Ver Filmes Online
  • DEANIMATED Martin Arnold
  • PASSAGEM AO ACTO

    Martin Arnold
  • CLOUDY INSULIN

    Martin Arnold
  • SILENT WINDS

    Martin Arnold
  • DISSOCIATED

    Martin Arnold
  • COVERVERSION

    Martin Arnold
  • PASSAGE À L'ACTE

    Martin Arnold
  • PIÈCE TOUCHÉE

    Martin Arnold
  • PSYCHO

    Martin Arnold
  • DER V'97 TRAILER

    Martin Arnold
  • ALONE. LIFE WASTES ANDY HARDY

    Martin Arnold
DEANIMATED
Martin Arnold, 2002
Austria, , 01:00:00
Martin Arnold sujeita um clássico do cinema de terror americano
de 1941 a uma cirurgia cinematográfica radical. Os actores desaparecem graças à
tecnologia digital, fazendo com que o espaço cinemático se transforme no verdadeiro
actor principal e fornecendo uma nova interpretação precisa e absurdamente cómica.
Arnold pega no filme original “The Invisible Ghost”, no qual uma esposa “hipnotiza” o
marido como parte de um plano assassino, e transforma-o em “Deanimated” – um estudo
sobre a crescente desintegração dos filmes de actor. No final, o olho da câmara vagueia
sobre os sets desprovidos de vida humana onde as luzes parecem ter sido apagadas,
literalmente. Em “Deanimated”, a morte transforma-se na fúria do desaparecimento o que
testemunha uma “insustentável transição para além da existência” (Georges Bataille). A
loucura está inscrita nos rostos. O êxtase da supressão, a aniquilação do ser, a
reificação do inorgânico, o olhar que busca, que já não encontra qualquer tipo de
reconhecimento – estas são as fases que preparam a transição para uma rigidez catatónica
(Thomas Miessgang). “Deanimated” embarca no despovoamento radical do ecrã e do
auditório. Enquanto os filmes mais antigos de Arnold lidavam com o momento de
sobre-ênfase através da repetição do sempre-semelhante, o tema central do filme
“Deanimated” é a ideia de desaparecimento. Este velho tema, que nos é familiar dos
filmes de crime e de terror, é aqui intensificado e reforçado: protagonistas essenciais
do enredo são apagados do filme através de “composição digital”, as bocas dos casais que
conversam são apresentadas fechadas, a banda sonora orquestrada amplifica-se para dar
mais ênfase dramática aos não-acontecimentos. O que permanece são apenas vestígios de
acontecimentos, provas circunstanciais escassas de situações cujas origens não são
explicadas: pó que rodopia, o som de disparos, o horror reflectido no rosto de uma
mulher que se afasta do vazio.