositor e artista sonoro Tiago Cutileiro. Uma encomenda original do Curtas à dupla, que pretende construir um ambiente sonoro para a história muda de um hipnotista que comete homicídios durante crises de sonambulismo. Este filme, cuja rodagem se iniciou no Outono de 1919, há quase 100 anos, dá o mote à exposição O Caso Caligari, que inaugura no dia de abertura do festival, na Solar – Galeria de Arte Cinemática. 

Os bilhetes para estes espetáculos custam entre 7 e 16 euros e encontram-se à venda no Teatro Municipal de Vila do Conde e na rede da bilheteira online (BOL). 

O 27º Curtas Vila do Conde, que decorre entre 6 e 14 de julho, tem o apoio do programa MEDIA/Europa Criativa, da Câmara Municipal de Vila do Conde, do Ministério da Cultura, do Instituto do Cinema e Audiovisual e de vários parceiros imprescindíveis à realização do festival.
PROGRAMAÇÃO STEREO
 
Tiago Cutileiro + Marta Navarro - Das Cabinett Des Dr. Caligari 
Data: Sábado, 6 de Julho, 17h30
Local: Teatro Municipal de Vila do Conde
Preço: €7 (pré-venda até 5 de Julho) / €8 (a partir de 6 de Julho) 
Venda: aqui

Thurston Moore com filmes de Maya Deren
Data: Quarta, 10 de Julho, 21h00
Local: Teatro Municipal de Vila do Conde
Preço: €14 (pré-venda até 5 de Julho) / €16 (a partir de 6 de Julho) 
Venda: aqui
 
The Heliocentrics – Heaven and Earth Magic
Data: Sexta, 12 de Julho, 23h45
Local: Teatro Municipal de Vila do Conde
Preço: €8 (pré-venda até 5 de Julho) / €10 (a partir de 6 de Julho)
Venda: aqui

Montanhas Azuis + Pedro Maia
Com o apoio SPA - Sociedade Portugesa de Autores
Data: Sábado, 13 de Julho, 23h45
Local: Teatro Municipal de Vila do Conde
Preço: €7 (pré-venda até 5 de Julho) / €8 (a partir de 6 de Julho)
Venda: aqui


←prev 1  I  2  I  3  I  4  I  5  I  6 next→
ETIQUETAS